Refletir sobre a função política do cinema documental. Com este intuito, 20 jovens interessados em produção audiovisual participaram do curso de ‘Documentário e Ativismo’, ministrado por Aldemar Matias, diretor amazonense de premiados curtas como  Parente“, “Años de Luz“, “El Enemigo” e “When I Get Home, além do longa selecionado para a Mostra Panorama do Festival de Berlim 2019, “La Arrancada”. Promovido pela Formiga de Fogo Filmes em parceria com a empresa de Consultoria Audiovisual Leão do Norte e a Manauscult, a atividade realizada no Casarão de Ideias reuniu rostos conhecidos do setor audiovisual como Keila Serruya, Diego Bauer, Victor Kaleb, Alberto César Araújo, Robert Coelho, Danielle Nazareno e Paulo Trindade.

Ah, quase esqueci: eu também estava entre os selecionados.

Aldemar idealizou o curso com a ideia de “reunir pessoas interessadas em documentários que proporcionam uma reflexão política e, assim, discutir formas de construção dessa produção”. Para alcançar essa meta, assistimos documentários diariamente, todos com tonalidades diferentes, mas envoltos da temática política. No final de cada exibição, discutíamos os processos que o realizador passou na construção documental e quais as melhores formas de fazer com que essas obras cheguem a quem tem uma visão política totalmente diferente de quem está por trás da obra. Esses elementos são importantes para “ativar a sensibilidade dessas pessoas e contrapor o documentário de criação e uma obra ativista, levando a indagação se as duas coisas podem ser uma só e como eu posso diferenciá-las”, disse Aldemar.

Além de analisar os caminhos da produção documental, também expressávamos nossa opinião sobre as obras vistas. Para a estudante de jornalismo Beatriz Aquino, “os debates abriram a mente sobre o que é documentário. Vim para adquirir e compartilhar conhecimento e esses momentos foram decisivos para iluminar minhas ideias”, contou.

Em alguns momentos, as leituras dos documentários apresentados se chocavam como, por exemplo, no último dia de encontro, quando discutimos até que ponto a ficção interfere na narrativa documental e o que é verdade ou não. Embora a discussão tenha se arrastado por quase todo o tempo de debate, é importante lembrar que, no final das contas, o maior peso sempre vai ser o ponto de vista do documentarista. A mediação de Aldemar foi vital para que compreendêssemos empiricamente o que se passa na cabeça de quem tem ativismo e audiovisual na veia.

A escolha do tema

Falar sobre ativismo é um tema muito particular para Aldemar. “Essa é uma discussão que eu sempre tive comigo como artista, porque nas nossas obras a gente tenta causar uma reflexão política. Para mim, toda obra tem que levar a essa análise”, contou.

Particularmente, eu tinha uma visão muito restrita sobre como seria a aplicação do ativismo no formato audiovisual e as peças apresentadas no curso me fizeram compreender que, assim como a política está presente em todas as esferas sociais, o ativismo também está na produção audiovisual. Minha percepção foi semelhante a do fotógrafo Robert Coelho: “o documentário sempre vai ser ativista, porque sempre vai ter uma luta envolvida, mesmo quando ele é intimista ou familiar. Você lutando contra ou a favor de algo”, comentou.

Já para a Beatriz, “o documentário tem a intenção de contar uma coisa, mostrar a verdade para certas pessoas e com o ativismo você pode levar as pessoas a entenderem a situação do que está acontecendo, sem se impor, mas falando a verdade para que o público possa compreender outras formas de viver além da sua”, revelou.

A questão levantada no curso por Aldemar foi até que ponto se está dando espaço para reflexão ou impondo uma visão e querendo convencer o outro. Para expandir a nossa concepção, analisamos produções como “Espero a tua (Re)volta” de Eliza Capai, e “Fogo no Mar” de Gianfranco Rosi, nas quais existe uma diferença abismal em relação a construção narrativa, o que acaba por interferir na criação de empatia e distanciamento dos personagens com o público. Em ambas, o debate nos guiou a refletir até que ponto uma versão da realidade está sendo imposta e como os parâmetros utilizados para contar a história cria o efeito almejado pelo realizador. Para o diretor, existe um espectro cinza nessa indagação que pode ser respondido de forma coletiva, ou seja, em escutar várias perspectivas diferentes.

“Acredito que seria mais proveitoso trazer pessoas que são de áreas distintas, ou seja, cineastas, estudantes, sociólogos, antropólogos, pedagogos, militantes e jornalistas para saber qual ponto de vista de cada um e como cada pessoa vê a construção desses documentários”, disse Aldemar.  Por esse motivo, foram escolhidos para compor a turma pessoas de idades e profissões diferentes que pudessem dialogar com o maior número de público e situações possíveis. “Quanto mais pontos de vista diferentes melhor a gente se forma como artista, como público”.

Caminhos abertos

Para a Beatriz, o curso tirou muitas dúvidas em relação à produção documental e, quem sabe, não pode ter sido um ponto de partida para uma futura documentarista. “Tenho muitas ideias e quero tirá-las do papel. Ainda sou nova no audiovisual e eu quero me aprofundar bastante nessa área. Eu tinha um visual muito fechada sobre documentário. Que era algo monótono, onde havia acontecimentos e entrevistas e eu vi que não é necessariamente dessa forma que é feito. Ele pode ser uma história contada a partir do ponto de vista de uma pessoa ou várias e isso mudou o meu ponto de vista”.

