Estrela de clássicos como “Pulp Fiction – Tempo de Violência” e “Kill Bill”, Uma Thurman resolveu falar sobre os casos de assédio e abuso sexual sofridos em Hollywood. Durante os últimos meses, a atriz declarou que tinha histórias para contar, mas, queria esperar a raiva passar para poder falar sobre o assunto com mais calma. O dia chegou em um artigo bombástico divulgado pelo The New York Times neste sábado (3). As informações são do site Deadline.

O primeiro trauma da atriz aconteceu quando tinha 16 anos e iniciava a carreira de atriz. Em uma determinada noite de inverno, ela saiu em Manhattan e conheceu um ator 20 anos mais velho. Segundo Thurman, o homem a estuprou.  “Eu tentei dizer não, eu chorei, fiz tudo o que pude fazer. Ele me disse que a porta estava trancada. Quando cheguei em casa, lembro que fiquei de pé na frente do espelho e olhei para as minhas mãos. Estava tão brava com elas por não estarem sangrando ou feridas. A partir daí, acho que fiquei menos tolerante a este tipo de coisa”, declarou.

Harvey WeinsteinAtaques de Weinstein

Uma Thurman contou que conheceu Harvey Weinstein durante a realização de “Pulp Fiction”. De acordo com ela, os dois passavam horas conversando sobre trabalho e, por ela não ser uma querida dos grandes estúdios, o executivo era uma pessoa importante na carreira dela por sempre colocá-la na mira de filmes e diretores certos para o estilo de atuação da atriz. Não demorou muito, porém, para o executivo tentar assediá-la. O caso aconteceu em um quarto de hotel em Paris.

Enquanto debatiam um roteiro, Harvey Weinstein tirou o roupão na frente da atriz. “Não me senti super ameaçada. Pensei que ele estava sendo super idiossincrático como aquele seu tio excêntrico. Eu o segui até uma porta e era uma sala de vapor. E eu estava de pé na minha roupa de couro preto. Estava tão quente e eu disse: “isso é ridículo, o que você está fazendo?” Harvey acabou ficando muito nervoso e bravo. No fim, ele desistiu”, afirmou.

O primeiro ataque veio tempos depois no Savoy Hotel, em Londres, logo após a estreia de “Pulp Fiction”. Uma Thurman revelou que Harvey Weinstein tentou forçou a barra para ter relações sexuais com ela. “Foi como um morcego na cabeça. Ele me empurrou para baixo. Ele tentou se expor. Ele fez todos os tipos de coisas desagradáveis. Mas ele realmente não conseguiu nada e me forçou a fazer. Você é como um animal que se afasta, como um lagarto. Eu estava fazendo qualquer coisa que eu pudesse para fazer tudo voltar ao normal”. No dia seguinte, o executivo mandou um bilhete com flores dizendo que ela tinha grandes instintos.

A situação fez Thurman agendar um novo encontro com Weinstein no bar do mesmo hotel para debater sobre o caso do ataque. Na ocasião, ela afirma que ameaçou contar sobre o ocorrido caso o então dono da Miramax fizesse aquilo com outra mulher. “Eu acabou com a sua carreira, reputação e família. Te prometo”, teria dito a atriz. Procurado pelo NY Times, o próprio executivo confirmou o fato e declarou que pediu desculpas imediatamente à atriz. A relação dos dois, então, mudou e passou a ser protocolar.

Quentin TarantinoTarantino sabia

Durante o Festival de Cannes de 2001, Uma Thurman encontrou Quentin Tarantino e Harvey Weinstein. Na ocasião, já estava definido que eles fariam juntos “Kill Bill”. Ao notar que a atriz estava nervosa ao encontrar com o produtor, o diretor foi até ela e perguntou o que estava acontecendo. Ela, então, lembrou o caso ocorrido em Londres. “Provavelmente, ele minimizou na linha do ‘oh, pobre Harvey, tentando ficar com garotas que ele não pode ter’ na primeira vez que escutou a história. Desta vez, porém, a ficha caiu e ele foi confrontar Harvey”, disse.

Mais tarde naquela noite, Weinstein se disse magoado e surpreso pelas acusações da atriz, mas, ela reiterou o que dissera sobre o ocorrido em Londres. “De repente, ele saiu de um estado agressivo para envergonhado”, revelou Thurman, acrescentando que o executivo pediu desculpas logo em seguida.

 

 

 

Facebook Comments