Dirigido por Diego Bauer e Ricardo Manjaro, “Obeso Mórbido” chega à internet, disponibilizado gratuitamente, nesta quarta-feira (8) no canal do Vimeo da Artrupe Produções Artísticas. Ao todo, o filme passou por sete festivais, dentre eles alguns dos de maior prestígio no mercado nacional: 22ª Mostra de Tiradentes, 26º Festival de Vitória, 23º Cine PE, 19º Goiânia Mostra Curtas, 10ª Semana de Cinema (Rio de Janeiro), Maranhão na Tela 2018 – Prêmio de Melhor Ator para Diego Bauer e II Mostra Internacional de São Luís – Melhor Som para Lucas Coelho e Heverson Batista.

“Obeso Mórbido” mostra o processo emagrecimento de Diego Bauer. Ao longo de quase dois anos, ele perdeu mais de 40kg ao fazer reeducação alimentar e adotar uma rotina de exercícios físicos. Com 15 minutos de duração, a produção amazonense mostra como a questão do peso se tornou uma obsessão para ele, trazendo também abordagens quanto ao culto do corpo, redes sociais e incomunicabilidade.

“Enquanto a gente realizava o filme, sempre estava na nossa cabeça a ideia de um filme pensado pro público. É pra ser fácil de assistir, pra que o público tenha uma relação mais fácil e direta. Fizemos o filme pensando nisso. Então esse momento gera muita expectativa, pois acredito que o assunto é muito mais amplo do que uma mudança de peso, mas a maneira como nos relacionamos com os nossos corpos, como isso vira uma moeda de troca nas redes sociais, e como na verdade todo mundo tem insegurança com o próprio corpo”, finaliza Bauer.

CONFIRA ABAIXO O FILME:


Obeso Mórbido (Morbid Obese) from Artrupe on Vimeo.

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...