Tema do próximo curta-metragem de César Nogueira, o Robert Coelho também já mira em futuros trabalhos a partir do que assimilou no curso. “Eu achava que eu só poderia chegar perto da realidade, mas agora percebo que eu posso interferir naquilo que eu quero propor e isso me chama muita atenção. Mudou toda percepção que eu tinha sobre documentário e agora estou tentando entender onde eu quero chegar com o meu documentário”.

Quanto a mim, o curso foi inspirador para compreender como pessoas de áreas distintas lêem filmes e atestar as milhares de possibilidades que a produção documental oferece.

Oscar 2021 de Melhor Ator – Previsões Iniciais

De Ben Affleck a Anthony Hopkins e Chadwick Boseman, Caio Pimenta traz as previsões iniciais para o Oscar 2021 de Melhor Ator. https://www.youtube.com/watch?v=bI-cN3DS-VA POUCAS CHANCES  O Michael Fassbender, por “Next Goal Wins”, Joaquin Phoenix, por “C´Mon, C´Mon”,...

Oscar: E Se Fossem 5 indicados entre 2015 a 2020?

Caio Pimenta apresenta quais seriam as produções indicadas ao Oscar de Melhor Filme entre 2015 e 2020 se fossem cinco nomeados. https://www.youtube.com/watch?v=t3h2TAy26BU OSCAR 2015  O Oscar 2015 ficou dividido entre dois filmes que, com certeza, estariam na lista...

Oscar 2021 de Melhor Atriz – Previsões Iniciais

Parece tão distante – mais precisamente sete meses – mas, o Oscar 2021 já começa a dar os seus primeiros indícios de candidatos ao prêmio, principalmente, depois dos festivais de Veneza e Toronto. Por isso, eu inicio as primeiras prévias de quem pode aparecer no...

Oscar: O Melhor e o Pior das Escolhas do Brasil nos Anos 2010

De “Salve Geral” a “A Vida Invisível”, Caio Pimenta analisa quais os melhores e os piores filmes selecionados pelo Brasil para disputar o Oscar de Melhor Filme em Língua Não-Inglesa.  https://www.youtube.com/watch?v=3Ta6oZ9xHoE 11. PEQUENO SEGREDO  A pior escolha...

Oscar: TOP 10 Resultados Injustos dos Anos 1960

De “Confidências à Meia-Noite" a Julie Christie, Caio Pimenta traz os 10 resultados mais injustos do Oscar nos anos 1960.  https://www.youtube.com/watch?v=3pnXuW5MBMI 10. MELHOR ROTEIRO ORIGINAL - "CONFIDÊNCIAS À MEIA-NOITE" https://www.youtube.com/watch?v=9IlRmHS2994...

Oscar: E Se Fossem 10 Indicados entre 1970 a 1974?

De “A Noite dos Desesperados” a “O Último Tango em Paris”, Caio Pimenta apresenta quais seriam os filmes indicados ao Oscar de Melhor Filme se fossem 10 nomeados entre 1970 a 1974.  https://www.youtube.com/watch?v=Jjtbb4Bmp8A OSCAR 1970  Os ecos da Nova Hollywood...

Oscar: TOP 10 Maiores Esnobadas nos Anos 1960

De François Truffaut a “Psicose”, Caio Pimenta traz as 10 maiores esnobadas do Oscar nos anos 1960.  https://www.youtube.com/watch?v=2cfNUHjijEc 10. OMAR SHARIF, por "DOUTOR JIVAGO" Você protagoniza um dos maiores épicos da história do cinema, forma um par romântico...

Chadwick Boseman e baixa presença preta na história do Oscar

O Chadwick Boseman nos deixou de forma precoce aos 43 anos, vítima de câncer de cólon. O ator ficou conhecido mundialmente ao viver o “Pantera Negra” nos cinemas.   O personagem seria grande por si só, afinal, faz parte do bilionário e influente Universo Marvel. Mas,...

Oscar: TOP 10 Ganhadores Coadjuvantes nos Anos 1960

De Hugh Griffith, de “Ben-Hur”, a Ruth Gordon, por “O Bebê de Rosemary”, Caio Pimenta apresenta os 10 melhores vencedores das categorias de coadjuvantes do Oscar nos anos 1960.  https://www.youtube.com/watch?v=adDSi-Yzswg 10. GEORGE KENNEDY, por "REBELDIA INDOMÁVEL" ...

Oscar: E Se Fossem 10 Indicados entre 1975 a 1979?

De “A Noite Americana” a “Amarcord”, Caio Pimenta apresenta quais seriam os filmes indicados ao Oscar de Melhor Filme se fossem 10 nomeados entre 1975 a 1979.  https://www.youtube.com/watch?v=947lnFkKWPY OSCAR 1975  “O Poderoso Chefão 2” venceu o Oscar de 1975 em cima...