Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o público. No caso de Adú, líder de indicações ao Goya 2021, o maior prêmio do cinema espanhol, ele se passa no continente africano e, por meio de três histórias, busca chamar atenção para o problema dos refugiados vindos desta tão complicada parte do mundo, que buscam uma vida melhor em outros países, muitas vezes se arriscando para isso.

O problema de Adú é justamente esse: são três histórias! Se o longa do diretor Salvador Calvo se focasse só no personagem-título, talvez o cineasta até tivesse conseguido criar algo especial. Porque todas as vezes em que estamos vendo o drama do garoto, depois de alguns minutos, o filme muda o foco para outros personagens e seus dramas. E, sinceramente, seus dramas não são tão interessantes assim. Sendo bem sincero, Adú é um filme chato, mesmo, toda vez que não estamos acompanhando aquele que deveria ser o verdadeiro protagonista do longa. E mesmo quando ele é o foco, o filme ainda sofre com outros problemas.

O longa começa com um incidente na cidade de Melilla, quando uma multidão de refugiados tenta pular a cerca da fronteira. O incidente resulta na morte de um deles, com o guarda Mateo (Álvaro Cervantes) servindo de testemunha do comportamento violento dos seus colegas. Já numa reserva no Camarões, um elefante é morto por caçadores, o que gera conflitos entre o segurança do lugar, Gonzalo (Luis Tosar), e a sua equipe. Para complicar ainda mais sua vida, Gonzalo se reúne com sua filha Sandra (Anna Castillo), que está viajando pelo país e com quem ele não tem um bom relacionamento.  A morte do elefante e a perseguição dos caçadores também forçam o pequeno Adú (Moustapha Oumarou) e sua irmã mais velha Alika (Zayiddyia Dissou) a abandonarem seu lar e a embarcarem numa perigosa travessia rumo à Espanha.

CAMINHOS DESINTERESSANTES

Durante as quase duas horas de filme, o foco narrativo se alterna entre essas tramas, mas elas realmente não se interseccionam em momento algum. É como se estivéssemos vendo dois filmes de meia hora e um de uma hora, só colados juntos. Apesar do belo trabalho de fotografia, com paisagens africanas realmente bonitas na tela e cores expressivas, e da efetiva trilha sonora buscando criar tensão ou emoção, o filme nunca dá liga. É o caso clássico de tentar colocar muita coisa na panela: o prato acaba tentando agradar a todos os gostos sem sucesso, e alguns dos ingredientes não cozinham direito, ficam crus.

É o caso da história de Mateo. Travessia ilegal de fronteira é um problema sério em todo o mundo, mas parece que os cineastas de Adú se preocuparam em enfocar o problema e se esqueceram do cinema. Essa trama se desenvolve a passo de tartaruga e a atuação de Cervantes não é cativante a ponto de nos importarmos com seu destino. Quando ela enfim se resolve, a sensação é anticlimática.

O dilema de Gonzalo com sua filha também não empolga: em um filme que aparentemente se dedica a problematizar situações ligadas à África, por que exatamente estamos vendo uma história de pai e filha distantes que poderia se passar em qualquer outro lugar?  O tempo gasto com esses personagens e o draminha pai-e-filha acaba despertando a incômoda impressão de que os cineastas – e talvez o algoritmo da Netflix – achassem que o filme não teria grande audiência se tivesse um elenco inteiramente africano, e por isso quiseram colocar uns personagens brancos para contrabalancear…

 SOMENTE BOAS INTENÇÕES NÃO FAZEM BOM CINEMA

 

Adú é o personagem-título, e ele parece ter menos tempo de tela do que alguns desses outros. Quando o filme se foca nele, a atuação do jovem Oumarou nos conquista e nos faz investir emocionalmente no personagem. As melhores cenas do filme são aquelas entre ele e sua irmã, notadamente quando embarcam num perigoso voo de avião. Aí é quando o filme prende a atenção. Pena que, quanto mais a história de Adú avança, mais ela começa também a parecer problemática. Perto do fim do filme, as desgraças começam a se acumular sobre o coitado, e o filme passa a se tornar manipulativo, coisa que o diretor Calvo conseguia evitar no início dele.

 Além disso, Adú é o pior tipo de protagonista: é passivo demais, apesar de simpático. Está sempre sendo levado de um lado para o outro, e ao fim nem se tem a impressão de que ele evoluiu ou cresceu de algum modo, porque o diretor e o roteiro estão mais interessados em mostrar “o problema social”.

Isso fica bem claro com o final da obra, que coloca um letreiro e uma música triste para nos sensibilizar a respeito da questão dos refugiados africanos. Adú é bem feito e bem intencionado, mas só boas intenções não fazem bom cinema. Acaba agindo contra suas próprias pretensões, porque seus defeitos podem fazer com que o público nem consiga vê-lo até o final, ou pior ainda, que se esqueça dele uns dez minutos depois do filme acabar. Tudo porque é um filme fraco, às vezes apelativo, e com um buraco onde deveria haver seu centro.

‘Ski’: manifesto social fragmentado e irreverente

"Ski", de Manque La Banca ("T.R.A.P" e "Grr"), é uma viagem ao coração obscuro que existe por trás das empreitadas remotas e luxuosas. A co-produção Argentina-Brasil, que estreou na mostra Forum da Berlinale deste ano, mistura as estéticas de documentários, vídeos...

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...