Com duas indicações ao Oscar e uma filmografia marcante, Jessica Chastain (‘A Hora Mais Escura’ e ‘A Grande Jogada’) definitivamente pode ser considerada um dos grandes nomes de sua geração. Entretanto, nem só de bons trabalhos são feitos atores importantes e, recentemente, a atriz tem aparecido em títulos nada gratificantes (‘It: Capítulo 2’ e ‘X-Men: Fênix Negra’). Infelizmente, ‘Ava’ é mais uma dessas bombas. Por maior que seja o carisma dela, a trama de ação não apresenta nada de novo para seu gênero nem mesmo servindo como uma diversão inofensiva. 

Na trama, Chastain é a assassina profissional Ava, a qual trabalha em uma organização secreta. Sua rotina consiste em viajar ao redor do mundo realizando execuções de forma sutil e objetiva, entretanto, questionamentos pessoais sobre seus alvos começam a criar um conflito entre seus superiores Simon (Colin Farrell) e Duke (John Malkovich), colocando sua vida em risco. Ao mesmo tempo, Ava volta visita a família e encara antigos problemas. 

Nesta tentativa de aliar a vida pessoal e profissional de Ava, o filme dirigido por Tate Taylor (‘Histórias Cruzadas’) comete uma sequência de erros, sendo o principal confiar toda trama no desempenho de seu elenco. Sim, existem bons momentos de Chastain sozinha e com o restante dos personagens principais, entretanto, as atuações não possuem um bom roteiro para justificá-las. Tudo que é apresentado sobre a vida particular de Ava soa superficial, sendo o maior problema um personagem o qual nem sequer aparece enquanto a profissão de assassina fica restrita às cenas de ação. 

INCAPAZ DE ENTRETER 

Desta forma, cenas boas como o diálogo entre Ava e sua mãe (Geena Davis) se perdem na narrativa mal organizada, restando o enorme carisma de Chastain, o qual também não consegue ocultar todos problemas da produção. Colin Farrell e John Malkovich são outra grande contribuição para o elenco mal aproveitado, além dos bons diálogos entre si, a dupla é capaz de dar vida a uma cena de ação aparentemente simples e sem grandes novidades em relação a outros momentos do longa. 

Se nem mesmo os grandes nomes do elenco conseguem salvar o filme, a trama desinteressante o joga de vez para o hall de péssimas escolhas de Chastain. Desde a primeira cena, o roteiro não toma cuidado em criar um diálogo mais maduro ou convincente, dando o tom para a narrativa. Tal escolha pelo óbvio se torna bem comum principalmente quando Ava se encontra na trama de triângulo amoroso com o antigo namorado e sua irmã. Isso mesmo, além de não impressionar nas cenas de ação, o filme também apela para clichês novelescos para continuar com sua história até o fim com direito a triângulos amorosos e revelações de gravidez repentina. 

Apesar de todos os problemas acima citados, ‘Ava’ é uma produção bem honesta, sabendo de sua dificuldade para manter o interesse em cenas de ação, o principal confronto de Ava não é alongado demasiadamente. No geral, tenho a impressão de que a real proposta do longa não é abordar os conflitos pessoais e profissionais da personagem, mas sim ser um filme de ação protocolar com uma protagonista feminina. Entretanto, qualquer que seja o objetivo, o longa falha em suas tentativas pois não consegue fazer o mínimo: entreter o público. 

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...