“Aquela Estrada” é o mais bem-sucedido curta-metragem do coletivo Artrupe Produções Artísticas. Dirigida por Rafael Ramos, a produção circulou por festivais nacionais importantes como o Mix Brasil, Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e Goiânia Mostra Curtas, além de ter chegado a eventos fora do país como o Thessaloniki LGBT Film Festival, na Grécia, o Toronto Queer Film Festival, no Canadá. Também repercutiu forte no cenário cultural de Manaus com múltiplos defensores e detratores, sendo um dos filmes locais mais comentados da última década.  

Intitulado “Fim de Festa”, o quarto episódio de “Boto” é uma verdadeira homenagem a “Aquela Estrada”. A partir da comemoração do aniversário de 23 anos de Betina (Dinne Queiroz), temos um remake do curta protagonizado por Adanilo Reis. O clima psicodélico, lisérgico se faz presente como se todos ali estivessem em estado de transe; como se tudo vivido fora para que chegassem até ali e nada mais houvesse. O corpo e a música se confundem em uma mesma sintonia – no filme, a trilha é da Supercolisor, enquanto aqui temos um apanhado de Alaídenegão e Anne Jezini. 

Há inegavelmente momentos que esta viagem vale a pena quando, por exemplo, a festa atinge o auge e todos surgem nus em um plano-sequência. Porém, tudo soa como um dejá-vu de uma viagem que já foi mais interessante ou original. Pior: o quarto capítulo de “Boto” cai na autoindulgência, uma armadilha típica de produções que falam sobre o universo cultural em que os realizadores estão inseridos. Desta forma, a série continua dando a impressão de que a diversão está mais do lado de lá, de quem fez o projeto, enquanto nós, o público, ficamos sem ser convidados. 

MARASMO NA ‘RESSACA’ 

Com um título auto-explicativo – “Ressaca” -, o quinto capítulo de “Boto” mantém o ritmo em marcha lenta com uma trama que insiste em ficar quase estagnada. Valdomiro (Lucas Wickhaus) segue em seu dilema existencial entre masculino e feminino, sendo interessante observar a reação incômoda ao ouvir Alex (Renan Tenca) dizer para ele tirar o figurino ao voltar para casa. E só.  

Falando em Tenca, o ator consegue fazer milagre com um sujeito que tinha tudo para ser uma figura aborrecida pelo roteiro insistir nos mesmos assuntos sem avançar a história do personagem. Quanto ao resto, é de se lamentar o desperdício de Dinne Queiroz, uma atriz que consegue tirar “Boto” do marasmo com sua divertida Betina. Para não dizer que nada se salva, o clipe estrelado por Daniela Blois e Ítalo Almeida é bonitinho. 

O sexto e sétimo capítulo de “Boto” vão ao ar a partir de sexta-feira (5), 23h, dentro do programa Cine Narciso Lobo, na TV Ufam, canal 8 da NET DIGITAL. 

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...