Dar visibilidade à produção feminina. Este é o objetivo do 1º “As amazonas do cinema”, novidade este ano no 6º Amazônia Doc, e que será aberto nesta segunda-feira (14), às 19h (horário de Brasília), com um Web-Encontro que reunirá as cineastas Tata Amaral (SP), Sabrina Fidalgo (RJ), Julia Katharine (SP), Flávia Abtibol (AM) e Zienhe Castro (PA), com mediação da crítica de cinema, roteirista e jornalista Lorenna Montenegro (PA), para debaterem as “Perspectivas das Mulheres sobre o Audiovisual Brasileiro”. A programação será transmitida pelo canal de YouTube do Amazônia Doc, com retransmissão para o Facebook Equatorial Energia.

As convidadas trazem características próprias em suas trajetórias e prometem levantar um debate plural acerca da atuação feminina no audiovisual brasileiro. Tata Amaral tem uma longa trajetória no cinema nacional. Dirige filmes e séries sobre dramas sociais e políticos. Iniciou sua carreira nos anos 1980, realizando curtas-metragens, quando em 1997, lança seu primeiro longa: Um Céu de Estrelas, filme que conta a história de uma jovem cabeleireira impedida pelo ex-noivo desempregado de viajar para receber um prêmio.

Também participa do encontro, realizadora carioca Sabrina Fidalgo, cujos filmes já foram exibidos em mais de 300 festivais nacionais e internacionais em lugares como Los Angeles e Nova York (EUA), Tegucigalpa (Honduras), Cidade do México (México), Buenos Aires e Córdoba (Argentina), Tóquio (Japão), Praia (Cabo Verde), Acra (Gana), Maputo e Cabo Delgado (Moçambique), Berlim e Munique (Alemanha), entre outros. Já recebeu inúmeros prêmios. Em março de 2018 foi eleita em oitavo lugar pela publicação norte-americana “Bustle” como uma das 36 diretoras de todo o mundo que estão mudando paradigmas em seus respectivos países. Estudou na Escola de TV e Cinema de Munique, na Alemanha, e estudou roteiro pela ABC Guionístas na Universidad de Córdoba, na Espanha.

A atriz, roteirista e diretora Julia Katharine traz ao debate um recorte social bastante contemporâneo. Ela é a primeira mulher trans a lançar um filme no circuito comercial de cinema no Brasil, o “Tea for Two”, curta metragem que conta a história de Silvia, uma cineasta que passa por um momento de crise e é surpreendida pela ex-esposa, Isabel. O reaparecimento do antigo amor entra em conflito com a recente presença de Isabela na vida de Silvia. A relação entre as três mulheres é representada no curta de 25 minutos, roteirizado e dirigido por ela, que também atua no papel da personagem trans, Isabela. O sucesso do filme e o reconhecimento pelo trabalho de Katharine, acabou abrindo portas para o fortalecimento da presença das pessoas trans no cinema brasileiro. Atriz, produtora e diretora, seu interesse pelo cinema surgiu ainda na infância, mas o descrédito das pessoas a sua volta pela sua condição de mulher trans sempre estiveram presentes quando o assunto era a profissão de cineasta.

O audiovisual e a ciência refletem um pouco da experiência de Flávia Abtibol, jornalista de formação, Mestre em Sociedade e Cultura na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), com especialidade em Divulgação e Jornalismo Científico na Amazônia pela Fiocruz (ILMD-Amazônia). Fundadora da Tamba-Tajá Criações e professora de Realização Audiovisual do Curso de Tecnologia em Audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), ela vem desde 2004 atuando no audiovisual nas áreas de Pesquisa, Produção, Roteiro e Direção de obras independentes para cinema e televisão.

Zienhe Castro, produtora executiva da ZFilmes e Vice-Presidente do Instituto Culta – Instituto de Cultura da Amazônia, é fundadora, diretora, curadora e coordenadora geral do AMAZÔNIA DOC – Festival Pan-Amazônico de Cinema, que recebe filmes dos 09 países pan-amazônicos e que, em meio a pandemia, transformou sua 6ª edição, em formato inusitado, 3 em 1. Natural de Belém, a cineasta e produtora cultural, atua no mercado da produção cultural há quase 30 anos e há cerca de 20 no audiovisual. Na universidade estudou Letras e Artes e Comunicação Social, mas acabou se graduando em Tecnologia do Cinema na Universidade Estácio de Sá-RJ, em 2003. E depois que cursou roteiro e direção para documentários na Escuela de Cine e TV de San Antonio de Los Baños/Cuba, em 2009, redefiniu sua trajetória.

A mediação é de Lorenna Montenegro, crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo, com mais de 15 anos de atuação na área. Faz parte do Coletivo Elvira de Mulheres Críticas de Cinema, que possui integrantes de todo o país. É membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA), desde 2012. Cursou Produção Audiovisual na PUCRS e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema/vídeo, e vem participando como júri e palestrante em diversos festivais e de mostras de cinema no país. Lorenna também é coordenadora do 1º Festival As Amazonas do Cinema.

A realização do 6º Amazônia Doc 3 em 1 é do Instituto Culta da Amazônia, com a Correalização do Instituto Márcio Tuma; patrocínio da Equatorial Energia, por meio da Lei Semear de Incentivo à Cultura – Fundação Cultural do Pará – Governo do Pará. Produção da ZFilmes; Apoio: Sebrae, Rede Cultura de Comunicação; Ufpa – Curso de Cinema e Estrela do Norte – Elo Company. O 6º Amazônia Doc – 3 em 1 vai até o dia 23 de setembro com mostras competitivas do Amazônia Doc, 1o Festival As Amazonas do CInema e 1o Curta Escola. As mostras competitivas podem ser acessadas pela plataforma AmazôniaFlix (www.amazoniaflix.com.br). As atividades demais atividades, pelo canal de Youtube do festival: www.youtube.com/user/amazoniadoc.

com informações de assessoria

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...