O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como uma obra curta e grossa sobre um momento sombrio da história do país, que serve como registro e soco no estômago.

É um filme simples, mas que talvez seja efetivo por causa dessa simplicidade. Ele conta, em uns 15 minutos de duração, a trajetória do jornalista e pesquisador Dermi Azevedo, que reconta um pouco da sua vida em suas próprias palavras. Ele hoje está fragilizado pela idade e pelo mal de Parkinson, mas sua mente está bem ativa. Nós o ouvimos falar brevemente sobre sua infância, sobre o despertar da sua consciência política e sobre a época de repressão pela ditatura militar. Ele fala das prisões, das torturas, da agressão terrível a que seu filho foi submetido – detalhe, ele era uma criança à época – e do seu horror de hoje, ao ver muita gente ignorante, e alguns nem tanto, falando do período da ditadura com saudosismo e flertando com o fascismo.

A fala de Azevedo é acompanhada por imagens de arquivo selecionadas e montadas pelos diretores – Rossi é creditado pela montagem. Às vezes, o casamento entre a fala do entrevistado e a imagem na tela é bem “jornalístico”, ou seja, óbvio, por assim dizer: Cenas de violência e repressão policial quando ele começa a falar da ditadura, por exemplo. Em outros momentos, os diretores se permitem serem mais expressionistas nessa associação. Em dado momento, vemos cenas de guerras e destruição, e fotos em sequência como num daguerreotipo. Arranhões típicos de uma fita VHS desgastada percorrem boa parte do curta, como se ele fosse mesmo uma produção feita há muitos anos, o que ajuda nessa sensação de registro e a mexer com o emocional do público.

TRISTE REPETIÇÃO DA HISTÓRIA

E o efeito emocional do curta é bem forte. É um filme sombrio, claro, mas sem ser mão-pesada e apropriado ao contexto da sua narrativa. Quando finalmente vemos o rosto de Dermi Azevedo, enquadrado de perfil, depois de vários minutos ouvindo apenas a sua voz pesarosa, o efeito é de um baque. Baque porque os diretores e a imagem conseguem captar o peso de um homem que viveu um dos piores períodos da história do Brasil, e hoje assiste com desgosto renovado a muitas pessoas, incluindo o Presidente da República, relativizando o período da ditadura, e outros segmentos da sociedade desejosos de uma repetição disso.

LEIA TAMBÉM: Crítica – “Narciso em Férias”: a violência brasileira em resposta à poesia

Talvez o filme pudesse ser mais detalhado, ou explorar ainda mais seu personagem, porém, mesmo assim, o curta cumpre o seu papel. A função de registro é uma das mais importantes do cinema, e Atordoado, Eu Permaneço Atento se constitui numa obra forte que propõe uma reflexão sobre o Brasil de um passado recente e sobre um possível futuro sombrio que se aproxima. É um filme inquietante, do jeito que precisava ser.

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...