Aos nove minutos de “A Última Floresta”, novo longa de Luiz Bolognesi exibido no Festival de Berlim deste ano, indígenas encontram garimpeiros em suas terras e armam uma emboscada para assustá-los. Depois de uma altercação, os indígenas saem vitoriosos e comemoram. A cena poderia pertencer a um filme de faroeste, mas é uma realidade das terras indígenas do Brasil atual – agravada pela atual gestão do país. 
 
Depois de mostrar as consequências da evangelização na comunidade Paiter Suruí em “Ex-Pajé“, o diretor brasileiro agora volta sua câmera para os Yanomamis e sua resistência diante de um inimigo aparentemente onipotente e onipresente: o mundo branco lá fora. O xamã Davi Konepawa Yanomami, uma das maiores lideranças dessa comunidade, conduz “A Última Floresta” e cria um registro empático de uma história de resistência. 
 
O que poderia ser retratado como uma longa entrevista ganha contornos históricos e místicos através do roteiro escrito a quatro mãos por Bolognesi e Konepawa, que se permite vagar livremente por diversos temas. A leve estrutura narrativa da produção remonta o discurso oral, o que permite diversas digressões. 
 
Uma sequência, por exemplo, explora um mito creacionista dos Yanomamis, recriando-o como um romance adolescente elaborado com um incrível senso estético. Retomando a parceria com o diretor de fotografia espanhol Pedro J. Márquez, Bolognesi retrata a floresta como um mundo fantástico à parte. 

“Os brancos não nos conhecem”

A estrela do longa, no entanto, é sem dúvida Konepawa. Com a sabedoria milenar de sua tribo ao seu lado, o xamã é um observador astuto do mundo branco. Quando ele comenta que os Yanomamis dormem bem porque não têm luzes ou carros, é impossível não ver isso como uma crítica ponderada à insone sociedade que o rodeia. 
 
Ele também tem um entendimento preciso sobre o funcionamento do capitalismo ao criticar os trabalhadores que almejam ir às terras indígenas para explorá-las por dinheiro. “Os trabalhadores não vão ficar com dinheiro”, comenta com clareza. A relação entre os indígenas e os citadinos também não escapa à sua análise e ele apela aos jovens de sua aldeia que não partam dali, alertando-os sobre o mundo hostil que nunca os abraçará completamente. Apesar disso, Konepawa sabe que, na hora de lutar pelo seu direito de viver, ferramentas criadas por brancos, como o rádio e até mesmo o cinema, são válidas. 
 
“Os brancos não nos conhecem”, diz ele, em certo ponto do filme. “Não quero chegar [para eles] com comida de festa ou danças tradicionais. Eu preciso ensiná-los nosso modo de pensar”, ele conclui. Nessa missão, “A Última Floresta” é bem-sucedido, provendo uma excelente janela para esse modo de pensar e fazendo um caloroso convite para que se olhe através dela. 

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...

‘Nö’: anticomédia romântica dos dilemas da geração millenium

O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em "Nö", nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de...

‘O Culpado’: Jake Gyllenhaal caricato em remake desnecessário

O cinema é uma arte que permite constante reinvenção. E isso facilita a compreensão da prática comum de Hollywood que perdura até os dias de hoje. É natural vermos a indústria norte-americana reexplorar a ideia de uma produção audiovisual de outros países, seja ela...