Gosto de escrever desde que me entendo por gente, mas quando criança nem sabia o que seria um “texto pra televisão”. Nem passava pela minha cabeça que alguém conseguiria prever as palavras exatas e, ao mesmo tempo, orgânicas o suficiente para causar impacto. No caso das comédias, era ainda mais estranho: como um texto conseguiria ser tão preciso em fazer rir?

Durante a transmissão original de “Os Normais”, eu não tinha completado nem 10 anos de idade e, se assistia, talvez risse sem entender a maior parte das piadas e da relação entre Rui e Vani. Acredito que tenha desenvolvido uma relação com o programa já com reprises e o lançamento dos filmes.

Foi assistindo ao seriado que prestei atenção, pela primeira vez, que existiam créditos de texto. Existia um texto que guiava toda a dinâmica que aparecia ali e, ao mesmo tempo, que precisava ter uma precisão cirúrgica pra funcionar, também precisava ter espaço pro improviso. Ali surgiu meu interesse por roteiro.

O nome de Fernanda Young, então, ficou na minha cabeça.

 

Minha avó, moderninha que só ela, assistia “Irritando Fernanda Young” às quintas-feiras na TV a cabo. O “Saia Justa”, programa do qual Fernanda fez parte da formação original, também era uma constante na minha casa durante as noites de quarta. Pra falar a verdade, eu assistia qualquer coisa que tivesse o nome dela envolvido.

Acabei assistindo até Macho Man e O Dentista Mascarado. Esses foram difíceis pra mim, devo admitir.

Fernanda era, além de a primeira mulher que eu reconhecia como roteirista, completamente diferente de qualquer pessoa que eu já tinha visto até então na televisão: tatuada, porra louca, com um humor ácido e, por vezes, non sense que sempre me deixou meio encantada, meio chocada.

Hoje percebo o quanto o trabalho de Fernanda Young foi porta de entrada para várias preferências que desenvolvi ao longo dos anos: o gosto por crônicas, roteirização e a pontinha de mim que ainda insiste em pensar e produzir audiovisual. Durante a faculdade, ela continuou sendo referência para mim em vários trabalhos: de entrevistas a roteiros.

Quando citava o nome dela percebia sempre um certo grau de estranhamento, talvez porque eu pareça ser, em jeito e aparência, o extremo oposto do que a Fernanda Young representava. Acho que tudo isso se desenvolveu de forma quase inconsciente, mas assim que pensava se faria ou não minha primeira tatuagem, a imagem dela me dizia que ser tatuada não seria, por si só, mais um obstáculo.

Esse choque fez com que olhasse pra trás e enxergasse o improvável impacto que seu trabalho teve em mim. Acredito que ela tenha sido, afinal, uma das referências femininas mais importantes e uma das primeiras profissionais “de bastidores” de quem fui fã: fazia questão de acompanhar e me deixar levar pelas excentricidades e pela imprevisibilidade de tudo que vinha dela.

 

A morte de Fernanda me chocou por sua idade real, mas também porque, para mim, ela tinha aquela aura de quem nunca morreria. Com o perdão do trocadilho, sempre young.

10 Críticos de Cinema do Brasil da Atual Geração Para Ficar de Olho

Algum tempo atrás falamos sobre os grandes críticos de cinema da história. O tempo passa, a tecnologia se expande e novos formatos de comunicação surgem e/ou se aprimoram. Pensando nisso, resolvemos atualizar essa lista com críticos que tem se destacado na última...

Quais as 10 Franquias do Cinema Atual pela hora do adeus?

Filmes, para mim, são iguais a pessoas, quando se trata da passagem do tempo: alguns envelhecem bem, outros passam vergonha contando a piadinha do “é pavê ou pá cumê?” pela centésima vez na reunião de família. Com franquias de cinema é a mesma coisa: várias sobrevivem...

Sete Comédias Românticas Vindo por aí nos Cinemas

Comédias românticas nunca morrem. Um dos gêneros mais confiáveis e explorados de Hollywood, elas nunca saem de moda porque o público, e os produtores, gostam. Algumas da Netflix já tiveram boa repercussão este ano, como Megarromântico e Meu Eterno Talvez – o maior...

Os 10 Maiores Carros da História do Cinema

Quantas grandes sequências do cinema tiveram carros como o centro da ação? Astros de diversas gerações já pilotaram máquinas potentes nas telonas, incluindo, estrelas como James Dean (“Juventude Transviada”), Sean Connery (série 007) chegando até Vin Diesel (“Velozes...

Cinco Situações que Estragam Qualquer Ida ao Cinema

Seu filme favorito entra em cartaz. Você compra os ingressos para assistir na pré-estreia, sem riscos de spoilers e ansiedade controlada. Hype lá em cima. Pipoca e refrigerante em mãos, você entra na sala e espera a projeção começar.O que poderia acabar...

Os Acertos e Erros de ‘Vingadores: Ultimato’

ATENÇÃO: TRÊS MIL SPOILERS À FRENTE!Iniciar uma franquia e mantê-la lucrativa durante dez anos é, com certeza, um trabalho árduo. Entretanto, encerrá-la de forma coerente e satisfatória para seu público definitivamente é uma tarefa mais complicada. Com...

Universo Marvel nos cinemas: do Melhor ao Pior Filme

Após 11 anos e 21 filmes, o Universo Cinematográfico da Marvel finalmente vai se despedir de heróis que marcaram as primeiras fases do estúdio nas adaptações de HQs em longas-metragens. Nomes como Thor, Capitão América e Homem de Ferro foram protagonistas...

Cinco atores do Amazonas que deveriam receber mais chances no cinema

Diego Bauer traz uma lista de cinco atores do teatro do Amazonas que o audiovisual local e nacional podem aproveitar mais.

As Melhores (e a Pior) Atuações em Cinebiografias Brasileiras

Cinebiografias são complicadas: esse tipo de filme que se propõe a contar a história de alguma figura ilustre geralmente acaba por sofrer algum revés. O principal deles com certeza é a falta de coragem. Roteiros genéricos que se acovardam e não aprofundam...

10 Melhores e Piores Filmes Originais da Netflix

Dentre tantas controvérsias envolvendo a Netflix e suas produções, finalmente, é possível afirmar: este nome se tornou indispensável quando o assunto é a indústria cinematográfica. Fugindo da tradicional forma de assistir longas-metragens e seriados, o...