Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados – depois do experimentos com filmagens espontâneas que geraram seus últimos filmes – mas não resgata a mágica de seus clássicos, como “Cinzas no Paraíso” e o próprio “A Árvore”.

Malick é para o cinema o que C.S. Lewis (“As Crônicas de Nárnia”) foi para a literatura fantástica – um artista cristão determinado a fazer perguntas sobre as limitações da fé e o desejo humano por transcendência. Esse interesse permeia a obra do cineasta há décadas e, em seu novo longa, ele encontra um prato cheio na história real de Franz Jägerstätter (August Diehl, o coronel nazista Dieter da célebre cena da taverna de “Bastardos Inglórios”), um austríaco que se recusou a lutar por Hitler na Segunda Guerra Mundial devido às suas convicções religiosas e acabou preso.

O protagonista tem ares de mártir logo de cara e, quando o regime lhe impõe a participação em uma guerra que vai contra seus princípios, ele toma uma decisão que faz todos se voltarem contra ele e sua família. Aos 35 minutos de filme, um pintor sacro fala que, com as suas pinturas, ele “cria admiradores, não seguidores” – e fica muito claro, naquele momento, o que Jägerstätter quer ser.

CANSATIVO AO EXTREMO

No entanto, não há desenvolvimento narrativo que justifique as quase três horas de duração. Da última vez em que Malick entregou um filme com mais de duas horas e meia (“A Árvore”), ele almejava alcançar um retrato da vida no universo através de milênios. Em comparação, toda a ação principal de “A Hidden Life” se passa em quatro anos, durante os quais pouco acontece.

A provação do austríaco e, sobretudo, uma história de paixão – mas não há nada aqui que não tenha sido dito de forma mais pungente em outras produções, tais como “A Última Tentação de Cristo” e “Silêncio”, ambos de Martin Scorsese, e “As Bruxas de Salem” de Nicholas Hytner.

Ao invés disso, temos um longo ato de uma hora com o protagonista sofrendo em seu vilarejo e um ainda mais longo ato subsequente de quase duas horas, com ele sofrendo na prisão. Como de praxe, Malick ilustra esse sofrimento com longas tomadas com ênfase na natureza, mas o efeito, ainda que melhor do que em seus trabalhos recentes, distrai mais do que encanta.

Ele é mais eficaz quando ancora suas cenas com questões humanas. A melhor delas – a difícil vida de Fanny (Valerie Pachner) ao ser condenada socialmente pela decisão do marido – rende os melhores momentos do longa. No entanto, eles não sustentam uma obra que parece, como seus protagonistas, procurar respostas impossíveis.

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

Festival de Londres 2020 – Mads Mikkelsen brilhante e ‘Ammonite’ decepciona

O correspondente internacional do Cine Set, Lucas Pistilli, conversa com Caio Pimenta sobre os destaques do Festival de Londres 2020. https://www.youtube.com/watch?v=XhaVGD7TQF8

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...

‘Ema’: Pablo Larraín mexe com a cabeça do público em filme indomável

"Ema", novo filme de Pablo Larraín ("Jackie") exibido no Festival de Londres, começa em chamas - uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro - o drama histórico -, o...

‘Dois Papas’: Anthony Hopkins e Jonathan Pryce em atuações abençoadas

Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, "Dois Papas" é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres,...