Dar visibilidade à produção feminina. Este é o objetivo do 1º “As amazonas do cinema”, novidade este ano no 6º Amazônia Doc, e que será aberto nesta segunda-feira (14), às 19h (horário de Brasília), com um Web-Encontro que reunirá as cineastas Tata Amaral (SP), Sabrina Fidalgo (RJ), Julia Katharine (SP), Flávia Abtibol (AM) e Zienhe Castro (PA), com mediação da crítica de cinema, roteirista e jornalista Lorenna Montenegro (PA), para debaterem as “Perspectivas das Mulheres sobre o Audiovisual Brasileiro”. A programação será transmitida pelo canal de YouTube do Amazônia Doc, com retransmissão para o Facebook Equatorial Energia.

As convidadas trazem características próprias em suas trajetórias e prometem levantar um debate plural acerca da atuação feminina no audiovisual brasileiro. Tata Amaral tem uma longa trajetória no cinema nacional. Dirige filmes e séries sobre dramas sociais e políticos. Iniciou sua carreira nos anos 1980, realizando curtas-metragens, quando em 1997, lança seu primeiro longa: Um Céu de Estrelas, filme que conta a história de uma jovem cabeleireira impedida pelo ex-noivo desempregado de viajar para receber um prêmio.

Também participa do encontro, realizadora carioca Sabrina Fidalgo, cujos filmes já foram exibidos em mais de 300 festivais nacionais e internacionais em lugares como Los Angeles e Nova York (EUA), Tegucigalpa (Honduras), Cidade do México (México), Buenos Aires e Córdoba (Argentina), Tóquio (Japão), Praia (Cabo Verde), Acra (Gana), Maputo e Cabo Delgado (Moçambique), Berlim e Munique (Alemanha), entre outros. Já recebeu inúmeros prêmios. Em março de 2018 foi eleita em oitavo lugar pela publicação norte-americana “Bustle” como uma das 36 diretoras de todo o mundo que estão mudando paradigmas em seus respectivos países. Estudou na Escola de TV e Cinema de Munique, na Alemanha, e estudou roteiro pela ABC Guionístas na Universidad de Córdoba, na Espanha.

A atriz, roteirista e diretora Julia Katharine traz ao debate um recorte social bastante contemporâneo. Ela é a primeira mulher trans a lançar um filme no circuito comercial de cinema no Brasil, o “Tea for Two”, curta metragem que conta a história de Silvia, uma cineasta que passa por um momento de crise e é surpreendida pela ex-esposa, Isabel. O reaparecimento do antigo amor entra em conflito com a recente presença de Isabela na vida de Silvia. A relação entre as três mulheres é representada no curta de 25 minutos, roteirizado e dirigido por ela, que também atua no papel da personagem trans, Isabela. O sucesso do filme e o reconhecimento pelo trabalho de Katharine, acabou abrindo portas para o fortalecimento da presença das pessoas trans no cinema brasileiro. Atriz, produtora e diretora, seu interesse pelo cinema surgiu ainda na infância, mas o descrédito das pessoas a sua volta pela sua condição de mulher trans sempre estiveram presentes quando o assunto era a profissão de cineasta.

O audiovisual e a ciência refletem um pouco da experiência de Flávia Abtibol, jornalista de formação, Mestre em Sociedade e Cultura na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), com especialidade em Divulgação e Jornalismo Científico na Amazônia pela Fiocruz (ILMD-Amazônia). Fundadora da Tamba-Tajá Criações e professora de Realização Audiovisual do Curso de Tecnologia em Audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), ela vem desde 2004 atuando no audiovisual nas áreas de Pesquisa, Produção, Roteiro e Direção de obras independentes para cinema e televisão.

Zienhe Castro, produtora executiva da ZFilmes e Vice-Presidente do Instituto Culta – Instituto de Cultura da Amazônia, é fundadora, diretora, curadora e coordenadora geral do AMAZÔNIA DOC – Festival Pan-Amazônico de Cinema, que recebe filmes dos 09 países pan-amazônicos e que, em meio a pandemia, transformou sua 6ª edição, em formato inusitado, 3 em 1. Natural de Belém, a cineasta e produtora cultural, atua no mercado da produção cultural há quase 30 anos e há cerca de 20 no audiovisual. Na universidade estudou Letras e Artes e Comunicação Social, mas acabou se graduando em Tecnologia do Cinema na Universidade Estácio de Sá-RJ, em 2003. E depois que cursou roteiro e direção para documentários na Escuela de Cine e TV de San Antonio de Los Baños/Cuba, em 2009, redefiniu sua trajetória.

A mediação é de Lorenna Montenegro, crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo, com mais de 15 anos de atuação na área. Faz parte do Coletivo Elvira de Mulheres Críticas de Cinema, que possui integrantes de todo o país. É membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA), desde 2012. Cursou Produção Audiovisual na PUCRS e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema/vídeo, e vem participando como júri e palestrante em diversos festivais e de mostras de cinema no país. Lorenna também é coordenadora do 1º Festival As Amazonas do Cinema.

A realização do 6º Amazônia Doc 3 em 1 é do Instituto Culta da Amazônia, com a Correalização do Instituto Márcio Tuma; patrocínio da Equatorial Energia, por meio da Lei Semear de Incentivo à Cultura – Fundação Cultural do Pará – Governo do Pará. Produção da ZFilmes; Apoio: Sebrae, Rede Cultura de Comunicação; Ufpa – Curso de Cinema e Estrela do Norte – Elo Company. O 6º Amazônia Doc – 3 em 1 vai até o dia 23 de setembro com mostras competitivas do Amazônia Doc, 1o Festival As Amazonas do CInema e 1o Curta Escola. As mostras competitivas podem ser acessadas pela plataforma AmazôniaFlix (www.amazoniaflix.com.br). As atividades demais atividades, pelo canal de Youtube do festival: www.youtube.com/user/amazoniadoc.

com informações de assessoria

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...