Charlie Chaplin é lembrado como um dos grandes nomes da comédia mundial. E também por seu lado humanista. Nunca pensou duas vezes antes de colocar temáticas sociais em seus trabalhos, discutindo problemas como a pobreza e o valor da vida em suas obras. O intérprete de Carlitos fez muitas pessoas rirem, mas, soube como poucos quando buscar a lágrima em algum momento de suas películas.

Com a ascensão de projetos fascistas e autoritários na Europa dos anos 1920 e 1930, Chaplin não mediu esforços para apresentar ao público norte-americano sua visão dos horrores da sociedade nazista e de seu principal representante, Adolf Hitler. Em ‘O Grande Ditador”, o diretor ainda dispõe de um recurso que para sua filmografia era ainda inédito: o som. E soube realizar como poucos a escolha de quando usá-lo.

O longa começa em cenário de guerra onde um personagem com os trejeitos de Carlitos (duramente todo o filme não se diz o nome dele, é apenas chamado de “O Barbeiro”) aparece oferecendo apoio para uma equipe de artilharia do exército da Tomania (uma paródia da Alemanha) na Primeira Guerra Mundial. Visualmente relembrando películas antigas da era muda, esses primeiros momentos se constroem a partir do humor físico próprio das obras de Chaplin. Atrapalhado, sem entender muito bem o que está fazendo e sem nenhuma ideia sobre suas “obrigações” naquele espaço, é interessante notar seus comentários sobre o próprio absurdo de um campo de batalha: um lugar sujo, onde as pessoas devem agir como máquinas para que outras pessoas que eles nunca antes conheceram, possam se vangloriar do sangue que ali estão derramando.

LEIA TAMBÉM – “O GAROTO”: ECONOMIA NARRATIVA ENCONTRA SENSIBILIDADE MÁXIMA

E isso é representado de maneira sutil, na melhor maneira que Chaplin compreendia a sua forma de expressão. Sem se aproveitar totalmente de falas e do som, ‘O Barbeiro’ reage ao mundo e suas explosões e gritos de oficiais do exército, enquanto que o herói de “O Grande Ditador” apenas responde de forma monossilábica. Um inocente e ingênuo lançado em um ambiente hostil e de terror.

Para se contrapor a esse primeiro cenário e primeiro personagem, “O Grande Ditador” faz um salto temporal: o personagem de Chaplin sofre um acidente de avião e permanece longos anos em um hospital com amnésia até que consegue fugir e voltar para sua casa e trabalho como Barbeiro. O problema: ele não acompanhou a ascensão de Adenoid Hynkel, ditador da Tomania, e mora justamente em um bairro judeu, sendo ele próprio parte dessa religião. É aqui que as coisas começam a ficar interessantes visto que Adenoid Hynkel é interpretado também por Chaplin. E se em um primeiro momento vemos um Chaplin quase mudo nos primeiros minutos, como Hynkel pode-se esperar todo o exagero discursivo de um fascista. Inclusive de forma bastante cômica já que o discurso de Chaplin ali é um pseudo-alemão pesando bastante na gritaria e em momentos de tosse disfarçadas de discurso. Utiliza as armas do fascismo contra ele mesmo.

LEIA TAMBÉM – “EM BUSCA DO OURO”: EQUILÍBRIO PRECISO ENTRE HUMOR PASTELÃO E MELANCOLIA

A versatilidade de Chaplin em interpretar uma pessoa simples e um ditador inescrupuloso são louváveis, visto que este é um filme que foca bastante nos contrastes. Não perde tempo em tentar encontrar na razão um caminho para explicar as ações de seus personagens e se entrega totalmente a emoção para tirar o máximo sobre aquilo que quer discutir. É representação, é de cinema que Chaplin entende. Não se entrega a um cinismo barato querendo encontrar meio termo para as soluções que quer abordar.

A personagem de Hannah (Paulette Goddard) é o exemplo máximo disso: não busca abaixar a cabeça para os policiais nazistas que rondam o seu bairro e sempre procura ter a última palavra, mesmo que seja por algo inútil. Não é de se esperar o seu interesse pelo Barbeiro quando este reaparece e por sua própria falta de contexto sobre o que está acontecendo na Tomania entra em conflito com dois policiais que escrevem com tinta a palavra “judeu” na janela de sua barbearia.

CHAPLIN CLÁSSICO E CHAPLIN INOVADOR

“O Grande Ditador” acaba se construindo sobre uma balança: ora abraçando o humor exagerado, ora abraçando o melodramático. Cenas como Hynkel tentando se impor como alguém mais alto sobre seu colega Benzino Napaloni, ditador de Bacteria (referências ao italiano Benito Mussolini) em uma briga usando cadeiras de barbearia se contrapõem a momentos onde Hannah é atacada por policiais com tomates.

