O cineasta Zack Snyder adora violência. Ora, ele foi o sujeito que fez o Superman torcer o pescoço de um cara e, uma cena depois, fazer uma piadinha. Ele fez o Batman jogar caixotes e carros em cima de bandidos e fez a Mulher-Maravilha pulverizar um cara e inspirar uma garotinha ao mesmo tempo. Era perceptível o seu deleite visual quando ele mostrou espartanos trucidando persas em 300 (2007). Ora, a violência estava lá no seu primeiro longa, Madrugada dos Mortos (2004), seu remake do clássico O Despertar dos Mortos (1978) de George Romero que trocou os zumbis lentos pelos rápidos e a crítica social pela ação desenfreada.

Snyder passou por uma fase ruim nos últimos anos: depois de ser elogiado pelos seus primeiros trabalhos, se aventurou como arquiteto do universo dos super-heróis DC no cinema, onde a sua visão não foi tão bem aceita. O Homem de Aço (2013) e Batman vs Superman (2016) dividiram opiniões, Snyder começou a ter desavenças com o estúdio Warner, sua jovem filha Autumn cometeu suicídio e ele então deixou o projeto Liga da Justiça, que foi completado por outros e foi aquela coisa de que todos lembramos. Há alguns meses vimos a versão dele de Liga da Justiça, um filme do qual se pode até reclamar, mas que representava 100% a visão autoral de Snyder. Mesmo feliz por lançar o filme, percebia-se pelas suas entrevistas o seu cansaço por lidar com o estúdio e toda a maquinaria que cerca os filmes de super-heróis. Ele quis dar uma relaxada. Quis voltar a matar gente na tela sem ser criticado. E qual o tipo de filme em que se pode matar muita gente e não ouvir reclamação? Ora, um de zumbis.

Army of the Dead: Invasão em Las Vegas é o seu descanso depois de aguentar a Warner e alguns fãs de HQs. Foi produzido pela Netflix, que deu a ele e à sua esposa Deborah, produtora, liberdade total. Snyder é o diretor de fotografia do filme e foi também o operador de câmera. De certa forma é o seu Roma (2018): se depois de fazer um dos Harry Potter e Gravidade (2013) Alfonso Cuáron voltou para a menor escala com um projeto pequeno e pessoal, Zack Snyder fez o mesmo aqui – claro, do seu jeito – criando um filme maluco repleto de citações às suas influências cinematográficas e com sangue, ação e humor. E humor era algo de que seus filmes com os heróis DC precisavam desesperadamente.

No filme, Las Vegas foi dominada por uma praga zumbi que transformou todos os seus habitantes em mortos-vivos. A cidade foi isolada e murada – tal e qual Fuga de Nova York (1981) de John Carpenter. Quando ela está prestes a ser destruída por um míssil nuclear – no 4 de julho, para aumentar os fogos de artifício! – um grupo de mercenários liderados por Scott Ward (Dave Bautista) se infiltra na cidade para recuperar uma fortuna escondida no cofre de um cassino. O filme é também o Onze Homens e um Segredo (2001) do Zack Snyder. Com zumbis e armas.

RESGATE DA FAGULHA INICIAL

Army of the Dead começa bem, com diálogos engraçados e uma sequência de créditos de abertura criativa e irreverente – Snyder se mostrou um artesão desse tipo de abertura que hoje é praticamente uma arte perdida, exceto pelos filmes de James Bond. Um dos melhores momentos da carreira do cineasta continua sendo a abertura de Madrugada ao som de Johnny Cash e com imagens do fim do mundo. Army of the Dead tem a nova versão daquela abertura, mas com breguice, fonte cor-de-rosa para os títulos e humor negro. É o momento mais legal do filme.

E claro, quando a ação começa o filme é divertido – o longa de Snyder mais simplesmente divertido e sem parecer deprê desde… Bem, desde Madrugada. Cineastas muitas vezes sentem a necessidade de voltar ao começo, ao básico, para relaxar, recarregar as baterias, e esse obviamente foi o interesse do diretor aqui. Ele é auxiliado nisso por um bom elenco: Bautista, com seu ar de “triste homem forte”, carrega o filme; Garret Dillahunt se diverte com um sujeito obviamente “traíra” dentro da expedição; Matthias Schweighöfer faz o nerd engraçado com a missão de abrir o cofre e a carismática Tig Notaro rouba algumas cenas como a “pessoa do helicóptero”. Mas mesmo eles perdem para o tigre zumbi, “sobra de Siegfried & Roy” que permite a Snyder colocar o seu toque demente na recriação da cena mais famosa de O Regresso (2015).

Snyder também reverencia a si mesmo na cena do elevador – copiada de Madrugada – e chupa muitos dos elementos narrativos de Aliens: O Resgate (1986) de James Cameron. Personagens, diálogos e situações inteiras vêm do longa de Cameron, só falta a Snyder ter o talento narrativo do seu ídolo. Afinal, seus personagens são esquemáticos demais e o filme é muito raso. Apesar de sabermos que o diretor está se divertindo e de o filme ter realmente boas cenas, ele acaba não sendo tão legal quanto poderia porque, com 2h28 minutos, é simplesmente inchado demais. Snyder nos faz esperar muito pela “parte boa” e, além disso, parece não saber mais pensar pequeno, diminuir as coisas e acrescentar leveza. Apesar de que só na Hollywood maluca de hoje um filme como Army of the Dead pode ser considerado um esforço menor. Apenas quando se leva em conta os trabalhos imediatamente anteriores do diretor é que o absurdo da situação fica claro.

Porém, nota-se claramente que Zack Snyder realmente leva a sério as cenas entre o herói e sua filha (Ella Purnell). Os atores atuam bem nas cenas entre eles e o diretor as filma com uma delicadeza quase insuspeita, em se tratando de quem é. São os raros momentos em que Army of the Dead fica um pouco menor, e isso é compreensível devido ao que Snyder e sua família passaram. Mesmo assim, a exemplo do seu recente Liga da Justiça, Army of the Dead não deve conquistar novos admiradores para o diretor. É excessivo, raso, um filme de cineasta “meninão” mesmo – eu particularmente teria mais simpatia por ele se se assumisse como meninão, ao invés de querer posar de adulto. Ainda assim, é a primeira vez em muito tempo em que não é uma tarefa tão pesada assistir a um filme de Zack Snyder. Brincando de cinema e relaxando com sangue e tripas, ele até recupera um pouco da fagulha que tinha no início da carreira. Bem, no fim das contas, cada pessoa relaxa do seu jeito…

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...

‘Benzedeira’: encontro da estética fílmica com o brilho do protagonista

“Benzedeira”, curta documentário de Pedro Olaia e San Marcelo, é um bom exemplo de como uma narrativa aparentemente simples ganha outra dimensão no audiovisual ao se apropriar de recursos da linguagem para destacar o que há de melhor no tema abordado.  Aqui, a direção...

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...