Às vezes, pode ser sutil a linha entre fazer o bem a alguém e fazer mal para você mesmo. É o que Kim parece começar a perceber neste quinto episódio da temporada de Better Call Saul, intitulado “Dedicado a Max”. Ela é a força-motora deste episódio, que demonstra de novo a versatilidade da série. O que acontece com ela é, no fim das contas, sombrio. Mas este é também o episódio mais divertido da temporada, até o momento.

Kim embarca numa guerra não declarada e passiva com o pessoal da Mesa Verde para ajudar o velhinho que ia perder seu lar, e recruta Jimmy como seu soldado. E desde a sua primeira aparição no episódio, Jimmy só faz o espectador dar risada: No canteiro onde a obra vai começar, a câmera filma os operários num contra-plongée, de baixo para cima, e a cabeça de Bob Odenkirk aparece no enquadramento. Novamente, a direção da série usa um ângulo de câmera estranho para contar a história e fazer brotar o humor.

LEIA TAMBÉM: CRÍTICA 5X01 e 02

E Jimmy arrasa neste episódio, lançando mão de todo tipo de truque no seu arsenal de advogado chicaneiro para interromper a construção no terreno do senhor. Vale a pena o espectador descobrir suas artimanhas por si mesmo e rir bastante com elas – algumas são bem estranhas. E é tudo em nome da Kim, que no início parece estar lutando por uma causa justa, mas quanto mais as artimanhas progridem, mas ela parece estar lutando… Apenas para dar a proverbial banana para os seus chefes.

LEIA TAMBÉM: CRÍTICA 5X03

Odenkirk está excelente de novo, mas Rhea Seehorn é a dona do episódio, chegando até a mostrar dotes para comédia que ela nem sempre consegue exercitar na série – Uma das melhores cenas do episódio é a que ela imita seu chefe. Porém, por mais que o episódio nos divirta, o final dele nos relembra de que ela terá de pagar um preço se continuar nesse caminho, com o diabinho do Jimmy, como seu facilitador, no seu ombro.

GUS E MIKE: SINTONIAS DIFERENTES

Já no outro lado da fronteira, Mike se recupera dos seus ferimentos numa vila pertencente a Gus. No centro da vila temos uma fonte e uma placa dedicatória escrita “dedicada ao Max”, e aí percebemos o cuidado da produção com os detalhes do universo estabelecido em Breaking Bad – o Max do título era sócio e, aparentemente, amante de Gus, e foi assassinado por Hector Salamanca. Jimmy também usa, numa das cenas, uma camiseta da universidade da Samoa americana, onde se formou lá atrás…

LEIA TAMBÉM: Crítica Episódio 5×04

Bem, Mike e Gus ainda não estão na mesma sintonia, mas o final do episódio promete uma reaproximação. No meio tempo, o processo de recuperação do Mike é retratado de modo visual: É incrível como a cara de granito de Jonathan Banks amolece só um pouco ao vermos a velhinha lhe trazendo comida, ou quando ele resolve consertar uma prateleira de madeira para ela. A caracterização do personagem é perfeita, e o fato de percebermos tudo isso de maneira visual só demonstra o quanto Better Call Saul é uma das séries mais bem dirigidas do momento. Nela, os personagens são definidos pelas suas ações e a comédia anda de mãos dadas com a tragédia. Afinal, neste episódio demos boas risadas; no próximo poderemos não rir.

CRÍTICA | ‘Casa do Dragão’ 2×05: chegou a vez do time Rhaenyra

Chegamos à metade da segunda temporada de “Casa do Dragão”. E aqui temos uma virada interessante sobre a forma como a narrativa vem sendo contada. Se antes passamos muito tempo em Porto Real, observando os Verdes, agora começamos a acompanhar melhor o movimento dos...

CRÍTICA | ‘Casa do Dragão’ 2X04: a batalha entre motivações e o peso das atitudes

Para aqueles que queriam um episódio com dragões e batalhas, foi isso que “The Red Dragon and the Gold” nos entregou, com direito a discussões em alto valiriano, devaneios, espelhamentos entre Negros e Verdes e a perda de uma personagem querida pelo público. Acredito...

CRÍTICA | ‘A Casa do Dragão’ 2×03: entre fragilidades e caminhos tortuosos

Chegamos ao terceiro episódio da segunda temporada, mas a sensação é de estarmos andando em círculos e de volta ao ponto em que terminou a última temporada. Isso acontece porque o roteiro ainda quer apresentar os lados do conflito e, nesse caminho, perde toda a...

CRÍTICA | ‘A Casa do Dragão’ 2×02: entre espelhamentos e as consequências de Otto e Daemon

Duas coisas se destacam no segundo episódio desta temporada de “A Casa do Dragão”: o luto e as consequências de escolhas. Enquanto no episódio anterior acompanhou-se o luto de Rhaenyra (Emma D’Arcy) e a forma como a filha de Viserys lidou diretamente com a perda do...

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 2: Polin dá espaço para a centralidade feminina

Querido e gentil leitor, chegamos ao fim da era Polin.  Preciso compartilhar que uma mescla de sentimentos me assolam neste momento. Me sinto feliz por ter visto Penélope sair do casulo e assumir seu lugar como borboleta, enganada pelas poucas cenas Polin nesse...

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 1: a crença de que podemos viver uma história de amor

Querido e gentil leitor,  Ouvi essa semana que é difícil para um crítico escrever sobre o que ele ama. Meu teste de fogo será trazer para vocês a análise da primeira parte da terceira temporada de “Bridgerton”. Estamos na era Polin, ship de Penelope e Colin, e esta...

‘Bebê Rena’: a desconcertante série da Netflix merece todo sucesso inesperado

E eis que, do nada, a minissérie britânica Bebê Rena se tornou um daqueles fenômenos instantâneos que, de vez em quando, surgem na Netflix: no momento em que esta crítica é publicada, ela é a série mais assistida do serviço de streaming no Brasil e em diversos países,...

‘Ripley’: série faz adaptação mais fiel ao best-seller

Vez por outra, o cinema – ou agora, o streaming – retoma um fascínio pela maior criação da escritora norte-americana Patricia Highsmith (1921-1995), o psicopata sedutor Tom Ripley. A “Riplíada”, a série de cinco livros que a autora escreveu com o personagem, já...

‘O Problema dos 3 Corpos’: Netflix prova estar longe do nível HBO em série apressada

Independente de como você se sinta a respeito do final de Game of Thrones, uma coisa podemos dizer: a dupla de produtores/roteiristas David Benioff e D. B. Weiss merece respeito por ter conseguido transformar um trabalho claramente de amor - a adaptação da série...

‘True Detective: Terra Noturna’: a necessária reinvenção da série

Uma maldição paira sobre True Detective, a antologia de suspense policial da HBO: trata-se da praga da primeira temporada, aquela estrelada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson, e criada pelo roteirista/produtor Nic Pizzolato. Os grandiosos oito episódios...