Ao reunir Catherine Deneuve e Juliette Binoche (“Quem Você Pensa que Sou“), duas das maiores atrizes de nossos tempos, o mais recente filme de Hirokazu Koreeda ganhou os holofotes desde o início da produção. Embora provavelmente não atraia novos fãs, “A Verdade” é um envolvente drama mostra o diretor procurando novas maneiras de lidar com conflitos marcados pelo tempo. 

Além de reunir lendas do cinema francês pela primeira vez, o drama também é o primeiro filme de Koreeda fora do Japão, feito imediatamente após seu “Assunto de Família” se sagrar ganhador da Palma de Ouro em 2018. “A Verdade” se concentra em Fabienne (Deneuve), uma estrela de cinema reconhecida mundialmente que está no meio das gravações de um filme. De repente, sua vida é interrompida pela chegada da filha Lumir (Binoche), que sempre se sentiu negligenciada pela mãe e decide ir a Paris para um relato sincero das memórias de Fabienne que serão publicadas em breve. A filha contesta o conteúdo do livro. 

Koreeda é absolutamente apaixonado por dramas familiares e fez uma carreira consistente e interessante com eles. Na superfície, é exatamente isso que ele entrega aqui novamente. No entanto, como sua protagonista, “A Verdade” é repleto de fumaça e espelhos, jogando com vários dispositivos narrativos, bem como seu público. O filme brinca com imagens estabelecidas (franceses tendo discussões acaloradas durante o jantar, Deneuve interpretando uma diva gélida, etc.), a fim de criar um ensaio sobre as maneiras pelas quais as pessoas fabricam histórias e memórias, incluindo o cinema. 

Quando Lumir, por exemplo, confronta Fabienne dizendo que as memórias não são verdadeiras, ela tende a rejeitar isso como uma forma de crítica que só viria de alguém que não conhece a natureza da atuação. No entanto, as duas mulheres estão sempre agindo uma em relação à outra. As cenas que envolvem a filha de Lumir, Charlotte (Clémentine Grenier), ilustram como isso afeta as pessoas ao seu redor. 

MELODRAMA QUASE COMPLETO

A necessidade delas de atuar – para os outros e, principalmente, para elas mesmos – se mistura aos papéis de Fabienne e aos roteiros de Lumir, um ofício que ela seguiu após sua carreira não ser apoiada pela mãe. Durante as cenas de gravações do filme, a personagem de Deneuve parece incorporar o sofrimento da filha para construir sua presença na tela. É maravilhoso assistir – mesmo que não seja o melodrama completo que “A Verdade” teve todas as chances de ser.

Koreeda tem muito a oferecer ao longo dos 106 minutos do filme, mas, a abordagem aleatória faz boa parte do esforço ser em vão. Seu roteiro quer cobrir muito terreno e há tantas histórias paralelas lançadas que alguém poderia desejar que ele se prendesse às principais e as encerrasse. O fato de muitos desses trechos da serem tentadoramente bons torna ainda mais frustrante não vê-los completamente desenvolvidos. Por fim, “A Verdade” fornece ao público uma análise completa de seu assunto, mesmo que pudesse ter mais foco.

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...