Bernadette Fox (Cate Blanchett) é uma brilhante arquiteta que abandonou a carreira após uma terrível decepção em uma de suas grandes criações. Ela mora em Seattle com o marido Elgie (Billy Crudup) e a filha Bee (Emma Nelson) com quem tem uma relação de amizade e dedicação integral. Após uma série de problemas pessoais, como atropelar a vizinha, tomar diversos remédios controlados e ser antissocial com todos ao seu redor, Bernadette desaparece e se lança em uma jornada em busca de realizar um projeto quase impossível na Antártida, como forma de se reencontrar como profissional e ser humano.

No longa, Richard Linklater põe em tela todos os artifícios pelo qual ficou conhecido. Seja pelos diálogos longos, expositivos até demais nesta obra, a exploração das banalidades da vida repleta de sarcasmo e humor negro, críticas a uma sociedade que super valoriza a popularidade, como a própria Bernadette diz no filme. A obra é uma tradução ácida e ávida do papel social da mulher no século XXI. No entanto, o novo longa-metragem do cineasta não tem poesia presente nos pequenos momentos e muito menos cenas inesquecíveis.  

“Cadê Você, Bernadette?” é um retrato simpático do cotidiano, repleto de personagens clichês e caricatos que não exercem empatia com seu público, com exceção de Cate Blanchett, verdadeiramente espetacular em seu papel. Ela e a filha Bee são as únicas com arcos dramáticos bem definidos, crescem à medida que os percalços da vida vão aparecendo. A química entre o trio Cate, Emma e Billy é irretocável. Um exemplo de família repleta de problemas, crises, com a única certeza que se amam e se perdoam.

A ATRIZ PERFEITA

O ponto alto da obra do cineasta é sua protagonista e o roteiro, adaptado da obra de Maria Semple que é, em sua base, uma história simples de uma mulher em crise e repleta de neuroses sobre a vida. A casa em que vive é um estado claro da personagem: abandonada, bagunçada, com as paredes cheias de mofo e quase caindo aos pedaços. No primeiro ato, ela nos é apresentada como uma mãe amorosa, uma mulher excêntrica e nervosa que vive uma clara crise no casamento com Elgie, um viciado em trabalho e gênio da computação. No desenrolar da trama, vamos percebendo que todas temos algo de Bernadette, seja seu espírito perdido, suas responsabilidades ou suas desilusões, até porque, as mulheres em algum momento da vida já se sentiram perdidas, desesperançadas.

A especialidade de Linklater em explorar a humanidade de seus personagens é possível apenas com a interpretação de Blanchett, difícil imaginar uma atriz mais perfeita para o papel. A direção de arte é pontual, assim como a montagem fluida que nunca deixa o filme cansativo, nem em seu terceiro ato, que é o mais problemático do filme.

Diferente do que se pode conferir no trailer, não é Bee que conduz a trama com sua procura a mãe perdida, uma vez que todos sabemos onde está Bernadette e o que pensa aquela mulher excêntrica. A narração da filha, o marido perdido em busca de resposta só faz com que a trama de Linklater pareça simplista demais para um diretor como ele, utilizando artifícios escapistas, fáceis e até vergonhosos para apresentar sua história e finalizar seu filme. ‘Cadê você, Bernadette?’ que por si só seria uma boa diversão, finaliza sendo uma história, no máximo, simpática.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...