Como todo grande acontecimento no mundo hollywoodiano, o movimento #MeToo não demorou muito para se tornar uma fonte de inspiração para muitas produções no cinema. Seguindo essa proposta, a diretora e roteirista Kitty Green (‘Quem é JonBenet?’) apresenta ‘A Assistente’ com uma narrativa simples e direta, porém, completamente eficaz. 

O longa acompanha Jane (Julia Garner, de “Ozark“), uma aspirante a produtora que conseguiu um emprego como assistente de um poderoso executivo do entretenimento. À medida que os dias passam, Jane passa a perceber todos os abusos envolvendo seu ambiente de trabalho. 

Como protagonista e única personagem realmente bem desenvolvida pela trama, Jane acumula diversas funções no trabalho desde os primeiros minutos do longa. Entretanto, a sensação de incômodo e humilhação só tende a aumentar conforme novos detalhes sobre sua relação com o chefe são reveladas. 

Para retratar um chefe tão tóxico e problemático, Green utiliza uma estratégia a qual eu particularmente sou fã: não mostrar visualmente o personagem, mas sim deixar o público conhecer pequenos detalhes sobre ele. Afinal, os telefonemas furiosos do chefe e e-mails de desculpas de Jane são os únicos momentos de relacionamento direto entre os dois, sendo todo o resto mostrado a partir da ótica de uma assistente, a qual, assim como o espectador, tenta decifrar o quão vil pode ser seu superior.   

A grande combinação de Green e Garner 

Sem grandes personagens para contracenar, Jane cresce diante do público por meio da performance excelente de Garner. A atriz retrata perfeitamente o peso psicológico de sua posição e a suas incertezas ao recorrer ao setor de recursos humanos para falar sobre o comportamento de seu chefe. A cena, inclusive, é um dos grandes momentos do longa graças ao diálogo e boa dinâmica entre Garner e o colega interpretado por Matthew McFadyen com sua postura passivo-agressiva. 

Assim como em ‘Quem é JonBenet?’, Green explora ao máximo a direção de fotografia para criar uma certa melancolia em “A Assistente”. Neste caso, a principal estratégia é destacar o isolamento e solidão de Jane em relação aos seus colegas e ambiente de trabalho. Para completar, o tom melancólico é palpável nas cores predominantemente frias.   

Sem a presença de um final feliz, uma grande reviravolta ou expectativa de superação por Jane, ‘A Assistente’ conta um capítulo da vida de muitas mulheres, seja na indústria cinematográfica, seja em qualquer outro trabalho. A escolha por uma narrativa menos idealista pode até não agradar ao público totalmente, porém, não prejudica em nada tantas qualidades desta produção. 

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...

‘Benzedeira’: encontro da estética fílmica com o brilho do protagonista

“Benzedeira”, curta documentário de Pedro Olaia e San Marcelo, é um bom exemplo de como uma narrativa aparentemente simples ganha outra dimensão no audiovisual ao se apropriar de recursos da linguagem para destacar o que há de melhor no tema abordado.  Aqui, a direção...

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...