O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como uma obra curta e grossa sobre um momento sombrio da história do país, que serve como registro e soco no estômago.

É um filme simples, mas que talvez seja efetivo por causa dessa simplicidade. Ele conta, em uns 15 minutos de duração, a trajetória do jornalista e pesquisador Dermi Azevedo, que reconta um pouco da sua vida em suas próprias palavras. Ele hoje está fragilizado pela idade e pelo mal de Parkinson, mas sua mente está bem ativa. Nós o ouvimos falar brevemente sobre sua infância, sobre o despertar da sua consciência política e sobre a época de repressão pela ditatura militar. Ele fala das prisões, das torturas, da agressão terrível a que seu filho foi submetido – detalhe, ele era uma criança à época – e do seu horror de hoje, ao ver muita gente ignorante, e alguns nem tanto, falando do período da ditadura com saudosismo e flertando com o fascismo.

A fala de Azevedo é acompanhada por imagens de arquivo selecionadas e montadas pelos diretores – Rossi é creditado pela montagem. Às vezes, o casamento entre a fala do entrevistado e a imagem na tela é bem “jornalístico”, ou seja, óbvio, por assim dizer: Cenas de violência e repressão policial quando ele começa a falar da ditadura, por exemplo. Em outros momentos, os diretores se permitem serem mais expressionistas nessa associação. Em dado momento, vemos cenas de guerras e destruição, e fotos em sequência como num daguerreotipo. Arranhões típicos de uma fita VHS desgastada percorrem boa parte do curta, como se ele fosse mesmo uma produção feita há muitos anos, o que ajuda nessa sensação de registro e a mexer com o emocional do público.

TRISTE REPETIÇÃO DA HISTÓRIA

E o efeito emocional do curta é bem forte. É um filme sombrio, claro, mas sem ser mão-pesada e apropriado ao contexto da sua narrativa. Quando finalmente vemos o rosto de Dermi Azevedo, enquadrado de perfil, depois de vários minutos ouvindo apenas a sua voz pesarosa, o efeito é de um baque. Baque porque os diretores e a imagem conseguem captar o peso de um homem que viveu um dos piores períodos da história do Brasil, e hoje assiste com desgosto renovado a muitas pessoas, incluindo o Presidente da República, relativizando o período da ditadura, e outros segmentos da sociedade desejosos de uma repetição disso.

LEIA TAMBÉM: Crítica – “Narciso em Férias”: a violência brasileira em resposta à poesia

Talvez o filme pudesse ser mais detalhado, ou explorar ainda mais seu personagem, porém, mesmo assim, o curta cumpre o seu papel. A função de registro é uma das mais importantes do cinema, e Atordoado, Eu Permaneço Atento se constitui numa obra forte que propõe uma reflexão sobre o Brasil de um passado recente e sobre um possível futuro sombrio que se aproxima. É um filme inquietante, do jeito que precisava ser.

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...