Violento, sangrento, tenso e com atenção especial para cenas de ação: “A Divisão” é um tipo de cinema nacional raro. Deixando de lado o contexto social – mesmo ainda sendo possível enxergá-lo nas entrelinhas – o longa foi produzido para ter o formato de uma série, sendo perceptível por conta de sua duração. O que poderia ser um desastre transformasse em uma produção competente com cenas bem construídas e dinâmica eficiente, uma boa opção pra quem gosta de thrillers policiais.

Não é a primeira vez que Vicente Amorim abraça o exercício de gênero: em “Motorrad” (2017), apesar de ter conseguido um visual elogiado, o resultado foi considerado aquém. Agora, em “A Divisão”, o diretor aparentemente aprendeu com os erros cometidos e trabalhou muito bem o roteiro de Gustavo Bragança (“Mandrake”).

Ambientado no Rio de Janeiro do fim dos anos 1990 e baseado em fatos reais, “A Divisão” mostra a onda de sequestros a partir do trabalho de uma equipe policial, a Divisão Anti-Sequestro (DAAS), para resgatar a filha de um deputado (Dalton Vigh). Dois tipos de profissionais são escolhidos para a missão: o delegado Mendonça (Silvio Guindane) é enérgico, violento, o homem da ação. Seu método “bandido bom é bandido morto” é bem visto pela população – e, por boa parte dos brasileiros. Porém, ele precisa trabalhar, a contragosto, com o policial Santiago (Erom Cordeiro) e sua equipe (Natália Lage e Thelmo Fernandes). Santiago é um policial corrupto, entretanto, suas práticas possuem certa “ética”, pois, ele apenas surrupia a fortuna dos bandidos, sendo uma espécie de Robin Hood.

ENTRE CLICHÊS E ACERTOS

Claro que, no primeiro momento, as rusgas são óbvias, e a antipatia de um pelo outro é recíproca. Mas logo os métodos acabam se conciliando em prol da solução dos crimes. Esse clichê só não irrita por conta da forma como é inserido dentro do contexto do “jeitinho brasileiro” como prova a cena envolvendo orelhões. Esse tipo de recurso batido de roteiro de filmes policiais segue ao longo da trama sem qualquer tipo de tentativa de disfarçá-lo, o que chega a ser até honesto por parte de Bragança.

O melhor de “A Divisão” reside, sem dúvida, no design de produção com toda ambientação dos anos 1990 através de modelos de aparelhos celulares, televisores ou até mesmo um carro modelo Monza. A fotografia assinada por Gustavo Hadba (“Eduardo e Mônica” e “O Grande Circo Místico”) exibe cores quentes em momentos de ação, frias com a tensão, enquanto a trilha sonora pontual de Lucas Marcier (“Irmã Dulce”) cresce quando o filme precisa. Um trabalho preciso e consciente, com perseguições e tiroteios a todo momento e efeitos competentes; a carnificina é exposta e a câmera não disfarça como um programa policial sensacionalista.

Mesmo com a trama concentrada na ação, Vicente Amorim consegue achar tempo para desenvolver os pequenos dramas de seus protagonistas ao apresentar, por exemplo, a família de um dos membros da equipe corrupta. Apesar do profissional reprovável do ponto de vista ético, há um homem ali amado por seus familiares e capaz de ter momentos de afeto e ternura. Esta ligação permite a criação de uma maior tensão na cenas de ação, afinal, sabemos o entorno daquela figura. Por outro lado, “A Divisão” falha miseravelmente na tentativa de criar alívios cômicos desnecessários.

Bem-feito e conduzido, “A Divisão” é uma boa pedida para quem busca um filme de ação nacional.

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...