A loucura em sua própria forma de expressão: esse é o tema do documentário amazonense “Loucossão”, de Luiz Carlos Martins e Rosângela Aufiero, que estreia no próximo domingo, 11, no Teatro da Instalação, Centro, às 19h. A sessão contará também com debate com os realizadores, após a exibição do curta-metragem.

“Loucossão” é um documentário experimental que busca retratar o sofrimento psíquico de pessoas que sofrem de doenças mentais, estruturado de forma a mergulhar o próprio espectador em um universo de sons e imagens desconexas. Entre trechos de entrevista com pacientes e familiares, o filme acompanha também como protagonista Joana D’Arc, ex-paciente do Hospital Psiquiátrico Eduardo Ribeiro.

A ideia para o projeto surgiu em 2008, a partir dos estudos de Luiz Carlos no doutorado em Análise do Discurso Audiovisual na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da monografia da psicóloga Rosângela Aufiero, mas só agora a dupla de diretores enfim pôde tirá-lo do papel. O curta foi realizado com incentivo do edital Programa de Apoio às Artes (Proarte), da Secretaria de Estado da Cultura (SEC).

“Tentamos várias vias. De lá pra cá, fomos trabalhando aos poucos em entrevistas, pesquisas, reelaborações do roteiro. Entrevistamos várias pessoas, mas achei por bem fazer essa primeira versão com parte da equipe para daí fazermos uma websérie, dada a fecundidade do assunto e a necessidade de nós mesmos enfrentarmos nossas percepções e experiências sobre o tema. Vai ser nosso próximo passo”, revelou Luiz Carlos, um dos codiretores da produção.

Referências e experimentação

Segundo Luiz Carlos, o processo de lidar com um tema tão espinhoso não foi fácil. “Eu diria que visitei o inferno para poder tratar desse assunto. É uma temática muito difícil e que me mobilizou muito. Sofremos muitas dificuldades para trazer a perspectiva que tínhamos à tona, seja do ponto de vista subjetivo, seja na nossa relação como equipe”, destacou.

Apesar disso, o realizador acredita que o resultado possa cumprir seu papel de sensibilizar o espectador. “Espero que as pessoas prestem atenção no modo como tratamos as entrevistas, como fotografamos os personagens, como usamos imagens e sons, o modo como representamos a realidade do sofrimento psíquico e como a expressamos com os recursos audiovisuais, como envolvemos parte da equipe nessa elaboração. Não queríamos fazer um documentário com a palavra de especialistas. E quando isso aparece, tem um efeito de sentido oposto ao comumente usado. Espero que os espectadores se permitam se colocar no lugar de pessoas que vivem o sofrimento psíquico e saiam questionando o porquê de algumas soluções estéticas que adotamos”.

Entre as referências utilizadas na construção do filme, o diretor destaca sua inspiração no trabalho do diretor de fotografia Emmanuel Lubezki (“Birdman”), e especialmente em obras como “A Árvore da Vida”, de Terrence Malick, o documentário “Santiago”, de João Moreira Salles, e “Ilha das Flores”, de Jorge Furtado.

Circuito

De acordo com o diretor, já há convites para exibições futuras no Rio de Janeiro, São Paulo e Florianópolis. Além disso, o próximo passo é trabalhar na tradução do filme para inglês, francês e espanhol, a fim de inscrevê-lo em festivais e mostras internacionais. “Estamos muito otimistas com a qualidade do trabalho que fizemos. Não é um trabalho de fácil leitura, mas, por outro lado, ele tem vários momentos poéticos que nos dão muita satisfação de os termos elaborado”, ressaltou Luiz Carlos.

Confira a seguir o trailer de “Loucossão”:

SERVIÇO

O quê: Estreia de “Loucossão”, de Luiz Carlos Martins e Rosângela Aufiero

Quando: 11/10 (domingo), às 19h

Onde: Teatro da Instalação – Rua Frei José dos Inocentes, s/n, Centro

Quanto: Gratuito

Facebook Comments