Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o público. No caso de Adú, líder de indicações ao Goya 2021, o maior prêmio do cinema espanhol, ele se passa no continente africano e, por meio de três histórias, busca chamar atenção para o problema dos refugiados vindos desta tão complicada parte do mundo, que buscam uma vida melhor em outros países, muitas vezes se arriscando para isso.

O problema de Adú é justamente esse: são três histórias! Se o longa do diretor Salvador Calvo se focasse só no personagem-título, talvez o cineasta até tivesse conseguido criar algo especial. Porque todas as vezes em que estamos vendo o drama do garoto, depois de alguns minutos, o filme muda o foco para outros personagens e seus dramas. E, sinceramente, seus dramas não são tão interessantes assim. Sendo bem sincero, Adú é um filme chato, mesmo, toda vez que não estamos acompanhando aquele que deveria ser o verdadeiro protagonista do longa. E mesmo quando ele é o foco, o filme ainda sofre com outros problemas.

O longa começa com um incidente na cidade de Melilla, quando uma multidão de refugiados tenta pular a cerca da fronteira. O incidente resulta na morte de um deles, com o guarda Mateo (Álvaro Cervantes) servindo de testemunha do comportamento violento dos seus colegas. Já numa reserva no Camarões, um elefante é morto por caçadores, o que gera conflitos entre o segurança do lugar, Gonzalo (Luis Tosar), e a sua equipe. Para complicar ainda mais sua vida, Gonzalo se reúne com sua filha Sandra (Anna Castillo), que está viajando pelo país e com quem ele não tem um bom relacionamento.  A morte do elefante e a perseguição dos caçadores também forçam o pequeno Adú (Moustapha Oumarou) e sua irmã mais velha Alika (Zayiddyia Dissou) a abandonarem seu lar e a embarcarem numa perigosa travessia rumo à Espanha.

CAMINHOS DESINTERESSANTES

Durante as quase duas horas de filme, o foco narrativo se alterna entre essas tramas, mas elas realmente não se interseccionam em momento algum. É como se estivéssemos vendo dois filmes de meia hora e um de uma hora, só colados juntos. Apesar do belo trabalho de fotografia, com paisagens africanas realmente bonitas na tela e cores expressivas, e da efetiva trilha sonora buscando criar tensão ou emoção, o filme nunca dá liga. É o caso clássico de tentar colocar muita coisa na panela: o prato acaba tentando agradar a todos os gostos sem sucesso, e alguns dos ingredientes não cozinham direito, ficam crus.

É o caso da história de Mateo. Travessia ilegal de fronteira é um problema sério em todo o mundo, mas parece que os cineastas de Adú se preocuparam em enfocar o problema e se esqueceram do cinema. Essa trama se desenvolve a passo de tartaruga e a atuação de Cervantes não é cativante a ponto de nos importarmos com seu destino. Quando ela enfim se resolve, a sensação é anticlimática.

O dilema de Gonzalo com sua filha também não empolga: em um filme que aparentemente se dedica a problematizar situações ligadas à África, por que exatamente estamos vendo uma história de pai e filha distantes que poderia se passar em qualquer outro lugar?  O tempo gasto com esses personagens e o draminha pai-e-filha acaba despertando a incômoda impressão de que os cineastas – e talvez o algoritmo da Netflix – achassem que o filme não teria grande audiência se tivesse um elenco inteiramente africano, e por isso quiseram colocar uns personagens brancos para contrabalancear…

 SOMENTE BOAS INTENÇÕES NÃO FAZEM BOM CINEMA

 

Adú é o personagem-título, e ele parece ter menos tempo de tela do que alguns desses outros. Quando o filme se foca nele, a atuação do jovem Oumarou nos conquista e nos faz investir emocionalmente no personagem. As melhores cenas do filme são aquelas entre ele e sua irmã, notadamente quando embarcam num perigoso voo de avião. Aí é quando o filme prende a atenção. Pena que, quanto mais a história de Adú avança, mais ela começa também a parecer problemática. Perto do fim do filme, as desgraças começam a se acumular sobre o coitado, e o filme passa a se tornar manipulativo, coisa que o diretor Calvo conseguia evitar no início dele.

 Além disso, Adú é o pior tipo de protagonista: é passivo demais, apesar de simpático. Está sempre sendo levado de um lado para o outro, e ao fim nem se tem a impressão de que ele evoluiu ou cresceu de algum modo, porque o diretor e o roteiro estão mais interessados em mostrar “o problema social”.

Isso fica bem claro com o final da obra, que coloca um letreiro e uma música triste para nos sensibilizar a respeito da questão dos refugiados africanos. Adú é bem feito e bem intencionado, mas só boas intenções não fazem bom cinema. Acaba agindo contra suas próprias pretensões, porque seus defeitos podem fazer com que o público nem consiga vê-lo até o final, ou pior ainda, que se esqueça dele uns dez minutos depois do filme acabar. Tudo porque é um filme fraco, às vezes apelativo, e com um buraco onde deveria haver seu centro.

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...

‘Minari’: naturalismo e honestidade dão o tom de belo filme

Minari, do diretor Lee Isaac Chung, é uma obra delicada e que tem um carinho muito perceptível pelos seus personagens e a história que conta. É uma trama comum no cinema - imigrantes lutando para sobreviver e prosperar numa terra nova - e parcialmente baseada na...

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...