Claro que deve ser questionado até que ponto essa imposição da emoção sobre a razão é lançada no filme já que em um momento o personagem de Chaplin vai para a cadeia junto com o oficial Schultz (Reginald Gardiner). Este sendo um homem que o protagonista salvou na guerra e agora é um oficial nazista, que mantém seus laços afetivos acima de qualquer ideologia. Um nazista segue sendo um nazista, e se chegou a ser oficial é porque pôde explorar o sistema desumano do nazismo para subir na hierarquia. Entende-se a mensagem do afeto, mas aqui ela chega em um ponto bem questionável.

LEIA TAMBÉM: ‘TEMPOS MODERNOS”: CRÍTICA ATEMPORAL E DEFINITIVA AO CAPITALISMO

Como comédia, “O Grande Ditador” extrai a síntese sobre ditaduras: pessoas idiotas e folclóricas cujo cargo sobe à cabeça e se veem como deuses. Talvez até não se vejam dessa forma, mas suas ações contam para trazer essa visão ao público. É simbólico a cena em que Hynkel brinca com um globo terrestre para demonstrar sua indiferença com a humanidade. Todos devem dançar com ele, conforme dita a música no salão.

Em tempos tão complicados como aqueles de 1940, Chaplin encontrou ali uma maneira de utilizar sua arte para trazer seus comentários e visões sobre tudo aquilo. Trabalhando em cima de contrastes, pôde mostrar ao público como seria viver em um mundo onde o amado Carlitos poderia ser tratado. A imagem clássica do Vagabundo não é jogada à toa aqui claramente: tantos se divertiram ao ver Carlitos amando, fugindo de policiais, fazendo as mais diversas maluquices. Seria ainda divertido saber que Carlitos poderia morrer simplesmente por causa de sua religião? Da cor de sua pele? De seu estrato social?

É aqui que reside o maior ganho deste filme: entrega ao Barbeiro deste filme a imagem de Carlitos, monossilábico, um “clássico Chaplin” que todos conhecem; mas também entrega um outro Chaplin, repaginado, falante, um outro personagem, um monstro. Usa de sua “estreia” no cinema falado, como forma de crítica. E que crítica.

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...

Os 60 Anos de ‘Barravento’, de Glauber Rocha

“Barravento” é o primeiro longa-metragem do diretor Glauber Rocha, com apenas 23 anos na época. A história acompanha uma comunidade de pescadores que moram no interior da Bahia, ressaltando sua relação com a religião e o trabalho. O protagonista da obra é Firmino...

Os 60 Anos do polêmico ‘Lolita’, de Stanley Kubrick

Os créditos anunciam um filme preto e branco. Um pé pequenino delicado e feminino sinuosamente empinado. Uma mão masculina, grande e máscula, pinta suas unhas, certamente, da cor vermelha. Um início aparentemente simples, porém, com uma carga de erotismo como poucos....

‘Jules e Jim’: tratado sobre a vitalidade dos amantes

Qual é o filme mais influente da Nouvelle Vague francesa? Seria “Acossado” (1960) de Jean-Luc Godard, ou este “Jules e Jim” (1962) de François Truffaut (e poderíamos incluir ainda “Os Incompreendidos” do próprio Truffaut, lançado dois anos antes)? Pergunta pueril e...

‘Farrapo Humano’: retrato humano e honesto sobre o alcoolismo

“Farrapo Humano” abre com uma cena que poderia ser muito bem tirada de qualquer abertura de um filme de Hitchcock: uma visão panorâmica – na linguagem cinematográfica chamada de travelling  - que viaja pelo espaço urbano até chegar à janela aberta de um prédio. Lá,...

‘No Calor da Noite’: a dimensão háptica de uma investigação

É 1967 e o maior astro do cinema é um homem negro: Sidney Poitier, que faleceu em janeiro último aos 94 anos de idade, estrelava três grandes sucessos naquele ano, todos tratando, com diferentes níveis de qualidade, da questão racial. Era um momento em que o Movimento...

‘Laços de Ternura’: a ambivalente e inquebrantável relação mãe e filha

Já na primeira cena de “Laços de Ternura”, a dinâmica entre mãe e filha se estabelece. De um lado, Aurora (Shirley MacLaine) polida, com pouco senso de humor e muito preocupada com a filha; do outro, Emma (Debra Winger), desinibida e livre; é a partir do contraste...

‘Perdidos na Noite’: a transição do sonho para a crueza de uma época

O primeiro plano que vemos de Perdidos na Noite é de uma tela de cinema drive-in e ouvimos cavalos e efeitos sonoros dos inúmeros faroestes que devem ter passado nela. Isso não é por acaso: Joe Buck, o protagonista da história, pensa que é um caubói. Também acredita...

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...

‘O Caso dos Irmãos Naves’, de Luís Sérgio Person

Lançado em 1967, “O Caso dos Irmãos Naves” traz a história de real de Joaquim Naves Rosa (Raul Cortez) e Sebastião José Naves (Juca de Oliveira), acusados de latrocínio, na cidade de Araguari, Minas Gerais. A vítima seria Benedito Pereira, primo dos irmãos, que sumiu...