Encontrar seu lugar no mundo é dureza, mas fazer isso sendo uma garota do tradicional povo indígena Mohawk, no Canadá dos anos 1990, requer nervos de aço. “Beans”, primeiro longa-metragem de Tracey Deer, aborda a identidade e os direitos indígenas através das lentes de um drama adolescente. O filme, que estreou no último Festival de Toronto e foi exibido na mostra Generation da Berlinale esse ano, conta uma história delicada – ainda que convencional – que tem potencial para se sair bem no circuito de arte. 
 
Beans” (“Feijões” em inglês) é o apelido que o personagem-título, interpretada pela adolescente Kiawentiio, usa no lugar de Tekehentahkhwa – seu nome verdadeiro. No limiar da adolescência e cheia de questões identitárias por ser birracial, ela está dividida sobre se deveria deixar a reserva Mohawk para continuar seus estudos. Repentinamente, ela é envolvida em um impasse armado entre os indígenas e as comunidades brancas vizinhas sobre o controle da reserva. O incidente, que ficou conhecido como Crise Oka, acabou levando ao isolamento e hostilidade aos habitantes da reserva, bem como a uma luta por sobrevivência. 
 
A performance de Kiawentiio como a protagonista é a força emocional do filme, mesmo nos momentos em que seu papel tem uma função didática. Em suas mãos, Beans é uma garota carismática e educada tentando se encaixar em um mundo violento.O roteiro, escrito por Deer e Meredith Vuchnichl, não perde tempo em estabelecê-la como alguém que tem dificuldade em se manter firme e se defender. Com isso em mente, o fato dela ter de suportar uma situação de cerco ganha um contorno simbólico, mas também um pouco superficial. 

UNIÃO FEMININA 

 
A sensibilidade de Deer como alguém que, como Beans, viveu a Crise Oka no início da adolescência, ganha vida em cenas poderosas e continua sendo uma das maiores qualidades do longa. O ataque dos manifestantes ao carro da mãe da protagonista, por exemplo, é um exercício de pavor e brutalidade. Outro momento, no qual Beans descobre o prazer de falar palavrões – é mais sutil, mas não menos impactante. 
 
Como o filme é centrado no ponto de vista do personagem-título, o conflito armado entre brancos e indígenas serve mais como um pano de fundo temático do que qualquer outra coisa. Essa decisão narrativa sacrifica um pouco de profundidade histórica, mas permite uma perspectiva energicamente feminina. 
 
O relacionamento de Beans com a durona April (Paulina Alexis), nascido do desejo de se adaptar a um ambiente hostil, é um excelente retrato de união feminina. A relação que ela tem com a mãe, que simboliza a luta em querer ser abraçado mantendo intacta a sua essência, também é bem explorada. Meninos eventualmente se tornam um tópico – como seria de se esperar – mas parece narrativamente honesto e não ameaça os resultados do teste de Bechdel deste filme. 
 
Em um certo ponto, April começa a espancar Beans para endurecê-la. No entanto, o foco da filme de Tracey Deer é a violência psicológica pela qual uma pessoa passa ao crescer como parte de uma minoria e a superação que a permite tornar-se quem ela realmente é.  

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...

‘Nö’: anticomédia romântica dos dilemas da geração millenium

O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em "Nö", nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de...

‘O Culpado’: Jake Gyllenhaal caricato em remake desnecessário

O cinema é uma arte que permite constante reinvenção. E isso facilita a compreensão da prática comum de Hollywood que perdura até os dias de hoje. É natural vermos a indústria norte-americana reexplorar a ideia de uma produção audiovisual de outros países, seja ela...