Estrelado duplamente por Seth Rogen (‘Casal Improvável’), ‘An American Pickle’ se encaixa exatamente na situação de obras literárias que são melhores no papel do que na tela do cinema. Mesmo possuindo um humor baseado em ironias, o roteiro do longa excede previsibilidade com ações repetidas de seus personagens e ainda dá espaço para uma carga dramática não correspondida por Rogen. 

O longa se baseia no conto “Sell Out” de Simon Rich, o qual também assina o roteiro da produção. Sua história acompanha o judeu Herschel Greenbaum (Rogen) como imigrante nos Estados Unidos em 1919. Trabalhando em uma fábrica de picles, Herschel cai acidentalmente em um tanque da produção onde fica preso durante 100 anos. Ao ser encontrado, ele busca conexões com sua família formada somente pelo bisneto Ben Greenbaum (Rogen  novamente), falhando em todas tentativas de aproximação. 

Como um comediante extremamente popular por filmes como ‘É o Fim’ e ‘A Entrevista’, Seth Rogen costuma assinar seus projetos no cinema com toques de improviso, o que ele mesmo admitiu como muito difícil de ser feito em ‘An American Pickles’ devido à duplicidade de papéis. Contracenando majoritariamente consigo mesmo, Rogen apresenta uma performance satisfatória, auxiliado principalmente por sua caracterização. O único problema da dinâmica entre os dois papeis é a densidade dramática linear quando ambos personagens brigam, sem diferir um do outro, parecendo uma espécie de diálogo com o espelho. 

Já a trama em si consegue aprofundar muito bem os dois personagens com conflitos pessoais bem desenvolvidos. Sua previsibilidade se baseia na perseguição entre Ben e Herschel e nos próximos passos desta briga de egos, entretanto, as situações cômicas e próximas da realidade tornam o enredo fácil de ser acompanhado, mesmo que não surpreenda em suas escolhas. 

RELIGIÃO, POLÍTICA E UM CICLO REPETITIVO 

Dirigido pelo estreante Brandon Trost, “An American Pickle” apresenta uma ampla abordagem de temáticas mais sérias. A melhor parte do humor e ironia misturados com situações cotidianas é a exclusão da necessidade de se reafirmar como um filme muito engraçado ou que defende causas. Suas críticas são feitas de forma rápida e moderada, mas nada superficial principalmente devido à frequência durante toda produção. 

Desde as condições de sua imigração, Herschel aborda amplamente a cultura como judeu e até mesmo o preconceito velado sobre. De forma muito simpática, “An American Pickle” consegue desenrolar a presença da religião e sua importância para a vida de Herschel e Ben sem parecer piegas ou ter um ar de salvação como em ‘Deus Não Está Morto’. Aqui, a religião aparece também como exemplo de pertencimento, cultura e ancestralidade, sendo o elemento que consegue realizar a conexão entre duas pessoas tão distintas 

Além disso, o filme ainda consegue fazer algumas referências à realidade como Herschel, realizando afirmações estúpidas e preconceituosas, mas sendo apoiado por várias pessoas por ser alguém verdadeiro e autêntico. O ponto alto desta narrativa sobre o personagem ter costumes e a mentalidade de 100 anos atrás é justamente o apoio popular sobre ideias ultrapassadas e mesmo a forma como ele facilmente se torna um exemplo, cogitado até a concorrer a cargos políticos. 

Para aqueles que acompanham o trabalho de Seth Rogen este torna-se um trabalho muito interessante, principalmente, por investir em um humor “inofensivo” com classificação indicativa bem abaixo do padrão de Rogen. Embora ‘An American Pickle’ não seja um filme genial, ele também não chega a ser uma total perda de tempo. Investindo fortemente na temática sobre família e no humor ácido, definitivamente é um filme divertido de ser assistido, mesmo sem poder esperar grandes surpresas positivas. 

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...