Encontrar seu lugar no mundo é dureza, mas fazer isso sendo uma garota do tradicional povo indígena Mohawk, no Canadá dos anos 1990, requer nervos de aço. “Beans”, primeiro longa-metragem de Tracey Deer, aborda a identidade e os direitos indígenas através das lentes de um drama adolescente. O filme, que estreou no último Festival de Toronto e foi exibido na mostra Generation da Berlinale esse ano, conta uma história delicada – ainda que convencional – que tem potencial para se sair bem no circuito de arte. 
 
Beans” (“Feijões” em inglês) é o apelido que o personagem-título, interpretada pela adolescente Kiawentiio, usa no lugar de Tekehentahkhwa – seu nome verdadeiro. No limiar da adolescência e cheia de questões identitárias por ser birracial, ela está dividida sobre se deveria deixar a reserva Mohawk para continuar seus estudos. Repentinamente, ela é envolvida em um impasse armado entre os indígenas e as comunidades brancas vizinhas sobre o controle da reserva. O incidente, que ficou conhecido como Crise Oka, acabou levando ao isolamento e hostilidade aos habitantes da reserva, bem como a uma luta por sobrevivência. 
 
A performance de Kiawentiio como a protagonista é a força emocional do filme, mesmo nos momentos em que seu papel tem uma função didática. Em suas mãos, Beans é uma garota carismática e educada tentando se encaixar em um mundo violento.O roteiro, escrito por Deer e Meredith Vuchnichl, não perde tempo em estabelecê-la como alguém que tem dificuldade em se manter firme e se defender. Com isso em mente, o fato dela ter de suportar uma situação de cerco ganha um contorno simbólico, mas também um pouco superficial. 

UNIÃO FEMININA 

 
A sensibilidade de Deer como alguém que, como Beans, viveu a Crise Oka no início da adolescência, ganha vida em cenas poderosas e continua sendo uma das maiores qualidades do longa. O ataque dos manifestantes ao carro da mãe da protagonista, por exemplo, é um exercício de pavor e brutalidade. Outro momento, no qual Beans descobre o prazer de falar palavrões – é mais sutil, mas não menos impactante. 
 
Como o filme é centrado no ponto de vista do personagem-título, o conflito armado entre brancos e indígenas serve mais como um pano de fundo temático do que qualquer outra coisa. Essa decisão narrativa sacrifica um pouco de profundidade histórica, mas permite uma perspectiva energicamente feminina. 
 
O relacionamento de Beans com a durona April (Paulina Alexis), nascido do desejo de se adaptar a um ambiente hostil, é um excelente retrato de união feminina. A relação que ela tem com a mãe, que simboliza a luta em querer ser abraçado mantendo intacta a sua essência, também é bem explorada. Meninos eventualmente se tornam um tópico – como seria de se esperar – mas parece narrativamente honesto e não ameaça os resultados do teste de Bechdel deste filme. 
 
Em um certo ponto, April começa a espancar Beans para endurecê-la. No entanto, o foco da filme de Tracey Deer é a violência psicológica pela qual uma pessoa passa ao crescer como parte de uma minoria e a superação que a permite tornar-se quem ela realmente é.  

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...