Como todo grande acontecimento no mundo hollywoodiano, o movimento #MeToo não demorou muito para se tornar uma fonte de inspiração para muitas produções no cinema. Seguindo essa proposta, a diretora e roteirista Kitty Green (‘Quem é JonBenet?’) apresenta ‘A Assistente’ com uma narrativa simples e direta, porém, completamente eficaz. 

O longa acompanha Jane (Julia Garner, de “Ozark“), uma aspirante a produtora que conseguiu um emprego como assistente de um poderoso executivo do entretenimento. À medida que os dias passam, Jane passa a perceber todos os abusos envolvendo seu ambiente de trabalho. 

Como protagonista e única personagem realmente bem desenvolvida pela trama, Jane acumula diversas funções no trabalho desde os primeiros minutos do longa. Entretanto, a sensação de incômodo e humilhação só tende a aumentar conforme novos detalhes sobre sua relação com o chefe são reveladas. 

Para retratar um chefe tão tóxico e problemático, Green utiliza uma estratégia a qual eu particularmente sou fã: não mostrar visualmente o personagem, mas sim deixar o público conhecer pequenos detalhes sobre ele. Afinal, os telefonemas furiosos do chefe e e-mails de desculpas de Jane são os únicos momentos de relacionamento direto entre os dois, sendo todo o resto mostrado a partir da ótica de uma assistente, a qual, assim como o espectador, tenta decifrar o quão vil pode ser seu superior.   

A grande combinação de Green e Garner 

Sem grandes personagens para contracenar, Jane cresce diante do público por meio da performance excelente de Garner. A atriz retrata perfeitamente o peso psicológico de sua posição e a suas incertezas ao recorrer ao setor de recursos humanos para falar sobre o comportamento de seu chefe. A cena, inclusive, é um dos grandes momentos do longa graças ao diálogo e boa dinâmica entre Garner e o colega interpretado por Matthew McFadyen com sua postura passivo-agressiva. 

Assim como em ‘Quem é JonBenet?’, Green explora ao máximo a direção de fotografia para criar uma certa melancolia em “A Assistente”. Neste caso, a principal estratégia é destacar o isolamento e solidão de Jane em relação aos seus colegas e ambiente de trabalho. Para completar, o tom melancólico é palpável nas cores predominantemente frias.   

Sem a presença de um final feliz, uma grande reviravolta ou expectativa de superação por Jane, ‘A Assistente’ conta um capítulo da vida de muitas mulheres, seja na indústria cinematográfica, seja em qualquer outro trabalho. A escolha por uma narrativa menos idealista pode até não agradar ao público totalmente, porém, não prejudica em nada tantas qualidades desta produção. 

‘Social Hygiene’: distanciamento social físico e metafórico em filmaço

Um filme que reflete perfeitamente os tempos pandêmicos, "Social Hygiene", de Denis Côté, é uma produção que dá um significado completamente novo ao termo "distanciamento social". O longa tornou seu realizador um dos ganhadores do prêmio de Melhor Diretor da...

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...