Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente politizado com cinema da melhor qualidade, sendo capaz de entreter o público com os dramas de seus personagens assim como o leva a refletir e se identificar na tela. 

Dirigido e roteirizado por Déo Cardoso, o filme traz como protagonista Saulo Chuvisco (Lucas Limeira, excelente), um adolescente engajado no grêmio estudantil de um colégio público. Após ser alvo de racismo por um colega de classe e ser punido pelo professor de inglês por reagir, o rapaz se recusa a sair de sala de aula e, por lá, por permanece por mais de um dia. Durante isso, ele utiliza as redes sociais para mostrar a precariedade da escola, iniciando um movimento entre os estudantes do local cobrando a direção do colégio e a secretaria estadual de educação por melhores condições. 

“Cabeça de Nêgo” aponta para a necessidade de uma quebra urgente do modelo sistemático da sociedade brasileira, baseado nos pilares de ordem e disciplina irrestrita e inquestionável. Para tanto, Déo Cardoso observa que a ruptura precisa ser acompanhada daquilo que é considerado caos dentro deste sistema, como o enfrentamento a uma autoridade em caso de uma flagrante injustiça ou de uma comunicação direta sem qualquer tipo de intermediação no meio do caminho capaz de provocar algum tipo de ruído. Para completar este rompimento total ao padrão vigente, a força da transformação só poderia partir de jovens negros, alvo preferenciais da opressão deste sistema e, portanto, com a energia e a garra necessária para fazê-lo vir abaixo. 

‘SAULO PRESENTE’ 

Toda esta teia discursiva proposta pelo diretor/roteirista encontra vazão com uma história potente, capaz de aproveitar os 85 minutos de duração para construir uma gama de personagens facilmente identificáveis com o público. Saulo, por exemplo, consegue ser um protagonista de muitas facetas, afinal, nos conquista instantaneamente pela vontade imensa de transformação que o move, assim como comove pelo intenso desejo de se aprofundar nos estudos sobre ativismo negro ou pela a inteligência nas negociações, além da grandeza do perdão demonstrada na reta final. Influência de vários símbolos negros, mostrados em duas das mais belas cenas de “Cabeça de Nêgo”, para a gestação de um ativista de voz própria.  

A liderança de Saulo puxa o filme, mas, não está sozinha, sendo acompanhada, especialmente, de mulheres negras. E são elas capazes de combinar a perseverança do combate com um olhar afetuoso e humano sobre toda a situação. “Cabeça de Nêgo” ainda conta com uma direção de arte primorosa ao mostrar a degradação dos ambientes escolares, assemelhando-os ao cenário de uma cadeia, local preferido do sistema para que seja o futuro de muito daqueles jovens, além de uma montagem dinâmica dando ritmo aos diversos pontos da história em tão pouco tempo.  

Dos raros filmes nacionais de engajamento político potente com uma narrativa acessível para todos os públicos, sem perder o foco da história em seu discurso, “Cabeça de Nêgo” não pode ser restrito ao circuito de festivais ou aos cinemas de arte localizados em bairros e avenidas nobres da grande cidade. É daquelas obras capazes de gerar uma identificação e um despertar social imediato em jovens iguais do colégio Major Andrade, espalhados aos milhões Brasil afora.  

Porém, uma obra tão anti-sistema teria espaço em horário nobre em veículos de comunicação em massa beneficiários deste sistema? Pago para ver. 

‘Noturno’: parceria Amazon/Blumhouse segue em ritmo morno

Você já parou para pensar nos sacrifícios que musicistas, artistas e atletas passam por amor à profissão? Quantas horas passam treinando e quantas atividades, que são comuns para nós, não deixam de vivenciar para focar em seus objetivos? Tudo isso, acompanhado de um...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...