Desde o início da pandemia do novo coronavírus, produções sobre doenças como ‘Contágio’ e ‘A Gripe’ rapidamente tornaram-se massivamente comentadas nas redes sociais. Mais uma vez, a vida imitando a arte se tornou real e, em busca de uma identificação, o público voltou-se para essas narrativas. Por esse lado, é certo afirmar que a estreia de ‘Boca a Boca’ na Netflix veio no momento mais propício possível, afinal, a produção brasileira fala justamente sobre um vírus transmissível por saliva.  Porém, apesar do timing ajudar a popularizar a série, é preciso ressaltar o ótimo trabalho de Esmir Filho em criar uma verdadeira experiência imersiva com um amplo debate sobre temáticas sociais fundamentais.

Em “Boca a Boca”, o contágio envolve majoritariamente os jovens, sendo quase um thriller adolescente. Tudo ocorre na cidade interiorana chamada Progresso, onde os jovens fogem para festas proibidas, desfrutando de tudo que lhes é proibido à luz do dia. Entretanto, após uma festa, Bel (Luana Nastas) é infectada com uma doença desconhecida, a qual aparentemente é transmitida pelo beijo, deixando nas mãos de seus amigos Fran (Iza Moreira), Chico (Michel Joelsas) e Alex (Caio Horowicz) descobrirem qual é a fonte da doença.

Criada por Esmir Filho (“Os Famosos e os Duendes da Mortes”  e ‘Alguma Coisa Assim’), que também divide a direção com Juliana Rojas (‘As Boas Maneiras’), “Boca a Boca” traz um delicioso contraste de uma trama futurista em uma cidade pequena e pacata maximizada através de toda a concepção visual – maquiagem e penteado, direção de fotografia e o design de produção – sonora através de excelente trilha sonora. Isso ajuda a criar uma dinâmica viciante nos seis episódios de 40 minutos.

Inconsistências do Roteiro

Logo nas primeiras cenas, somos bombardeados pelo beijaço que alastra a doença, reforçado pelas cores fortes e maquiagens marcantes. Só por este primeiro momento é muito difícil não associar a estética escolhida com a ótima série da HBO, ‘Euphoria’, porém, a trilha sonora nacional logo nos leva de volta para a narrativa de ‘Boca a Boca’. As músicas escolhidas, inclusive, são um ponto forte na narrativa: desde Letrux a Baco Exu do Blues, as canções contribuem para criar uma identificação com a atmosfera e os personagens.

Filmada na cidade de Goiás Velho, “Boca a Boca” utiliza muito bem o espaço bucólico para construir cenas surrealistas. Talvez o único grande incômodo na estética seja a concepção dos animais modificados geneticamente, além dos efeitos visuais ficarem a desejar: os momentos em que eles aparecem sempre são vistos através do recurso de found footage, filmados pelos próprios personagens, deixando algo que já não havia sido executado tão bem ainda mais confuso.

Já que estamos falando de decisões disfuncionais, é preciso repassar alguns momentos mal idealizados. No caso são pequenas incoerências absurdas demais para não notarmos. Ninguém, por exemplo, ainda havia percebido as montagens nas fotos de Manu? Como Maurílio não mostra nenhum sintoma da doença apesar de trabalhar diretamente com a suposta causa? Entendo que algumas perguntas ao longo do caminho podem servir de especulação para uma outra temporada, mas, essas citadas são essencialmente pontas soltas na narrativa assim como personagens que surgem e somem rapidamente de um lugar para outro.

Ordem, Progresso e um Padrão Sufocante

Ao abordar o cenário da cidade pequena com diversos segredos, Esmir Filho busca abrasileirar ao máximo Progresso. Dominada pela pecuária, o nome do local, além de remeter ao lema positivista da bandeira do país, serve também como trocadilho para ‘regresso’. Já o título, “Boca a Boca”, é uma metalinguagem para a transmissão da doença e também de ideias. Por fim, a diferença entre classes sociais amplamente abordada também começa com nomenclaturas em referência à história do Brasil com “sede e colônia.

O choque com esta rigidez da estrutura social advém do foco no protagonismo jovem, sendo a tecnologia, relacionamentos digitais e abertos entre eles, uma busca pela ruptura deste padrão sufocante. “Boca a Boca” aproveita esta via aberta para debater dilemas atuais do Brasil como as chagas da homofobia em momentos grandiosos entre Thomas Aquino e Michel Joelsas e também das diferenças de classes sociais através do ponto de vista de vários personagens e suas vivências em locais distintos

Quase como prevendo os dias de hoje, “Boca a Boca” ainda apresenta o caos trazido pela banalização da doença e das Fake News. Todos esses elementos combinados tornam este o trabalho mais imersivo de Esmir Filho até então. Tanto a história quanto o amplo arsenal de elementos visuais elevam uma série que poderia ser somente uma cópia de uma trama americana como a Netflix tão constantemente faz com produções estrangeiras. Entretanto, ‘Boca a Boca’ consegue superar as expectativas com suas temáticas propriamente brasileiras, sendo mais um ótimo título nacional na Netflix ao lado de “3%” e “Coisa Mais Linda”.

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...