O cinema amazonense terá representante no Festival do Rio: “O Barco e o Rio” está selecionado para a Première Brasil entre os curtas-metragens nacionais. O evento inicia nesta quinta-feira (5) e segue até 15 agosto com a programação gratuita e online através da plataforma Innsaei.TV.  Serão exibidos os 45 filmes selecionados para a edição do ano passado quando o festival foi cancelado por conta da pandemia.

“O Barco e o Rio” iniciou sua trajetória de sucessos em festivais brasileiros ao vencer cinco categorias em Gramado – Melhor Filme do Júri e do Júri Popular, Melhor Direção com Bernardo Abinader, Direção de Fotografia com Valentina Ricardo e Direção de Arte com Francisco Ricardo.

A produção ainda levou quatro Trófeus Mapinguari no Cinemazônia – Melhor Produção Amazônica em Curta e Média-Metragem, Melhor Ficção, Direção e Atriz. No Cine Ceará, a Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) concedeu o prêmio do júri da entidade para o curta, além de, na lista anual da entidade, tê-lo inserido no TOP 10 dos melhores de 2020. Em julho deste ano, o curta amazonense ainda recebeu uma menção honrosa no Festival Internacional de Cinema de Huesca, na Espanha.

O curta traz a história de duas irmãs antagônicas que herdam o barco da família. A mais velha e conservadora, Vera (Isabela Catão), vê no patrimônio a vida dela, passando os dias transportando mercadorias e passageiros. Já Josi (Carolinne Nunes) não gosta das restrições da irmã; possui cabeça aberta, mas vê a vida mudar devido a uma gravidez inesperada. A dinâmica da relação é o ponto de conflito do filme.

Outra atração com presença local será “Atordoado, Eu Permaneço Atento“, do amazonense Henrique Amud e de Lucas H. Rossi dos Santos. O documentário também participou do Festival de Gramado 2020, onde saiu premiado com Melhor Trilha Musical para Hakaima Sadamitsu e M. Takara.

A produção traz como personagem o jornalista Dermi Azevedo, que nunca parou de lutar pelos direitos humanos. Agora, três décadas após o fim da ditadura, ele assiste ao retorno das práticas daquela época.

O FESTIVAL DO RIO

Para esta edição especial de exibição dos filmes selecionados para 2020, terá esta Première Brasil com 20 longas – 12 de ficção e oito documentários – e 25 curtas. Cada longa terá uma sessão presencial e ficará disponível na plataforma a partir do dia seguinte; e os curtas estarão reunidos em programas, também com sessões únicas e a oferta online já no mesmo dia. O acesso é gratuito, no cinema – com lugares limitados – e na plataforma.

“Realizar um evento híbrido, presencial e virtual, com a seleção que fizemos dos filmes inscritos no ano passado, é uma forma de valorizar os profissionais envolvidos e dar uma plataforma de divulgação para os títulos. Será uma semana inteira dedicada exclusivamente à Première Brasil”, comenta Ilda Santiago, Diretora-Executiva e de Programação do Festival. “As medidas para combate à pandemia da Covid-19 nos impediram de realizar o festival em 2020, e também suspenderam parcialmente a produção e o lançamento dos filmes brasileiros. Agora é o momento de reocuparmos os espaços da cidade e as telas dos cinemas e o Festival do Rio, mais uma vez, vai abraçar esta retomada”.

Em setembro, o Festival do Rio vai além das salas de cinema, oferecendo filmes especialmente escolhidos para ações em algumas Lonas e Arenas Culturais da Prefeitura do Rio de Janeiro. A estratégia do Festival do Rio é estar presente na vida do público de cinema e da cidade ao longo de todo o ano. No primeiro semestre de 2021, o Festival do Rio ganhou mostras especiais. Em abril, no Canal Brasil (filmes de ficção brasileiros) e em maio/junho, no Canal Curta / Curta OM (documentários brasileiros). Em julho, foi a vez da programação especial de filmes inéditos internacionais em parceria com o Telecine, uma ação online em formato inovador.

CONFIRA OS FILMES DA Première Brasil 2020

Longas de ficção:
A Morte Habita à Noite, de Eduardo Moroto – 94 minutos
Um Animal Amarelo, de Felipe Bragança – 115 minutos
Casa de Antiguidades, de João Paulo Miranda Maria – 93 minutos
Curral, de Marcelo Brennand – 86 minutos
Desterro, de Maria Clara Escobar – 123 minutos
Doutor Gama, de Jefferson De – 80 minutos
King Kong En Asunción, de Camilo Cavalcante – 90 minutos
Longe do Paraíso, de Orlando Senna – 106 minutos
Meu nome é Bagdá, de Caru Alves de Souza – 99 minutos
O Silêncio da Chuva, de Daniel Filho – 96 minutos
Pajeú, de Pedro Diógenes – 74 minutos
Valentina, de Cássio Pereira dos Santos – 95 minutos

Longas Documentários:
#eagoraoque, de Jean-Claude Bernardet e Rubens Rewald – 71 minutos
Chico Rei Entre Nós, de Joyce Prado – 94 minutos
Depois da Primavera, de Isabel Joffily e Pedro Rossi – 86 minutos
Limiar, de Coraci Ruiz – 75 minutos
Luz Acesa, de Guilherme Coelho – 69 minutos
Para onde voam as feiticeiras, de Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral – 90 minutos
Quadro negro, de Bruno F. Duarte e Silvana Bahia – 62 minutos
Vil má, de Gustavo Vinagre – 90 minutos

