Advogados do produtor de cinema Harvey Weinstein pediram nesta sexta-feira para um juiz de Nova York rejeitar acusações de estupro e abuso sexual contra ele, divulgando e-mails entre uma de suas acusadoras e Weinstein que disseram não terem sido mostrados ao grande júri que o culpou.

Weinstein negou ter feito sexo não consensual com qualquer pessoa após acusações de mais de 70 mulheres, em maioria jovens atrizes e outras mulheres que trabalhavam na indústria cinematográfica, de condutas sexuais irregulares, incluindo estupro, datadas de décadas atrás.

Em uma moção apresentada em tribunal do Estado de Nova York em Manhattan, advogados de Weinstein disseram que os e-mails mostravam um “relacionamento íntimo, consensual e de longa duração” entre Weinstein e uma mulher não nomeada que o acusou de estuprá-la em 2013.

Advogados de Weinstein disseram não ter objetivo de “ignorar que estupros podem acontecer em relacionamentos”, mas que procuradores deveriam ter mostrado os e-mails em ordem para que membros do grande júri pudessem tomar uma “decisão informada”.

A mulher e Weinstein se comunicaram durante um período de mais de quatro anos após a data que ela disse ter sido estuprada por ele, disseram os advogados de Weinstein.

Um advogado ou representante da mulher não foi imediatamente identificado para pedido de comentários sobre a moção.

Um porta-voz do procurador distrital Cyrus Vance, que está levando o caso a cabo, se negou a comentar sobre a moção.

O caso contra Weinstein em Manhattan envolve três mulheres. Weinstein, de 66 anos, se declarou inocente para todas as acusações e está livre após fiança de 1 milhão de dólares.

O advogado de Weinstein Benjamin Brafman disse em comunicado que as moções “revelam a existência de evidências exculpatórias”.

da Agência Reuters

Facebook Comments