Desde que colocou um primeiro-ministro britânico de frente para um porco em uma situação nem um pouco agradável, Black Mirror cravou seu nome na cultura popular por trazer à tona histórias que jogavam seu olhar principalmente sobre as relações humanas e as influências (quase sempre) nefastas das tecnologias, fossem elas existentes ou não. Mesmo em seus momentos não tão bons assim, como The Waldo Moment, ainda assim havia algo a ser dito, como a reflexão sobre um sistema político e uma sociedade em frangalhos – alguém duvida que um Waldo realmente seria eleito nos dias de hoje? –, ou, mesmo nos momentos felizes de episódios como San Junipero, temas como as implicações de uma “vida após a morte” carregada em “super drives”.

Assim, a quinta temporada de Black Mirror chega novamente ao catálogo da Netflix quase como um retorno à forma dos primeiros episódios ainda dos tempos da TV britânica: se as duas temporadas anteriores foram mais recheadas e, consequentemente, também tiveram uma leva maior de tramas irregulares, esta opta por contar apenas três histórias, que levantam suas respectivas doses de questionamentos ao espectador. O resultado não chega a ser excelente, mas fica a sensação da tentativa do showrunner e roteirista Charlie Brooker em entregar tramas mais enxutas.

A falta de “firulas”, aliás, se revela também nas tecnologias que norteiam essas histórias: se Black Mirror já nos apresentou futuros distópicos e perturbadores e grandes aparatos revolucionários, aqui não há nada de novo nesse campo. Realidade virtual e inteligências artificiais já foram apresentadas antes pelo seriado, e um dos episódios se passa efetivamente em 2018, com redes sociais que lembram bem o Twitter e o Facebook nosso de cada dia.

Dito isso, vamos falar um pouco sobre cada episódio, e quem avisa amigo é: pode ser que haja doses homeopáticas de spoilers à frente.

“Striking Vipers”: “broderagem” tecnológica

De longe o melhor episódio da temporada, Striking Vipers é o que melhor balanceia as problemáticas que busca levantar e as implicações da tecnologia que apresenta nas relações dos personagens. De certo modo, é quase uma versão audiovisual do velho ditado de que se uma coisa existe, haverá uma versão pornô dela na internet: Danny (Anthony Mackie), casado, pai de um filho e tentando ter mais um com sua esposa Theo (Nicole Beharie), ganha de presente de seu velho amigo Karl (Yahya Abdul-Mateen II) um jogo de luta baseado em realidade virtual, em que ele e Karl encarnam personagens virtuais típicos de um game, com grandes músculos ou grandes seios, no caso das personagens femininas. Não leva muito tempo até que os dois resolvam experimentar o sexo através de seus respectivos avatares.

Embora o homoerotismo seja forte na relação entre Danny e Karl no decorrer do episódio, é interessante notar como a série apresenta seus protagonistas como homens que levam suas vidas “reais” com mulheres, mas que encontram o prazer um com o outro estritamente em suas versões virtuais e não na realidade – e, mesmo ali, mantêm uma relação ainda entre um homem e uma mulher. Os espectros da sexualidade dos personagens se tornam difusos e ganham nuances até fetichistas, levantando questionamentos sobre fidelidade, família e sobre a própria sensação física em si: até que ponto a realidade virtual é apenas uma pornografia mais sofisticada ou uma relação que emula perigosamente o real? O contraponto fica a cargo justamente de Theo, que gosta do flerte da vida real, de viver sua sexualidade e de ter seu corpo apreciado.

Entre cenários que emulam muito bem os games de luta a que já estamos acostumados e tomadas de uma cidade que aqui e ali conseguimos reconhecer como São Paulo, Striking Vipers pode apresentar um final feliz em sua superfície, mas que basta olhar um pouco mais para quebrar a cabeça sobre as possibilidades de novas dinâmicas familiares, sexuais e afetivas em um universo de realidade virtual.

“Smithereens” e o discurso dos males das redes sociais

“Vocês nem mesmo olham pra cima”, diz o motorista de aplicativo Chris (Andrew Scott) para o jovem millenial sequestrado por ele enquanto olhava o celular, em certo momento de Smithereens, o segundo episódio dessa temporada de Black Mirror. Chris tem um plano, e esse plano é conseguir falar com Billy Bauer, o grande CEO que comanda a rede social que dá nome ao episódio.

Embora o clima de tensão misturado com uma comédia de erros à la Irmãos Coen perpasse bem todo o episódio, ainda assim é meio desapontante ver que a discussão é encaminhada para o velho discurso de que as redes sociais são uma espécie de mal do século: pode não ser um debate completamente errado, mas é batido demais para uma série como Black Mirror apresentar uma visão quase rasa do assunto.

Talvez o mais interessante aqui seja justamente os bastidores da tal Smithereens da ficção: assim como as redes de Mark Zuckerberg detêm tantos dados sobre nós, os funcionários da empresa conseguem acesso aos dados de Chris sempre com mais rapidez e precisão que a própria polícia, lembrando-nos o quanto cedemos a empresas como essas na vida real ao simplesmente aceitarmos os termos de uso para ter um perfil no Facebook.

“Rachel, Jack and Ahsley Too”: o filme que poderia ser da Disney Channel

Dos mesmos criadores da lenda urbana de “Avril Lavigne morreu e foi substituída” (mentira), Rachel, Jack and Ashley Too poderia ser facilmente mais um filme da Disney Channel, embora em uma versão um pouco mais macabra do que o usual. A adolescente Rachel (Angourie Rice) enfrenta problemas de socialização em sua nova escola, mas encontra na boneca de inteligência artificial de sua ídola, a estrela pop Ashley O (Miley Cyrus), uma nova amiga para encorajá-la no dia-a-dia. Enquanto isso, a Ashley verdadeira se vê às voltas com um plano de sua tia e empresária para deixá-la inconsciente e se aproveitar de sua imagem.

Rachel, Jack and Ashley Too deve ser um dos episódios mais engraçados que Black Mirror já produziu: todo o ritmo e mesmo a trama parecem emprestados diretamente de um filme adolescente que poderia ser facilmente estrelado por Lindsay Lohan em seus dias de glória. Isso não é demérito nenhum: os tons de comédia são bem empregados, e mesmo que o discurso do pop como uma música sem alma seja levemente tingido aqui novamente, as possibilidades tecnológicas apresentadas pela trama para uma grande indústria musical sem escrúpulos são interessantes e perigosas ao mesmo tempo.

Embora aqui e ali seus personagens se tornem quase caricaturas – especialmente a vilã do episódio, encarnada da maneira mais maniqueísta e cínica possível –, esse episódio pode ser caracterizado com um adjetivo que raramente pode ser aplicado a Black Mirror: simplesmente divertido.

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...