O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter Dinklage (“Game of Thrones”) e Elle Fanning (“O Estranho que nós Amamos”).

Não é dada muita informação sobre o que aconteceu neste universo, mas observar Dinklage caminhar pelas ruas com máscara de tecido cobrindo o rosto, nos oferece um vislumbre do que pode ter ocorrido. O eterno Tyrion Lannister encarna um bibliotecário solitário que parece sentir-se à vontade em perambular por uma cidade vazia. Com um olhar carregado de mistério, sua tranquilidade é atingida quando encontra uma moça em um carro batido em seu percurso.

A partir desse encontro, desenvolve-se um relacionamento pautado em conflitos de diversas ordens como o abismo geracional, a necessidade de companhia, de auxilio e até mesmo o compartilhamento de sensações e sentimentos. Há muita coisa não dita entre o casal e que soa querer ser perceptível por meio da troca de olhares e atitudes entre os personagens.

DESPERDÍCIO DE GRANDE ELENCO

Por mais que Fanning e Dinklage sejam ótimos intérpretes, no entanto, não conseguem transmitir essas sensações. Isso influencia na falta de ligação e empatia com o público. Dessa forma, os dramas e provocações que o roteiro de Mike Makowsky (“Má Educação”, da HBO) procura incitar soam vazias e carecem de aprofundamento que poderiam ser resolvidos com mais linhas de diálogos, por exemplo, ou por uma direção de elenco mais efetiva.

Gosto de Reed Morano e das sensações imagéticas que ela transmite como diretora de fotografia. Mas, como realizadora, tenho a sensação de que seus filmes poderiam dizer mais do que o que está na tela. Curiosamente, Morano costuma assinar a cinematografia de suas produções as quais, contrapondo a direção geral, perpassam muitos sentimentos; prova disso são as escolhas de ângulo e movimentação da primeira temporada de “The Handmaids Tale” que lhe renderam um Emmy.

Em “Agora Estamos Sozinhos”, a cinematografia tenta ocupar esse vazio deixado pela ausência de dialogo estabelecido na relação dos protagonistas. Prova disso é a transição gradual de um ambiente fechado e escuro para cenas com mais luz natural e ambientes mais amplos. Esse ritmo visual ocorre de forma constante até a cena catártica de Dell (Dinklage) e representa a libertação das crenças e experiências anteriores dos personagens.

“Agora Estamos Sozinhos” nos oferece um olhar diferente sobre o mundo pós-apocalíptico com muito potencial que, infelizmente, fica perdido em meio a conceitos vazios e a falta de provocações bem trabalhadas. Uma pena diante de um elenco tão talentoso.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...