Ao reunir Catherine Deneuve e Juliette Binoche (“Quem Você Pensa que Sou“), duas das maiores atrizes de nossos tempos, o mais recente filme de Hirokazu Koreeda ganhou os holofotes desde o início da produção. Embora provavelmente não atraia novos fãs, “A Verdade” é um envolvente drama mostra o diretor procurando novas maneiras de lidar com conflitos marcados pelo tempo. 

Além de reunir lendas do cinema francês pela primeira vez, o drama também é o primeiro filme de Koreeda fora do Japão, feito imediatamente após seu “Assunto de Família” se sagrar ganhador da Palma de Ouro em 2018. “A Verdade” se concentra em Fabienne (Deneuve), uma estrela de cinema reconhecida mundialmente que está no meio das gravações de um filme. De repente, sua vida é interrompida pela chegada da filha Lumir (Binoche), que sempre se sentiu negligenciada pela mãe e decide ir a Paris para um relato sincero das memórias de Fabienne que serão publicadas em breve. A filha contesta o conteúdo do livro. 

Koreeda é absolutamente apaixonado por dramas familiares e fez uma carreira consistente e interessante com eles. Na superfície, é exatamente isso que ele entrega aqui novamente. No entanto, como sua protagonista, “A Verdade” é repleto de fumaça e espelhos, jogando com vários dispositivos narrativos, bem como seu público. O filme brinca com imagens estabelecidas (franceses tendo discussões acaloradas durante o jantar, Deneuve interpretando uma diva gélida, etc.), a fim de criar um ensaio sobre as maneiras pelas quais as pessoas fabricam histórias e memórias, incluindo o cinema. 

Quando Lumir, por exemplo, confronta Fabienne dizendo que as memórias não são verdadeiras, ela tende a rejeitar isso como uma forma de crítica que só viria de alguém que não conhece a natureza da atuação. No entanto, as duas mulheres estão sempre agindo uma em relação à outra. As cenas que envolvem a filha de Lumir, Charlotte (Clémentine Grenier), ilustram como isso afeta as pessoas ao seu redor. 

MELODRAMA QUASE COMPLETO

A necessidade delas de atuar – para os outros e, principalmente, para elas mesmos – se mistura aos papéis de Fabienne e aos roteiros de Lumir, um ofício que ela seguiu após sua carreira não ser apoiada pela mãe. Durante as cenas de gravações do filme, a personagem de Deneuve parece incorporar o sofrimento da filha para construir sua presença na tela. É maravilhoso assistir – mesmo que não seja o melodrama completo que “A Verdade” teve todas as chances de ser.

Koreeda tem muito a oferecer ao longo dos 106 minutos do filme, mas, a abordagem aleatória faz boa parte do esforço ser em vão. Seu roteiro quer cobrir muito terreno e há tantas histórias paralelas lançadas que alguém poderia desejar que ele se prendesse às principais e as encerrasse. O fato de muitos desses trechos da serem tentadoramente bons torna ainda mais frustrante não vê-los completamente desenvolvidos. Por fim, “A Verdade” fornece ao público uma análise completa de seu assunto, mesmo que pudesse ter mais foco.

CRÍTICA | ‘Megalópolis’: no cinema de Coppola, o fim é apenas um detalhe

Se ser artista é contrariar o tempo, quem melhor para falar sobre isso do que Francis Ford Coppola? É tentador não jogar a palavra “megalomaníaco” em um texto sobre "Megalópolis". Sim, é uma aliteração irresistível, mas que não arranha nem a superfície da reflexão de...

CRÍTICA | ‘Twisters’: senso de perigo cresce em sequência superior ao original

Quando, logo na primeira cena, um tornado começa a matar, um a um, a equipe de adolescentes metidos a cientistas comandada por Kate (Daisy Edgar-Jones) como um vilão de filme slasher, fica claro que estamos diante de algo diferente do “Twister” de 1996. Leia-se: um...

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...