Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por exemplo, algumas produções recentes como “The Discovery”, “Rememory” (filme de Mark Palansky estrelado por Peter Dinklage) e “Corra!” buscam explorar facetas diferentes da mente humana. Emmanuel Osei-Kuffour bebe delas em “Black Box”, primeira parceria entre a Amazon e a Blumhouse.

O diretor cria uma trama carregada de mistérios em um terror psicológico que se prende a memórias e perdas. Acompanhamos Nolan (Mamoudou Athie), um homem que saiu do coma recentemente, após sofrer um acidente de carro que tirou a vida de sua esposa. Ele tem alguns lapsos em sua memória e conta com a ajuda da filha (Amanda Christine) para lidar com questões comuns do dia-a-dia.

Partindo dessa premissa, Osei-Kuffour procura abraçar o lado tecnológico da busca por lembranças, o que suscita questões muito maiores como a ética médica e limites passionais. Tais discussões alçam “Black Box” a uma ficção cientifica aproximada dos romances de Bradbury e ao que vemos em “Black Mirror”, até mesmo algumas cenas remetem ao já visto na série da Netflix.

O roteiro de Stephen Herman, Wade Allain-Marcus e o próprio Emmanuel Osei-Kufforur ambienta a produção como se estivéssemos constantemente na confusa mente de Nolan e é preciso estar atento ao que acontece para não se perder na trama. Em determinado momento, a realidade se funde ao inconsciente do protagonista e apenas elementos corriqueiros colocados na fotografia de Hilda Mercado nos fazem perceber até que ponto estamos diante de Nolan ou de sua mente.

SCI-FI E TERROR LADO A LADO

A diretora de fotografia nos coloca constantemente em um ambiente escuro e claustrofóbico, sutilmente é a tonalidade do design de produção que nos leva a ter noção de onde estamos. Enquanto está com a filha, por exemplo, as peças que envolvem o protagonista são verdes e um pouco alaranjadas. Já quando entramos em sua mente, o verde dá lugar ao azul e o laranja, ao amarelo. Isso é importante para nos nortearmos a grande virada de “Black Box”.

De certa forma, tanto os roteiristas quanto o diretor são ousados em colocar o plot twist no meio do filme. Por meio da hipnose e suas implicações, o roteiro é arquitetado para que esse momento consiga por tudo em seu lugar e nos fazer vislumbrar realmente a confusão que se estabeleceu na mente de Nolan após o acidente. E, apesar disso decorrer faltando meia hora para o seu término, a trama procura manter a tensão e os desdobramentos até os créditos finais subirem.

Um dos pontos mais interessantes é que isso também leva a conexão entre todos os personagens e o porquê de suas ações. Desde a menina que tem um zelo forte pelo pai a médica que parece querer ajudar pela simples visão sacra da medicina. Tudo está conectado e o elenco é maduro para ofertar essas nuances quando desconhecemos o que se passa e depois que todos os mistérios são revelados. No entanto, apesar de toda essa construção, “Black Box” passa a sensação de que seria melhor aproveitado se fosse o episódio de uma série.

Diante disso, é perceptível o quanto Osei-Kuffour tem a crescer e seu potencial tanto para a ficção cientifica quanto o terror psicológico. É um bom começo para a parceria da Blumhouse com o Prime Vídeo, resta saber o que nos reserva os próximos capítulos e que outros segredos o subconsciente tem a revelar.

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...

‘Nö’: anticomédia romântica dos dilemas da geração millenium

O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em "Nö", nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de...

‘O Culpado’: Jake Gyllenhaal caricato em remake desnecessário

O cinema é uma arte que permite constante reinvenção. E isso facilita a compreensão da prática comum de Hollywood que perdura até os dias de hoje. É natural vermos a indústria norte-americana reexplorar a ideia de uma produção audiovisual de outros países, seja ela...

‘Mother Schmuckers’: anarquia niilista repleta de deboche

"Mother Schmuckers" é um filme que desafia palavras, que dirá críticas. A produção dos irmãos Harpo e Lenny Guit é uma comédia de erros que envolve drogas, violência e todo o tipo de perversão sexual. Exibido nas mostras de meia-noite de Sundance, onde estreou, e do...

’007 – Sem Tempo para Morrer’: fim da era Craig volta a abalar estruturas da série

A franquia de filmes do agente secreto James Bond, o 007, já quase sessentona, virou uma instituição cinematográfica. E quando algo vira uma instituição não se pode mexer muito nela. Não é possível adentrá-la e começar a mudar as coisas de lugar ou fazer diferente do...