Ganhadora como programa do ano no TCA  (prêmio da associação de críticos de televisão) e queridinha do Emmy 2019 com quatro prêmios, ‘Fleabag’ conseguiu deixar como legado a aceitação da crítica e também do público, se tornando um grande destaque no mundo da televisão sem ter feito maiores promessas.

Diferente de outras produções com o mesmo nível de estima de ‘Fleabag’, a série da Amazon não contou com orçamentos exuberantes ou extenso número de temporadas para conseguir se tornar o grande destaque da comédia em 2019.

Apesar da popularidade inesperada, esse sucesso não é apenas coincidência, mas sim resultado de ótimas escolhas feitas pela criadora Phoebe Waller-Bridge. Para provar isto, reuni cinco motivos que reafirmam o grande tipo de produção que ‘Fleabag’ se tornou.

Formato 

Convivendo com muitas pessoas que reclamam da duração de séries, aprendi que o formato é um dos principais motivos para o sucesso ou não de uma produção. Pensando a partir desta ótica, ‘Fleabag’ é o tipo de seriado que tanto os maratonadores quanto os haters gostam: cada temporada tem seis episódios com média de 20 minutos.

Assim, como a produção se encerra neste ano, ‘Fleabag’ basicamente possui a mesma duração que dois longas-metragens, isto é, se nenhum deles for dirigido pelo Peter Jackson.

Roteiros

Apresentar episódios curtos nas séries sempre vem acompanhada da possibilidade de um roteiro frágil e mal trabalhado devido ao tempo limitado de desenvolvimento das tramas. Em ‘Fleabag’, Phoebe Waller-Bridge faz o incrível trabalho de aprofundar sua protagonista e conflitos com uma densidade igual a qualquer série com maior duração.

Além de utilizar diálogos realmente eficientes, a direção dos episódios também conduz muito bem o elenco para que os personagens avancem na trama de forma eficiente e sem um enorme prolongamento.

Quebra da quarta parede

Um elemento que acelera muito o entendimento da trama pelo telespectador é exatamente a famosa quebra da quarta parede. Tanto no cinema (“A Grande Aposta”) como em séries (“House of Cards“), o olhar direto para câmera acompanhado de uma fala ao espectador é sempre um caso de ame ou odeie: muitos conseguem realizar bem, mas os que não conseguem ficam marcados por isso.

Já em ‘Fleabag’ a quebra da quarta parede se torna uma jogada incrível do roteiro. A protagonista fica livre para conversar com o público inúmeras vezes, criando uma relação de confidência tão palpável que, por vezes, a personagem somente olha para a câmera e o público sabe exatamente o que ela está pensando.

Elenco 

Apesar de não ser anunciada com um graaaande elenco, ‘Fleabag’ tem atuações incríveis. Para começar, Phoebe Waller-Bridge é gigante no que se propõe: sair da comédia para o drama em segundos, ganhar o carisma do público e tornar sua personagem interessante não são tarefas simples, mas são extremamente bem executadas.

Junto disto, existe a atuação pontual de Sian Clifford que é capaz tanto de atrair a empatia do público quanto criar o incômodo pretendido. Além disso, Olivia Colman e Bill Paterson fazem ótimas participações em cenas desconfortáveis, tristes ou reveladoras.

Nada de feminismo idealizado

O último motivo (e mais importante, na minha opinião) para ‘Fleabag’ ser uma série tão boa e continuar relevante durante os próximos anos é a sua abordagem sobre um tema ainda muito debatido: o feminismo.

Sim, a série apresenta uma protagonista (quase) independente financeiramente, que fala abertamente sobre sexo, situações relevantes quando se fala de protagonismo feminino. A melhor parte disto é que Phoebe consegue desenvolver essas questões de forma muito verdadeira e nada glamurizada como é comum ver na TV.

Apesar do debate sobre feminismo ser presente, ele não é perfeito e a própria Fleabag sabe disto. “Nós somos más feministas”, diz a protagonista para sua irmã no primeiro episódio da série, isto já apresenta que, mesmo bem resolvida como mulher, ela também é imperfeita e totalmente relacionável com seu público.

