Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente politizado com cinema da melhor qualidade, sendo capaz de entreter o público com os dramas de seus personagens assim como o leva a refletir e se identificar na tela. 

Dirigido e roteirizado por Déo Cardoso, o filme traz como protagonista Saulo Chuvisco (Lucas Limeira, excelente), um adolescente engajado no grêmio estudantil de um colégio público. Após ser alvo de racismo por um colega de classe e ser punido pelo professor de inglês por reagir, o rapaz se recusa a sair de sala de aula e, por lá, por permanece por mais de um dia. Durante isso, ele utiliza as redes sociais para mostrar a precariedade da escola, iniciando um movimento entre os estudantes do local cobrando a direção do colégio e a secretaria estadual de educação por melhores condições. 

“Cabeça de Nêgo” aponta para a necessidade de uma quebra urgente do modelo sistemático da sociedade brasileira, baseado nos pilares de ordem e disciplina irrestrita e inquestionável. Para tanto, Déo Cardoso observa que a ruptura precisa ser acompanhada daquilo que é considerado caos dentro deste sistema, como o enfrentamento a uma autoridade em caso de uma flagrante injustiça ou de uma comunicação direta sem qualquer tipo de intermediação no meio do caminho capaz de provocar algum tipo de ruído. Para completar este rompimento total ao padrão vigente, a força da transformação só poderia partir de jovens negros, alvo preferenciais da opressão deste sistema e, portanto, com a energia e a garra necessária para fazê-lo vir abaixo. 

‘SAULO PRESENTE’ 

Toda esta teia discursiva proposta pelo diretor/roteirista encontra vazão com uma história potente, capaz de aproveitar os 85 minutos de duração para construir uma gama de personagens facilmente identificáveis com o público. Saulo, por exemplo, consegue ser um protagonista de muitas facetas, afinal, nos conquista instantaneamente pela vontade imensa de transformação que o move, assim como comove pelo intenso desejo de se aprofundar nos estudos sobre ativismo negro ou pela a inteligência nas negociações, além da grandeza do perdão demonstrada na reta final. Influência de vários símbolos negros, mostrados em duas das mais belas cenas de “Cabeça de Nêgo”, para a gestação de um ativista de voz própria.  

A liderança de Saulo puxa o filme, mas, não está sozinha, sendo acompanhada, especialmente, de mulheres negras. E são elas capazes de combinar a perseverança do combate com um olhar afetuoso e humano sobre toda a situação. “Cabeça de Nêgo” ainda conta com uma direção de arte primorosa ao mostrar a degradação dos ambientes escolares, assemelhando-os ao cenário de uma cadeia, local preferido do sistema para que seja o futuro de muito daqueles jovens, além de uma montagem dinâmica dando ritmo aos diversos pontos da história em tão pouco tempo.  

Dos raros filmes nacionais de engajamento político potente com uma narrativa acessível para todos os públicos, sem perder o foco da história em seu discurso, “Cabeça de Nêgo” não pode ser restrito ao circuito de festivais ou aos cinemas de arte localizados em bairros e avenidas nobres da grande cidade. É daquelas obras capazes de gerar uma identificação e um despertar social imediato em jovens iguais do colégio Major Andrade, espalhados aos milhões Brasil afora.  

Porém, uma obra tão anti-sistema teria espaço em horário nobre em veículos de comunicação em massa beneficiários deste sistema? Pago para ver. 

‘Dog – A Aventura de uma Vida’: agradável road movie para fazer chorar

Filmes de cachorro costumam trazer consigo a promessa de choradeira e com “Dog – A Aventura de uma Vida” não foi diferente. Ao final da sessão, os críticos na cabine de imprensa em que eu estava permaneceram todos em silêncio; enquanto os créditos subiam e as luzes da...

‘Red Rocket’: a miséria humana dentro do falso american dream

Recomeçar. Um reinício, uma nova oportunidade, uma nova perspectiva, um recomeço. Estamos sempre nesse ciclo vicioso de dar um novo pontapé inicial. Todavia, há um certo cansaço nesta maratona de reiniciar a vida quando (nunca) ocorre de uma maneira planejada e o...

‘Top Gun: Maverick’: o maior espetáculo cinematográfico em um bom tempo

Precisamos de poucos segundos para constatar: a aura dourada de San Diego, banhada por um perpétuo poente, está de volta. “Top Gun: Maverick” se esforça para manter a mesma identidade estabelecida por Tony Scott no original de 1986 – tanto que a sequência de créditos...

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...