Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. “Sibéria”, novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do espectador, mas que recompensa em igual medida.

Destinado ao circuito de arte (e aparentemente orgulhoso disso), o longa mantém o modo contemplativo dos últimos filmes de seu realizador e apresenta a simbiose perfeita entre este e seu ator principal, Willlem Dafoe. 

Em sua sexta colaboração com Ferrara, Dafoe interpreta Clint, um americano vivendo na região que dá nome à produção. Sem falar uma palavra de russo, ele cuida de um bar que serve à população e sofre alucinações que apontam para um passado horrível que o marcou e o fez fugir de tudo. Um dia, ele decide investigar seus medos e parte para o meio da imensidão gelada para um duro confronto consigo mesmo. 

A primeira metade de “Sibéria” é estilizada como um thriller – algo que se reflete tanto nas imagens escuras e na paleta de cores esverdeada (cortesia do diretor de fotografia Stefano Falivene) quanto na música sombria do compositor Joe Delia. Algumas cenas apostam até mesmo em sustos, provando que o passado de alguém pode ser tão assustador quanto qualquer stalker. 

Aos 45 minutos, no entanto, o longa muda completamente de marcha e o que se segue são cenas levemente conectadas que reimaginam a trama de “A Felicidade Não Se Compra” como uma viagem de culpa e vergonha. 

DAFOE FANTÁSTICO 

Narrativamente, Ferrara opta por manter o espectador às escuras com relação aos detalhes da trama, somente dando informações soltas e imprecisas a respeito dos acontecimentos da vida de Clint que o levaram a cuidar de um bar na Sibéria. 

O roteiro co-escrito por Ferrara e Christ Zois prefere investir em associações de imagens para traduzir a mente de seu protagonista, evocando um clima de sessão de terapia (Zois, que já co-escreveu outros quatro filmes do diretor, já foi psiquiatra) e cortejando abertamente a possibilidade da viagem de Clint não ser física – apenas psicológica. 

Dafoe está fantástico no papel que parece que nasceu para interpretar. Sua face cansada transita entre alegria, fúria e medo em intervalos curtíssimos de tempo. Mesmo em cenas delirantes e com diálogos nada naturais, ele investe o personagem de uma carga emocional que cativa o público. 

Removido de sua aura desafiadora, “Sibéria” quer contar a história de um homem egoísta tentando mudar e fazer as pazes consigo mesmo. Essa essência familiar poderia ter gerado um filme comum, mas Ferrara mergulha no abismo do ser humano e sai com uma obra acima da média. 

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...