Encontrar seu lugar no mundo é dureza, mas fazer isso sendo uma garota do tradicional povo indígena Mohawk, no Canadá dos anos 1990, requer nervos de aço. “Beans”, primeiro longa-metragem de Tracey Deer, aborda a identidade e os direitos indígenas através das lentes de um drama adolescente. O filme, que estreou no último Festival de Toronto e foi exibido na mostra Generation da Berlinale esse ano, conta uma história delicada – ainda que convencional – que tem potencial para se sair bem no circuito de arte. 
 
Beans” (“Feijões” em inglês) é o apelido que o personagem-título, interpretada pela adolescente Kiawentiio, usa no lugar de Tekehentahkhwa – seu nome verdadeiro. No limiar da adolescência e cheia de questões identitárias por ser birracial, ela está dividida sobre se deveria deixar a reserva Mohawk para continuar seus estudos. Repentinamente, ela é envolvida em um impasse armado entre os indígenas e as comunidades brancas vizinhas sobre o controle da reserva. O incidente, que ficou conhecido como Crise Oka, acabou levando ao isolamento e hostilidade aos habitantes da reserva, bem como a uma luta por sobrevivência. 
 
A performance de Kiawentiio como a protagonista é a força emocional do filme, mesmo nos momentos em que seu papel tem uma função didática. Em suas mãos, Beans é uma garota carismática e educada tentando se encaixar em um mundo violento.O roteiro, escrito por Deer e Meredith Vuchnichl, não perde tempo em estabelecê-la como alguém que tem dificuldade em se manter firme e se defender. Com isso em mente, o fato dela ter de suportar uma situação de cerco ganha um contorno simbólico, mas também um pouco superficial. 

UNIÃO FEMININA 

 
A sensibilidade de Deer como alguém que, como Beans, viveu a Crise Oka no início da adolescência, ganha vida em cenas poderosas e continua sendo uma das maiores qualidades do longa. O ataque dos manifestantes ao carro da mãe da protagonista, por exemplo, é um exercício de pavor e brutalidade. Outro momento, no qual Beans descobre o prazer de falar palavrões – é mais sutil, mas não menos impactante. 
 
Como o filme é centrado no ponto de vista do personagem-título, o conflito armado entre brancos e indígenas serve mais como um pano de fundo temático do que qualquer outra coisa. Essa decisão narrativa sacrifica um pouco de profundidade histórica, mas permite uma perspectiva energicamente feminina. 
 
O relacionamento de Beans com a durona April (Paulina Alexis), nascido do desejo de se adaptar a um ambiente hostil, é um excelente retrato de união feminina. A relação que ela tem com a mãe, que simboliza a luta em querer ser abraçado mantendo intacta a sua essência, também é bem explorada. Meninos eventualmente se tornam um tópico – como seria de se esperar – mas parece narrativamente honesto e não ameaça os resultados do teste de Bechdel deste filme. 
 
Em um certo ponto, April começa a espancar Beans para endurecê-la. No entanto, o foco da filme de Tracey Deer é a violência psicológica pela qual uma pessoa passa ao crescer como parte de uma minoria e a superação que a permite tornar-se quem ela realmente é.  

‘Social Hygiene’: distanciamento social físico e metafórico em filmaço

Um filme que reflete perfeitamente os tempos pandêmicos, "Social Hygiene", de Denis Côté, é uma produção que dá um significado completamente novo ao termo "distanciamento social". O longa tornou seu realizador um dos ganhadores do prêmio de Melhor Diretor da...

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...