Desde o início da pandemia do novo coronavírus, produções sobre doenças como ‘Contágio’ e ‘A Gripe’ rapidamente tornaram-se massivamente comentadas nas redes sociais. Mais uma vez, a vida imitando a arte se tornou real e, em busca de uma identificação, o público voltou-se para essas narrativas. Por esse lado, é certo afirmar que a estreia de ‘Boca a Boca’ na Netflix veio no momento mais propício possível, afinal, a produção brasileira fala justamente sobre um vírus transmissível por saliva.  Porém, apesar do timing ajudar a popularizar a série, é preciso ressaltar o ótimo trabalho de Esmir Filho em criar uma verdadeira experiência imersiva com um amplo debate sobre temáticas sociais fundamentais.

Em “Boca a Boca”, o contágio envolve majoritariamente os jovens, sendo quase um thriller adolescente. Tudo ocorre na cidade interiorana chamada Progresso, onde os jovens fogem para festas proibidas, desfrutando de tudo que lhes é proibido à luz do dia. Entretanto, após uma festa, Bel (Luana Nastas) é infectada com uma doença desconhecida, a qual aparentemente é transmitida pelo beijo, deixando nas mãos de seus amigos Fran (Iza Moreira), Chico (Michel Joelsas) e Alex (Caio Horowicz) descobrirem qual é a fonte da doença.

Criada por Esmir Filho (“Os Famosos e os Duendes da Mortes”  e ‘Alguma Coisa Assim’), que também divide a direção com Juliana Rojas (‘As Boas Maneiras’), “Boca a Boca” traz um delicioso contraste de uma trama futurista em uma cidade pequena e pacata maximizada através de toda a concepção visual – maquiagem e penteado, direção de fotografia e o design de produção – sonora através de excelente trilha sonora. Isso ajuda a criar uma dinâmica viciante nos seis episódios de 40 minutos.

Inconsistências do Roteiro

Logo nas primeiras cenas, somos bombardeados pelo beijaço que alastra a doença, reforçado pelas cores fortes e maquiagens marcantes. Só por este primeiro momento é muito difícil não associar a estética escolhida com a ótima série da HBO, ‘Euphoria’, porém, a trilha sonora nacional logo nos leva de volta para a narrativa de ‘Boca a Boca’. As músicas escolhidas, inclusive, são um ponto forte na narrativa: desde Letrux a Baco Exu do Blues, as canções contribuem para criar uma identificação com a atmosfera e os personagens.

Filmada na cidade de Goiás Velho, “Boca a Boca” utiliza muito bem o espaço bucólico para construir cenas surrealistas. Talvez o único grande incômodo na estética seja a concepção dos animais modificados geneticamente, além dos efeitos visuais ficarem a desejar: os momentos em que eles aparecem sempre são vistos através do recurso de found footage, filmados pelos próprios personagens, deixando algo que já não havia sido executado tão bem ainda mais confuso.

Já que estamos falando de decisões disfuncionais, é preciso repassar alguns momentos mal idealizados. No caso são pequenas incoerências absurdas demais para não notarmos. Ninguém, por exemplo, ainda havia percebido as montagens nas fotos de Manu? Como Maurílio não mostra nenhum sintoma da doença apesar de trabalhar diretamente com a suposta causa? Entendo que algumas perguntas ao longo do caminho podem servir de especulação para uma outra temporada, mas, essas citadas são essencialmente pontas soltas na narrativa assim como personagens que surgem e somem rapidamente de um lugar para outro.

Ordem, Progresso e um Padrão Sufocante

Ao abordar o cenário da cidade pequena com diversos segredos, Esmir Filho busca abrasileirar ao máximo Progresso. Dominada pela pecuária, o nome do local, além de remeter ao lema positivista da bandeira do país, serve também como trocadilho para ‘regresso’. Já o título, “Boca a Boca”, é uma metalinguagem para a transmissão da doença e também de ideias. Por fim, a diferença entre classes sociais amplamente abordada também começa com nomenclaturas em referência à história do Brasil com “sede e colônia.

O choque com esta rigidez da estrutura social advém do foco no protagonismo jovem, sendo a tecnologia, relacionamentos digitais e abertos entre eles, uma busca pela ruptura deste padrão sufocante. “Boca a Boca” aproveita esta via aberta para debater dilemas atuais do Brasil como as chagas da homofobia em momentos grandiosos entre Thomas Aquino e Michel Joelsas e também das diferenças de classes sociais através do ponto de vista de vários personagens e suas vivências em locais distintos

Quase como prevendo os dias de hoje, “Boca a Boca” ainda apresenta o caos trazido pela banalização da doença e das Fake News. Todos esses elementos combinados tornam este o trabalho mais imersivo de Esmir Filho até então. Tanto a história quanto o amplo arsenal de elementos visuais elevam uma série que poderia ser somente uma cópia de uma trama americana como a Netflix tão constantemente faz com produções estrangeiras. Entretanto, ‘Boca a Boca’ consegue superar as expectativas com suas temáticas propriamente brasileiras, sendo mais um ótimo título nacional na Netflix ao lado de “3%” e “Coisa Mais Linda”.

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...

‘Falcão e o Soldado Invernal’: legado do Capitão América vira dilema da própria Marvel

ATENÇÃO: O texto a seguir possui SPOILERS de “Vingadores: Ultimato”. Histórias de super-heróis de quadrinhos são, por definição, otimistas. Por terem sido orginalmente criadas como fantasias infanto-juvenis, o otimismo faz parte de seu DNA: há um herói, há um vilão, o...

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...