Ganhadora como programa do ano no TCA  (prêmio da associação de críticos de televisão) e queridinha do Emmy 2019 com quatro prêmios, ‘Fleabag’ conseguiu deixar como legado a aceitação da crítica e também do público, se tornando um grande destaque no mundo da televisão sem ter feito maiores promessas.

Diferente de outras produções com o mesmo nível de estima de ‘Fleabag’, a série da Amazon não contou com orçamentos exuberantes ou extenso número de temporadas para conseguir se tornar o grande destaque da comédia em 2019.

Apesar da popularidade inesperada, esse sucesso não é apenas coincidência, mas sim resultado de ótimas escolhas feitas pela criadora Phoebe Waller-Bridge. Para provar isto, reuni cinco motivos que reafirmam o grande tipo de produção que ‘Fleabag’ se tornou.

Formato 

Convivendo com muitas pessoas que reclamam da duração de séries, aprendi que o formato é um dos principais motivos para o sucesso ou não de uma produção. Pensando a partir desta ótica, ‘Fleabag’ é o tipo de seriado que tanto os maratonadores quanto os haters gostam: cada temporada tem seis episódios com média de 20 minutos.

Assim, como a produção se encerra neste ano, ‘Fleabag’ basicamente possui a mesma duração que dois longas-metragens, isto é, se nenhum deles for dirigido pelo Peter Jackson.

Roteiros

Apresentar episódios curtos nas séries sempre vem acompanhada da possibilidade de um roteiro frágil e mal trabalhado devido ao tempo limitado de desenvolvimento das tramas. Em ‘Fleabag’, Phoebe Waller-Bridge faz o incrível trabalho de aprofundar sua protagonista e conflitos com uma densidade igual a qualquer série com maior duração.

Além de utilizar diálogos realmente eficientes, a direção dos episódios também conduz muito bem o elenco para que os personagens avancem na trama de forma eficiente e sem um enorme prolongamento.

Quebra da quarta parede

Um elemento que acelera muito o entendimento da trama pelo telespectador é exatamente a famosa quebra da quarta parede. Tanto no cinema (“A Grande Aposta”) como em séries (“House of Cards“), o olhar direto para câmera acompanhado de uma fala ao espectador é sempre um caso de ame ou odeie: muitos conseguem realizar bem, mas os que não conseguem ficam marcados por isso.

Já em ‘Fleabag’ a quebra da quarta parede se torna uma jogada incrível do roteiro. A protagonista fica livre para conversar com o público inúmeras vezes, criando uma relação de confidência tão palpável que, por vezes, a personagem somente olha para a câmera e o público sabe exatamente o que ela está pensando.

Elenco 

Apesar de não ser anunciada com um graaaande elenco, ‘Fleabag’ tem atuações incríveis. Para começar, Phoebe Waller-Bridge é gigante no que se propõe: sair da comédia para o drama em segundos, ganhar o carisma do público e tornar sua personagem interessante não são tarefas simples, mas são extremamente bem executadas.

Junto disto, existe a atuação pontual de Sian Clifford que é capaz tanto de atrair a empatia do público quanto criar o incômodo pretendido. Além disso, Olivia Colman e Bill Paterson fazem ótimas participações em cenas desconfortáveis, tristes ou reveladoras.

Nada de feminismo idealizado

O último motivo (e mais importante, na minha opinião) para ‘Fleabag’ ser uma série tão boa e continuar relevante durante os próximos anos é a sua abordagem sobre um tema ainda muito debatido: o feminismo.

Sim, a série apresenta uma protagonista (quase) independente financeiramente, que fala abertamente sobre sexo, situações relevantes quando se fala de protagonismo feminino. A melhor parte disto é que Phoebe consegue desenvolver essas questões de forma muito verdadeira e nada glamurizada como é comum ver na TV.

Apesar do debate sobre feminismo ser presente, ele não é perfeito e a própria Fleabag sabe disto. “Nós somos más feministas”, diz a protagonista para sua irmã no primeiro episódio da série, isto já apresenta que, mesmo bem resolvida como mulher, ela também é imperfeita e totalmente relacionável com seu público.

Para mim, esta é a melhor experiência que um seriado pode proporcionar: se relacionar com o público e crescer juntamente com ele. Séries memoráveis como ‘Friends’, ‘Os Sopranos’, ‘Merlí’, ‘Grey’s Anatomy’ e ‘Glee’, conseguiram fazer isto até hoje e, agora, ‘Fleabag’ também o fará.

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...