Para mim, esta é a melhor experiência que um seriado pode proporcionar: se relacionar com o público e crescer juntamente com ele. Séries memoráveis como ‘Friends’, ‘Os Sopranos’, ‘Merlí’, ‘Grey’s Anatomy’ e ‘Glee’, conseguiram fazer isto até hoje e, agora, ‘Fleabag’ também o fará.

‘Lovecraft Country’ 1×10: final apressado destoa da temporada

O título deste episódio final da temporada de Lovecraft Country é “Círculo Completo”, e ele é quase que totalmente dedicado ao grande arco da temporada, o do confronto entre nossos heróis contra os planos de Christina Braithwhite. De fato, ele acaba fazendo um circulo...

‘A Maldição da Mansão Bly’: terror dá espaço para o drama em boa série

Dois anos após o sucesso estrondoso de ‘A Maldição da Residência Hill’, o showrunner Mike Flanagan voltou a nos assombrar com sua forma sensível de contar histórias sobre fantasmas. Mas, embora tenha uma proposta parecida com a série anterior, ‘A Maldição da Mansão...

‘The Boys’ 2×08: temporada encerra lembrando fim do primeiro ano

Subvertendo o gênero de super-heróis mais uma vez, ‘The Boys’ chega ao final de sua segunda temporada correspondendo às expectativas do público. Ao apostar em cenas marcantes e revelações aguardadas, a série consegue entreter e dar continuidade às narrativas...

‘Lovecraft Country’ 1×09: massacre de Tulsa para jamais esquecer

Na minha crítica do oitavo episódio da temporada de Lovecraft Country, ressaltei como um evento real ditou o tom daquele segmento em particular. Pois neste nono episódio, intitulado “Voltando para 1921”, a série repete esse expediente, de forma até mais efetiva, ao...

‘Bom Dia, Verônica’: roteiro excelente encontra elenco em alto nível

Baseada no livro homônimo de Raphael Montes e Ilana Casoy, ‘Bom dia, Verônica’ é mais uma série nacional na Netflix que traz muito orgulho para o audiovisual brasileiro. Digo isto, pois, além de contar com uma história instigante e muito bem apresentada ao longo de...

‘Lovecraft Country’ 1×08: ‘Fuck the Police’

Se há uma coisa que o triste ano de 2020 deixou absolutamente óbvio para o mundo é que, nos Estados Unidos, a polícia é inimiga da população negra. Sério, como alguém pode discordar disso ao ver algumas poucas estatísticas, e ao presenciar a comoção mundial que casos...

‘The Boys’ 2×07: crítica social e sadismo lado a lado em grande episódio

Embora o episódio final da temporada sempre seja o mais aguardado e, por vezes, aclamado nos seriados, muito da expectativa sobre ele é construída no episódio anterior, responsável por unificar narrativas e preparar um bom desfecho. Sabendo disso,...

‘Lovecraft Country’ 1×07: sci-fi à serviço do empoderamento

Até agora, a série Lovecraft Country explorou mais os ingredientes de terror e de fantasia das obras da literatura pulp e do autor H. P. Lovecraft. Mas literatura pulp também é território da ficção-científica... Já sabíamos, desde a menção de uma tal “máquina do...

‘The Boys’ 2×06: irreverência em divertida releitura do Asilo Arkham

Desde detalhes nos figurinos até os diálogos, ‘The Boys’ sempre encontra uma forma de referenciar outros universos de super-heróis, rendendo ótimas piadas e até mesmo críticas. Desta vez, a série nos leva diretamente a uma releitura do Asilo Arkham de Gotham City,...

‘Lovecraft Country’ 1×06: surpreendente romance em meio ao terror

Bem, uma coisa ninguém pode dizer de Lovecraft Country: ser um seriado chato e previsível. O sexto episódio da temporada, “Me encontre em Daegu”, é um momento inspirado da série, uma hora cheia de imagens grotescas muitas vezes contrapostas a um clima tocante, belo...