Aruanas” surge em um momento oportuno da história brasileira. Escrita por Estela Renner e Marcos Nisti, a série discute a questão ambiental envolvendo o uso de agrotóxicos despejados na natureza e o garimpo ilegal. Tudo isso envolto de mulheres fortes, ativismo e uma trama fluida. 

Apesar de ter traços do melodrama típico das novelas globais, a produção se mostra madura quanto à construção narrativa e o desenvolvimento dos personagens. É interessante perceber como os indivíduos presentes na trama central são multifacetados e complexos.  

Estas qualidades carentes na teledramaturgia contemporânea da emissora tem sido um dos pontos fortes dos produtos apresentados exclusivamente no GloboPlay. A plataforma de streaming da Globo possibilita a experimentação e a expansão do conteúdo audiovisual para além da TV convencional. Prova disso são foram as excelentes “Assédio” e “Sob Pressão”. 

DISTÂNCIA DE MANIQUEÍSMOS 

Uma das maiores conquistas de “Aruanas” está em seu texto. Longe de ser panfletário e didático, o roteiro de Renner e Nisti conduz à reflexão. Os dez episódios tocam em aspectos fundamentais para a discussão da exploração desenfreada dos recursos naturais, destacando desde a base da cadeia exploratória até a politicagem e projetos votados na calada da noite, passando pela questão indígena e a burocracia do judiciário.  

Dessa forma, a série consegue apresentar lados distintos do conflito ecológico, desenhando a cadeia intrincada que permeia o crime na Amazônia. Isso poderia lhe conferir um estigma enfadonho ou irreal, como outras produções já o fizeram, entretanto, o roteiro alcança a atenção do público e o mantém intrigado e atraído por descobrir o próximo passo das ativistas. Parte disso se deve ao subtexto e a pitada do gênero policial capaz de promover reviravoltas e acontecimentos enérgicos.  

Contando com grandes nomes da dramaturgia nacional, “Aruanas” também acerta na complexidade de seus personagens. Cada uma das ativistas é moldada de acordo com o olhar que possui sobre o ambientalismo e a luta social. Isso se torna perceptível conforme o público adentra no mundo particular de cada uma delas: Luisa (Leandra Leal), Natalie (Debora Falabella) e Verônica (Tais Araújo) são as heroínas da história, mas longe de serem perfeitas ou idealizadas.  

As três possuem falhas e representam temas importantes e atuais para serem discutidos em relação à mulher contemporânea, como gravidez interrompida, guarda compartilhada, violência contra mulher e sororidade. Os roteiristas são eficazes em não mostrá-las como imaculadas, mas com contradições e tribulações identificáveis. Isso só traz ganhos, já que humaniza “Aruanas” e a afasta do tom piegas e maniqueísta.  

Nesse sentido, é importante destacar a sensível interpretação de Luiz Carlos Vasconcelos. Ele dá vida ao vilão Miguel, o qual, ao mesmo tempo, em que é um homem de negócios inescrupuloso, dedica todo o carinho e afinco à neta com paralisia cerebral e todos aqueles que fazem bem a menina. A interpretação de Vasconcelos adiciona uma faceta interessante ao personagem, levando muitas vezes ao questionar se suas atitudes não seriam mais relevantes que as desconfianças dos ativistas.  

 PRESENÇA LOCAL

E é claro que não poderia falar de “Aruanas” sem citar a presença amazônida na trama. Rodada em Manacapuru e Iranduba, municípios da região metropolitana de Manaus, bate um contentamento ao assistir e identificar as locações como o Porto das duas cidades, o hotel que fica na avenida principal de Manacapuru e até mesmo o desativado “Eduardinho” utilizado na série como “o terminal 3 de Guarulhos”. 

Entretanto, nada é mais satisfatório do que ver os nossos artistas ao lado dos reconhecidos atores globais. Embora com participações pequenas, os atores locais defenderam com afinco seus personagens e mostraram que no Amazonas há intérpretes de qualidade tanto quanto em qualquer região do país. 

Destaco, principalmente, Italo Rui e Isabela Catão que conseguiram passar tridimensionalidade e complexidade como o suposto assassino do jornalista e a esposa do comunicador, respectivamente. A dupla vem se sobressaindo em produções locais e evidencia, em “Aruanas”, que ainda há muito potencial a ser explorado. São dois nomes a estar atento. 

Aruanas” é uma série imprescindível para o atual contexto político e vem sem ter amarras ou estar em cima do muro. A produção quer passar a sua mensagem e gritar em prol dos ativistas e do meio ambiente e é isso que faz mantendo seu equilíbrio entre a arte e a ideologia. Sem ser piegas ou forçada, ela também evidencia novos rumos para as produções do Globoplay. 

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...

‘Pacificador’: James Gunn mostra a chave do sucesso para a DC

Às vezes, a sensação que Pacificador desperta é de ver alguém brincando com bonecos – ou melhor, action figures, como eles são conhecidos hoje. Esse alguém é o criador, produtor-executivo e diretor de quase todos os episódios, James Gunn. E ele brinca enquanto ouve...