O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter Dinklage (“Game of Thrones”) e Elle Fanning (“O Estranho que nós Amamos”).

Não é dada muita informação sobre o que aconteceu neste universo, mas observar Dinklage caminhar pelas ruas com máscara de tecido cobrindo o rosto, nos oferece um vislumbre do que pode ter ocorrido. O eterno Tyrion Lannister encarna um bibliotecário solitário que parece sentir-se à vontade em perambular por uma cidade vazia. Com um olhar carregado de mistério, sua tranquilidade é atingida quando encontra uma moça em um carro batido em seu percurso.

A partir desse encontro, desenvolve-se um relacionamento pautado em conflitos de diversas ordens como o abismo geracional, a necessidade de companhia, de auxilio e até mesmo o compartilhamento de sensações e sentimentos. Há muita coisa não dita entre o casal e que soa querer ser perceptível por meio da troca de olhares e atitudes entre os personagens.

DESPERDÍCIO DE GRANDE ELENCO

Por mais que Fanning e Dinklage sejam ótimos intérpretes, no entanto, não conseguem transmitir essas sensações. Isso influencia na falta de ligação e empatia com o público. Dessa forma, os dramas e provocações que o roteiro de Mike Makowsky (“Má Educação”, da HBO) procura incitar soam vazias e carecem de aprofundamento que poderiam ser resolvidos com mais linhas de diálogos, por exemplo, ou por uma direção de elenco mais efetiva.

Gosto de Reed Morano e das sensações imagéticas que ela transmite como diretora de fotografia. Mas, como realizadora, tenho a sensação de que seus filmes poderiam dizer mais do que o que está na tela. Curiosamente, Morano costuma assinar a cinematografia de suas produções as quais, contrapondo a direção geral, perpassam muitos sentimentos; prova disso são as escolhas de ângulo e movimentação da primeira temporada de “The Handmaids Tale” que lhe renderam um Emmy.

Em “Agora Estamos Sozinhos”, a cinematografia tenta ocupar esse vazio deixado pela ausência de dialogo estabelecido na relação dos protagonistas. Prova disso é a transição gradual de um ambiente fechado e escuro para cenas com mais luz natural e ambientes mais amplos. Esse ritmo visual ocorre de forma constante até a cena catártica de Dell (Dinklage) e representa a libertação das crenças e experiências anteriores dos personagens.

“Agora Estamos Sozinhos” nos oferece um olhar diferente sobre o mundo pós-apocalíptico com muito potencial que, infelizmente, fica perdido em meio a conceitos vazios e a falta de provocações bem trabalhadas. Uma pena diante de um elenco tão talentoso.

Como ‘Madame Teia’ consegue ser um fiasco completo?

Se os filmes de heróis da Marvel vêm passando por um período de ócio criativo, indicando uma possível saturação do público em relação às histórias, a Sony tem utilizado os “pseudos projetos cinematográficos” do universo baseado em propriedades do Homem-Aranha para...

‘Bob Marley: One Love’: a vulnerabilidade de uma lenda

Acredito que qualquer pessoa no planeta Terra sabe quem é Bob Marley ou já escutou alguma vez as suas canções. Se duvidar, até mesmo um alienígena de passagem por aqui já se desembestou a cantarolar um dos sucessos do cantor jamaicano, símbolo do reggae, subgênero...

‘Ferrari’: Michael Mann contido em drama sobre herói fora de seu tempo

Coisa estranha: a silhueta de um homem grisalho, a linha do cabelo recuando, adorna um balde de pipoca. É Adam Driver como Enzo Ferrari, em uma ação de marketing curiosa: vender o novo filme de Michael Mann como um grande blockbuster para a garotada. Jogada inusitada,...

‘Garra de Ferro’: um drama que não sai do quase

Garra de Ferro, o novo filme do diretor Sean Durkin, o mesmo dos bons Martha Marcy May Marlene (2011) e O Refúgio (2020), é decepcionante. Mas tinha ingredientes para ser marcante: um ótimo elenco e a base de uma história real e bastante dramática. No fim das contas,...

‘A Memória Infinita’: quando o amor é maior que o esquecimento

“Estou aqui para relembrar quem foi Augusto Góngora”  Com essas palavras e uma câmera desfocada, Paulina Urrutia, ex-ministra da cultura do Chile e companheira de Gongora a quase 25 anos, nos introduz a “A Memória Infinita”, filme dirigido por Maitê Alberdi, indicado...

‘Argylle’: Matthew Vaughn ladeira abaixo em filme fraco

Entre 2007 a 2015, Matthew Vaughn surgiu como uma das mentes criativas do entretenimento norte-americano. Neste período, ele comandou as melhores sátiras subversivas ao trabalhar os elementos de fantasia a partir da violência cartunesca com o humor politicamente...

‘Todos Menos Você’: dois gostosos e a essência da comédia romântica

As comédias românticas migraram dos cinemas para os streamings nos últimos anos. Basta lembrar que “Podres de Rico”, de 2018, foi o último filme do gênero a alcançar bilheteria e repercussão significativas nas telonas. Por isso, a ótima repercussão de “Todos Menos...

‘Minha Irmã e Eu’: o sucessor natural de ‘Minha Mãe é uma Peça’ 

O cinema brasileiro celebra os necessários números superiores a 1,5 milhão de ingressos vendidos por “Minha Irmã e Eu” depois de um período de vacas magras provocado pela pandemia da COVID-19 e ausência de políticas públicas de verdade como a cota de tela. Antes dele,...

‘Ficção Americana’: dramédia familiar compensa sátira engessada

Monk Ellison (Jeffrey Wright) é um professor universitário super qualificado e frustrado; portanto, sem tempo para os bons-mocismos liberais. Sua acidez o afasta do magistério e o coloca em uma sinuca de bico: como reinventar a carreira falida se tudo que o mercado...

‘O Mal que nos Habita’: terror argentino perde gás ao abandonar podridão

Não é de se espantar que o grande Marcelo Hessel tenha apelado para as alegorias sociais na hora de balizar sua leitura do argentino “O Mal Que Nos Habita”. É porque o filme, no campo puramente fílmico, perde o gás lá pela metade. Resta o trabalho mental de tradução...