Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma das trilhas sonoras mais emocionantes de toda sua filmografia.

LEIA TAMBÉM – “O GAROTO”: ECONOMIA NARRATIVA ENCONTRA SENSIBILIDADE MÁXIMA

No filme de 1931, acompanhamos o desajustado Vagabundo (Chaplin) vivendo duas situações heróicas e embaraçosas. Na primeira, tenta ajudar uma vendedora de flores (Virginia Cherrill) cega a recuperar sua visão, enquanto ela pensa que ele é um ricaço. Na outra, o nosso herói maltrapilho impede o suicídio de um milionário bêbado (Harry Meyers). Quando o burguês fica sóbrio, além de não reconhecer seu salvador, ainda o acusa de ser um aproveitador.

Denominando seu filme de pantomima logo nos créditos iniciais, Chaplin parece esquecer que na doçura das ações de seu personagem icônico junto à florista faz de “Luzes da Cidade” também um belo romance. As duas subtramas poderiam fazer do filme um remendo, mas, na verdade, fluem maravilhosamente bem por serem divididos entre o dia e a noite.

CONCLUSÃO PERFEITA

É interessante como a música de “Luzes da Cidade” dialoga com a história para criar uma atmosfera frenética: se de dia temos a rotina do trabalho e de um cotidiano conformado, a noite nos deparamos com a desforra. Chaplin não deixa de alfinetar a soberba de uma sociedade luxuriante, preconceituosa e desinteressada no sofrimento dos miseráveis. O Vagabundo é motivo de chacota e, ao mesmo tempo, involuntariamente zomba da elite, como no momento em que é descoberto dormindo em uma estátua escandalizando a todos.

Não deixa de ser tocante observarmos como o Vagabundo vai agarrando as oportunidades para tentar se encaixar em algum papel, além de ajudar sua paixão. Isso gera gags orgânicas e momentos que se tornaram antológicos na história do cinema como a cena da luta de boxe ou quando ele fica descontente com um elefante quando está trabalhando na limpeza pública.

LEIA TAMBÉM – “EM BUSCA DO OURO”: EQUILÍBRIO PRECISO ENTRE HUMOR PASTELÃO E MELANCOLIA

Insistindo em manter o filme sem diálogos, mesmo com o cinema já possibilitando essa oportunidade – “O Cantor de Jazz” já tinha feito sua estreia quatro anos antes – Chaplin consegue com maestria na conclusão de mais uma obra-prima arrancar lágrimas na junção perfeita de música e um momento tão bonito como a primeira vez que a Florista reconhece o Vagabundo – e não é à toa que ele repetiu o take até se cansar, em busca de um perfeccionismo que parecia não encontrar. Salientando como o coração de “Luzes da Cidade” residia nos olhares de seus protagonistas, por hora perdidos e agora se encontrando e se reconhecendo.

“Luzes da Cidade” é um filme maravilhoso, cheio de histórias e problemas durante sua produção, mas que merecidamente tem o seu lugar garantido nos clássicos da história do cinema.

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...

Os 60 Anos de ‘Barravento’, de Glauber Rocha

“Barravento” é o primeiro longa-metragem do diretor Glauber Rocha, com apenas 23 anos na época. A história acompanha uma comunidade de pescadores que moram no interior da Bahia, ressaltando sua relação com a religião e o trabalho. O protagonista da obra é Firmino...

Os 60 Anos do polêmico ‘Lolita’, de Stanley Kubrick

Os créditos anunciam um filme preto e branco. Um pé pequenino delicado e feminino sinuosamente empinado. Uma mão masculina, grande e máscula, pinta suas unhas, certamente, da cor vermelha. Um início aparentemente simples, porém, com uma carga de erotismo como poucos....

‘Jules e Jim’: tratado sobre a vitalidade dos amantes

Qual é o filme mais influente da Nouvelle Vague francesa? Seria “Acossado” (1960) de Jean-Luc Godard, ou este “Jules e Jim” (1962) de François Truffaut (e poderíamos incluir ainda “Os Incompreendidos” do próprio Truffaut, lançado dois anos antes)? Pergunta pueril e...

‘Farrapo Humano’: retrato humano e honesto sobre o alcoolismo

“Farrapo Humano” abre com uma cena que poderia ser muito bem tirada de qualquer abertura de um filme de Hitchcock: uma visão panorâmica – na linguagem cinematográfica chamada de travelling  - que viaja pelo espaço urbano até chegar à janela aberta de um prédio. Lá,...

‘No Calor da Noite’: a dimensão háptica de uma investigação

É 1967 e o maior astro do cinema é um homem negro: Sidney Poitier, que faleceu em janeiro último aos 94 anos de idade, estrelava três grandes sucessos naquele ano, todos tratando, com diferentes níveis de qualidade, da questão racial. Era um momento em que o Movimento...

‘Laços de Ternura’: a ambivalente e inquebrantável relação mãe e filha

Já na primeira cena de “Laços de Ternura”, a dinâmica entre mãe e filha se estabelece. De um lado, Aurora (Shirley MacLaine) polida, com pouco senso de humor e muito preocupada com a filha; do outro, Emma (Debra Winger), desinibida e livre; é a partir do contraste...

‘Perdidos na Noite’: a transição do sonho para a crueza de uma época

O primeiro plano que vemos de Perdidos na Noite é de uma tela de cinema drive-in e ouvimos cavalos e efeitos sonoros dos inúmeros faroestes que devem ter passado nela. Isso não é por acaso: Joe Buck, o protagonista da história, pensa que é um caubói. Também acredita...

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...

‘O Caso dos Irmãos Naves’, de Luís Sérgio Person

Lançado em 1967, “O Caso dos Irmãos Naves” traz a história de real de Joaquim Naves Rosa (Raul Cortez) e Sebastião José Naves (Juca de Oliveira), acusados de latrocínio, na cidade de Araguari, Minas Gerais. A vítima seria Benedito Pereira, primo dos irmãos, que sumiu...