O mundo se trancou em casa desde a chegada da pandemia da COVID-19. Mas, e se o perigo estiver justamente dentro da sua própria residência? Com este ponto de partida, o amazonense Lucas Simões comandou, ao lado de Jorge Vendinha, o terror “Quem Apagou as Luzes?”, curta-metragem selecionado para o First Time Filmmaker Sessions“. O evento voltado para realizadores em início de carreira será realizado em Londres, no mês de agosto. 

“Quem Apagou as Luzes?” teve as gravações realizadas em plena pandemia, no mês de maio, em Évora, Portugal. Na cidade onde realiza o curso de cinema da universidade local, Lucas se juntou com o ator de Cabo Verde, Fabrisio Canifa, com quem divide uma casa, para gravar o curta-metragem de seis minutos de duração.  

Filmado todo com a iluminação de um isqueiro, o curta-metragem aproveita o confinamento para criar uma experiência claustrofóbica. “Nós gravamos em casa durante três noites, apenas com o intervalo de dois dias antes da última filmagem para rever o que estávamos filmando e fechar pontas soltas da narrativa. A edição levou muito mais tempo; era um processo constante para aprimorar o filme em favor da experiência”, disse Lucas. “O Jorge e eu trabalhamos juntos nos filmes em geral também porque ele mora relativamente perto de nós. Em maio, Portugal já havia afrouxado mais as restrições da quarentena, isso nos possibilitou fazer o filme com mais segurança”, completou. 

PANDEMIA LONGE DA FAMÍLIA 

Antes de ir morar em Portugal, Lucas Simões comandou a Lens Filmes, coletivo de jovens realizadores amazonenses. No grupo, além de produtor dos filmes do grupo, ele dirigiu um curta, o drama de época “O Gato”, e um longa de ação intitulado “Máscara Vermelha”. Em 2017, porém, resolveu mudar de ares para estudar cinema na Universidade de Évora. 

Já na reta final do curso, Lucas se deparou com a maior pandemia do século e admite que a experiência longe de familiares e amigos não tem sido das mais fáceis. “Ninguém espera estar longe de casa quando se inicia uma pandemia. Era algo que eu jamais poderia esperar estar presenciando isso de longe e não poder estar com as pessoas que gostariam da minha presença com elas”, disse. 

Mesmo assim, Lucas não pretende retornar para dar continuidade à carreira aqui no Brasil. “Eu estou com um planejamento, a nível de carreira, e penso que as atuais políticas públicas no Brasil voltadas para o audiovisual não estão a favor dos diretores e produtores, e isso não facilita a vida de quem precisa. A partir de onde eu moro hoje, vou continuar contando as histórias através dos filmes e principalmente buscando novos públicos para elas. O que eu puder fazer ao meu alcance que colabore com o audiovisual brasileiro, farei com certeza”, disse. 

Prazos apertados levam desafios ao audiovisual do Amazonas em editais da Lei Aldir Blanc

Os editais do Governo do Amazonas e da Prefeitura de Manaus provenientes do repasse da Lei Aldir Blanc iniciam a fase de inscrição das propostas a partir desta semana. A Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), por exemplo, lançou 11 editais do...

Manuscrito histórico de Silvino Santos aguarda publicação na Ufam

A morte de Silvino Santos completou 50 anos no último dia 14 de maio. A trajetória rica do pioneiro do cinema na região amazônica aparece em detalhes no manuscrito “Romance da Minha Vida”, de autoria do próprio diretor dos clássicos “No Paiz das Amazonas” e “Amazonas,...

Vitória de ‘O Barco e o Rio’ em Gramado não é exceção, mas, pode vir a ser

Parte do que será colocado neste texto também foi abordado pelo João Fernandes, diretor-proprietário do Casarão de Ideias, em sua coluna no jornal A Crítica deste domingo (27) (clique aqui para ler).  --  Dirigido por Bernardo Ale Abinader, “O Barco e o Rio” escreveu...

Animação amazonense ‘Lupita’ vence prêmio no Festival de Gramado 2020

A festa do audiovisual amazonense foi completa na noite de premiação do Festival de Gramado 2020: além dos cinco Kikitos vencidos por “O Barco e o Rio” entre os curtas-metragens nacionais, “Lupita no Planeta de Gente Grande”, da manauara Petit Fabrik em parceria com a...

Amazonense ‘O Barco e o Rio’ domina Festival de Gramado e vence 5 Kikitos

O cinema do Amazonas viveu uma noite histórica neste sábado (26): “O Barco e o Rio” conquistou cinco prêmios na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020. A produção levou os Kikitos de Melhor Filme, Melhor Direção para Bernardo...

Saiba o horário de exibição de ‘O Barco e o Rio’ no Festival de Gramado

O Festival de Gramado 2020 começa nesta sexta-feira (18) com uma atração especial para os amazonenses: "O Barco e o Rio" representa o Estado dentro da Mostra Competitiva Nacional de Curtas-Metragens. O filme dirigido e roteirizado por Bernardo Abinader e protagonizado...

Manaus sedia 10ª Cinefantasy, festival internacional de cinema fantástico

Manaus irá sediar o CineFantasy - Festival Internacional de Cinema Fantástico 2020 entre os próximos dias 15 a 19 de setembro. Com sessões gratuitas no Teatro Amazonas e no Cine Teatro Guarany, o evento contará com a pré-estreia mundial de "O Cemitério das Almas...

Matapi terá edição em formato 100% online e aberta para todo Brasil

Principal evento de mercado audiovisual da Região Norte, o ‘Matapi 2020’ chega à terceira edição com novo formato: o evento será 100% online entre os dias 25 e 28 de novembro. Debates sobre a produção audiovisual na Amazônia, bate-papo com players e mercados nacionais...

Com concurso de cosplay, festival de cinema em Parintins abre inscrições

Conhecida por ser a terra do boi-bumbá de Caprichoso e Garantido, Parintins abriga um dos raros eventos de cinema do interior do Amazonas. Com inscrições abertas, o Festival de Cinema Focaliza Parintins (FOPIN) chega à segunda edição em 2020 superando as adversidades...

Cinépolis reabre cinemas em Manaus após 5 meses

Com 26 salas em Manaus em três importantes shoppings da cidade, o Cinépolis retoma, nesta quinta-feira (3), as atividades paralisadas desde março por conta da pandemia da COVID-19. Os complexos localizados no Manaus Plaza, na Avenida Djalma Batista, e no Ponta Negra,...