Curtas-metragem:
4 Bilhões de Infinitos, de Marco Antônio Pereira – 14 minutos
A Morte Branca do Feiticeiro Negro, de Rodrigo Ribeiro – 10 minutos
Amanhã, de Aline Flores e Alexandre Cristófaro – 18 minutos
Atordoado, Eu Permaneço Atento, de Henrique Amud e Lucas H. Rossi dos Santos – 15 minutos
Blackout, de Rossandra Leone – 19 minutos
Célio’s Circle, de Diego Lisboa – 10 minutos
Ela que mora no andar de cima, de Amarildo Martins – 14 minutos
Enraizadas, de Gabriele Roza e Juliana Nascimento – 14 minutos
Fotos Privadas, de Marcelo Grabowsky – 12 minutos
Gilson, de Vitória Di Bonesso – 5 minutos
Lacrimosa, de Matheus Heinz – 11 minutos
Mãtãnãg, A Encantada, de Shawara Maxakali e Charles Bicalho – 14 minutos
O Barco e O Rio, de Bernardo Ale Abinader – 17 minutos
O Ciclope, de Guilherme Cenzi e Pedro Achilles – 9 minutos
O Prazer de Matar Insetos, de Leonardo Martinelli – 10 minutos
Portugal Pequeno, de Victor Quintanilha – 19 minutos
Rafameia, de Mariah Teixeira e Nanda Félix – 24 minutos
Rasga Mortalha, de Thiago Martins de Melo – 14 minutos
República, de Grace Passô – 15 minutos
Rosário, de Igor Travassos e Juliana Soares – 18 minutos
Terra Dormente, de Antônio Farias – 21 minutos
Um Filme de Quarentena, de Miguel Chaves e Jessica Linhares – 11 minutos
Vitória, de Ricardo Alves Jr – 14 minutos
Você Tem Olhos Tristes, de Diogo Leite – 19 minutos
Yaõkwa – Imagem e memória, de Vincent Carelli e Rita Carelli – 21 minutos

com apoio de informações de assessoria

Em Manaus, Cine Set abre inscrições para curso de direção em audiovisual

Os cursos presenciais do Cine Set estão de volta após um longo e tenebroso inverno. O retorno será com a nova edição do Curso de Direção ministrado por Diego Bauer, diretor de curtas-metragens amazonenses premiados como "Obeso Mórbido" e "Terra Nova". As aulas serão...

De Manaus para Curitiba: Cine Set fará a cobertura do Olhar de Cinema 2022

Pela primeira vez, o Cine Set terá um correspondente in loco para a cobertura do Olhar de Cinema que ocorre entre os dias 1 e 9 de junho, em Curitiba. Gabriel Bravo de Lima irá de Manaus para a capital paranaense acompanhar o festival, produzindo críticas dos longas e...

O Fórum Feminino do Audiovisual do Amazonas | Podcast Cine Set #69

Surgido após a ausência de filmes dirigidos por mulheres amazonenses na quarta edição do Festival Olhar do Norte, o Fórum Feminino do Audiovisual do Amazonas chega como um local de fortalecer laços entre as mulheres que trabalham no setor do Estado. A geração de...

Do Acre para a Suécia: ‘Noites Alienígenas’ leva a Gotemburgo dilemas da Amazônia urbana 

Os dilemas de uma cidade no meio da Amazônia no constante choque existencial entre o urbano e a floresta diante da explosão da criminalidade causada pelas facções criminosas. Nesta realidade urgente e mais do que atual se passa “Noites Alienígenas”, longa acreano...

Cinco Breves Notas sobre a saída do Cinemark de Manaus 

1. MILHARES SEM CINEMA PRÓXIMO A ELAS  O fim das oito salas do Cinemark no Studio 5 deixa milhares de pessoas sem um cinema perto delas, cenário diferente do que ocorrera com o fechamento do Playarte do Manauara Shopping, onde outros shoppings – Amazonas, Millenium e...

Studio 5 confirma fechamento das salas do Cinemark em Manaus

Depois de 20 anos em operação, o Cinemark encerrou as atividades em Manaus. Procurado pelo Cine Set, o Studio 5 confirmou a informação. O último dia de operação da rede norte-americana na cidade aconteceu no domingo, dia 30 de janeiro. O Cinemark tinha oito salas na...

10 Filmes do Cinema Amazonense Para Ficar de Olho em 2022

Depois de um grande 2021 com muitos prêmios e presenças em importantes festivais nacionais e internacionais, o cinema amazonense chega para o ano novo com expectativas de manter o momento de alta. Muito disso graças aos lançamentos de projetos financiados com recursos...

Retrospectiva Cine Set – O Melhor e Pior do Cinema Amazonense em 2021

Incontáveis vezes durante 2021 escrevi que, em meio a tantas tragédias e notícias ruins, o cinema era uma das poucas coisas que o amazonense poderia se orgulhar neste ano. Afinal, semana após semana, as produções locais participavam de festivais Brasil e mundo afora,...

Retrospectiva 2021 – O Ano do Cine Set

Perco o número de vezes da quantidade de vezes em que já me perguntei o motivo de seguir fazendo o Cine Set durante estes 7,5 anos de existência do site.  Em janeiro de 2021, entretanto, parei.  Como seguir adiante quando a cidade onde nasci e vivo colapsa?...

Galeria de Fotos – Lançamento do Livro ‘Olhar Feminino: O Norte na Direção’

O Cine Set promoveu o lançamento de "'Olhar Feminino: O Norte na Direção" na noite do último sábado (18) no Casarão de Ideias, localizado na Rua Barroso, 279, no Centro de Manaus. Pâmela Eurídice, autora do livro, recebeu familiares e amigos para uma sessão de...