O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter Dinklage (“Game of Thrones”) e Elle Fanning (“O Estranho que nós Amamos”).

Não é dada muita informação sobre o que aconteceu neste universo, mas observar Dinklage caminhar pelas ruas com máscara de tecido cobrindo o rosto, nos oferece um vislumbre do que pode ter ocorrido. O eterno Tyrion Lannister encarna um bibliotecário solitário que parece sentir-se à vontade em perambular por uma cidade vazia. Com um olhar carregado de mistério, sua tranquilidade é atingida quando encontra uma moça em um carro batido em seu percurso.

A partir desse encontro, desenvolve-se um relacionamento pautado em conflitos de diversas ordens como o abismo geracional, a necessidade de companhia, de auxilio e até mesmo o compartilhamento de sensações e sentimentos. Há muita coisa não dita entre o casal e que soa querer ser perceptível por meio da troca de olhares e atitudes entre os personagens.

DESPERDÍCIO DE GRANDE ELENCO

Por mais que Fanning e Dinklage sejam ótimos intérpretes, no entanto, não conseguem transmitir essas sensações. Isso influencia na falta de ligação e empatia com o público. Dessa forma, os dramas e provocações que o roteiro de Mike Makowsky (“Má Educação”, da HBO) procura incitar soam vazias e carecem de aprofundamento que poderiam ser resolvidos com mais linhas de diálogos, por exemplo, ou por uma direção de elenco mais efetiva.

Gosto de Reed Morano e das sensações imagéticas que ela transmite como diretora de fotografia. Mas, como realizadora, tenho a sensação de que seus filmes poderiam dizer mais do que o que está na tela. Curiosamente, Morano costuma assinar a cinematografia de suas produções as quais, contrapondo a direção geral, perpassam muitos sentimentos; prova disso são as escolhas de ângulo e movimentação da primeira temporada de “The Handmaids Tale” que lhe renderam um Emmy.

Em “Agora Estamos Sozinhos”, a cinematografia tenta ocupar esse vazio deixado pela ausência de dialogo estabelecido na relação dos protagonistas. Prova disso é a transição gradual de um ambiente fechado e escuro para cenas com mais luz natural e ambientes mais amplos. Esse ritmo visual ocorre de forma constante até a cena catártica de Dell (Dinklage) e representa a libertação das crenças e experiências anteriores dos personagens.

“Agora Estamos Sozinhos” nos oferece um olhar diferente sobre o mundo pós-apocalíptico com muito potencial que, infelizmente, fica perdido em meio a conceitos vazios e a falta de provocações bem trabalhadas. Uma pena diante de um elenco tão talentoso.

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...

‘The White Fortress’: contexto social da Bósnia fortalece romance juvenil

"The White Fortress", novo filme de Igor Drljača, é um longa multifacetado que tem a chance de seduzir diversos tipos de espectadores. Apresentado na mostra Generation 14plus do Festival de Berlim deste ano, a co-produção Bósnia e Herzegovina-Canadá é um sensível...