Já na reta final de “A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas”, a protagonista Katie (dublada por Abbi Jacobson) se vê completamente sem saída e apela para um discurso emocional daqueles feitos para o público chorar com sua mensagem inspiradora. Abruptamente, porém, ela é interrompida de uma forma peculiar e genial pela vilã, sendo jogada de volta à ação.

Nada poderia ser mais a cara da dupla Christopher Miller e Phil Lord, revelados no surpreendente “Uma Aventura Lego” e expulsos pelas ousadias pretendidas para “Han Solo” (o que fizeste, Disney?). Em “A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas”, os dois assumem a produção executiva desta excelente animação da Columbia Pictures, disponível na Netflix.

Lá estão o humor ácido, rápido e zoeiro com pitadas de boas críticas sociais em uma história repleta de ação em ritmo acelerado e referências ao mundo do cinema e da cultura pop.

Com direção e roteiro de Michael Rianda e Jeff Rowe, o filme mostra a história de Kattie, uma garota apaixonada por fazer filmes caseiros e prestes a ir para a faculdade de cinema em Los Angeles. Ela, porém, se sente deslocada dentro da própria família e vive em conflitos com o pai (Danny McBride), o qual teme que a filha fracasse na profissão por não ver muito futuro. Para tentar retomar as pazes, ele, junto com a esposa (Maya Rudolph) e o caçula (Eric Andre), decidem embarcar em uma viagem de carro para deixar a protagonista em Los Angeles. A aventura começa quando o sistema operacional de um magnata da comunicação se rebela e aciona robôs para dominar o planeta.

DE TALKING HEADS A ‘MADRUGADA DOS MORTOS’

Chama a atenção como a produção toca em pontos sensíveis e comuns a todos nós – a sensação de estranhamento perante os demais, a frustração das comparações provenientes do uso excessivo das redes sociais, a maquiagem da nossa realidade através de filtros ou fotografias perfeitas, os choques geracionais, a necessidade de encontrar o próprio caminho – sem perder o humor através de um olhar cínico. “A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas” consegue ser cirúrgico ao mostrar a corrida desenfreada das pessoas por wi-fi, a família ‘incrível’ dos vizinhos e os celulares como peças tão importantes como a comida e os talheres na mesa de jantar.

Tudo isso sem aquelas lições de moral tão típicas da Disney e sim adotando um tom anárquico. Por vezes, a animação pode soar histérica e exagerada, mas, até nisso consegue saídas brilhantes como quando Rianda e Rowe jogam e zoam com a expectativa do público ao mostrar a real razão do ódio do celular, líder da rebelião, em relação aos humanos.

A narrativa acompanha essa intensidade ao se utilizar da linguagem da internet para a construção e ritmo da história: pulam na tela emoticons de coração, memes e trucagens típicas de YouTube em uma velocidade absurda, mas, incapaz de fazer o espectador perder o foco nos personagens e nas diversas referências ao cinema e cultura pop – “A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas” homenageia de Talking Heads a “2001 – Uma Odisseia no Espaço” passando por “O Exterminador do Futuro”, “Tron” até “Madrugada dos Mortos”.

Apesar de todo este clima de deliciosa bagunça, “A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas” impressiona como consegue elaborar uma sensível história sobre sua protagonista muito além daquilo que está visível na turbulenta relação dela com o pai e no desejo de seguir pelo mundo do cinema. A pequena revelação feita no final do filme construída em pequenos detalhes durante a animação é para aquecer o coração daqueles que gostam de um cinema corajoso e inteligente.

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...