Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma das trilhas sonoras mais emocionantes de toda sua filmografia.

LEIA TAMBÉM – “O GAROTO”: ECONOMIA NARRATIVA ENCONTRA SENSIBILIDADE MÁXIMA

No filme de 1931, acompanhamos o desajustado Vagabundo (Chaplin) vivendo duas situações heróicas e embaraçosas. Na primeira, tenta ajudar uma vendedora de flores (Virginia Cherrill) cega a recuperar sua visão, enquanto ela pensa que ele é um ricaço. Na outra, o nosso herói maltrapilho impede o suicídio de um milionário bêbado (Harry Meyers). Quando o burguês fica sóbrio, além de não reconhecer seu salvador, ainda o acusa de ser um aproveitador.

Denominando seu filme de pantomima logo nos créditos iniciais, Chaplin parece esquecer que na doçura das ações de seu personagem icônico junto à florista faz de “Luzes da Cidade” também um belo romance. As duas subtramas poderiam fazer do filme um remendo, mas, na verdade, fluem maravilhosamente bem por serem divididos entre o dia e a noite.

CONCLUSÃO PERFEITA

É interessante como a música de “Luzes da Cidade” dialoga com a história para criar uma atmosfera frenética: se de dia temos a rotina do trabalho e de um cotidiano conformado, a noite nos deparamos com a desforra. Chaplin não deixa de alfinetar a soberba de uma sociedade luxuriante, preconceituosa e desinteressada no sofrimento dos miseráveis. O Vagabundo é motivo de chacota e, ao mesmo tempo, involuntariamente zomba da elite, como no momento em que é descoberto dormindo em uma estátua escandalizando a todos.

Não deixa de ser tocante observarmos como o Vagabundo vai agarrando as oportunidades para tentar se encaixar em algum papel, além de ajudar sua paixão. Isso gera gags orgânicas e momentos que se tornaram antológicos na história do cinema como a cena da luta de boxe ou quando ele fica descontente com um elefante quando está trabalhando na limpeza pública.

LEIA TAMBÉM – “EM BUSCA DO OURO”: EQUILÍBRIO PRECISO ENTRE HUMOR PASTELÃO E MELANCOLIA

Insistindo em manter o filme sem diálogos, mesmo com o cinema já possibilitando essa oportunidade – “O Cantor de Jazz” já tinha feito sua estreia quatro anos antes – Chaplin consegue com maestria na conclusão de mais uma obra-prima arrancar lágrimas na junção perfeita de música e um momento tão bonito como a primeira vez que a Florista reconhece o Vagabundo – e não é à toa que ele repetiu o take até se cansar, em busca de um perfeccionismo que parecia não encontrar. Salientando como o coração de “Luzes da Cidade” residia nos olhares de seus protagonistas, por hora perdidos e agora se encontrando e se reconhecendo.

“Luzes da Cidade” é um filme maravilhoso, cheio de histórias e problemas durante sua produção, mas que merecidamente tem o seu lugar garantido nos clássicos da história do cinema.

CRÍTICA | ‘Rio 40 Graus’: entre sonhos e a realidade no Rio de Janeiro

Um dos grandes clássicos do cinema brasileiro, “Rio 40 Graus”, foi o primeiro longa-metragem de Nelson Pereira dos Santos. Lançado em 1955, o filme é um marco do Cinema Novo e se destaca pela abordagem realista e crítica das desigualdades sociais no Brasil. O então...

Uma breve análise da “Trilogia do Apartamento” de Arnaldo Jabor

Intenso e passional, quase doentio eu diria, assim é o livro “Eu Sei Que Vou Te Amar” (2007) do Arnaldo Jabor (1940-2022). Já tinha lido o livro na época, mas me deparei com ele aqui em casa um dia desses e resolvi reler. Boom…! Um dia de leitura tensa em suas 131...

Especial Abbas Kiarostami | Crítica: ‘Através das Oliveiras’ (1994)

Em 1987, Abbas Kiarostami colocou “Onde É a Casa do Amigo?” no mundo. Foi um daqueles hits nos festivais que cimentam uma certa mítica em torno de um diretor. Pouco depois, um terremoto devastou o norte do Irã, incluindo os vilarejos onde Kiarostami havia rodado o...

CRÍTICA | ‘A Hora da Estrela’: a dor de não saber quem se é

Sempre que penso em “A Hora da Estrela” como produção cinematográfica, mentalizo a sensibilidade ímpar com a qual Suzana Amaral transpôs visualmente esse clássico da literatura brasileira. Não é em vão que o próprio filme tornou-se atemporal dentro da cinematografia...

‘Como Era Verde Meu Vale’: a síntese da nostalgia nos cinemas

Muita gente em determinado momento da vida começa a refletir sobre o passado e a olhar para a época da infância com saudade, como um período em que a vida era melhor e mais simples, em comparação com o presente, pelo menos. Por mais que essa idealização do passado...

‘Laços de Ternura’: um melodrama em tons pastéis

Os sentimentos caminham entre o sutil e o exagerado em Laços de Ternura (1983). Tanto os momentos engraçados quanto os mais dramáticos são sentidos com intensidade no filme de James L. Brooks. Pode até parecer pueril chamar de complexo um melodrama tão acessível, mas...

‘Gêmeos – Mórbida Semelhança’: a doentia necessidade do outro

Há algo de mórbido, estranho, maléfico na relação de Beverly e Elliot (Jeremy Irons), gêmeos idênticos e igualmente geniais no que tange ao corpo humano e à sexualidade. Desde cedo, eles se interessam pelo corpo feminino e suas particularidades. Adultos, tornam-se...

‘Adorável Vagabundo’ (1941): retrato de um mundo em desequilíbrio

Frank Capra já havia patenteado seu cinema humanista quando fez “Adorável Vagabundo”. Boa parte desse esforço na carreira foi empreendido ao lado de Robert Riskin, seu fiel escudeiro nos roteiros; este longa, aliás, foi o último trabalho que fizeram juntos. Mas Riskin...

‘A Última Sessão de Cinema’: vidas secas em uma cidade-fantasma

O ano é 1971 e há um nome quente na cidade: Peter Bogdanovich, o garoto-prodígio de 31 anos que fez o impossível e transformou um drama intimista sobre garotos texanos em um dos maiores hits do ano.  Bogdanovich é daquela geração cinéfila dos anos 1960 que cresceu com...

‘Jeanne Dielman’: sinais de ruptura na repetição

O cotidiano de uma viúva no decorrer de três dias. É partindo desse ponto que Chantal Akerman entrega “Jeanne Dielman”, sua obra-prima, considerado um dos filmes mais disruptivos e únicos da história do cinema. Acompanhamos a rotina repetitiva e ritualística da...