Bernadette Fox (Cate Blanchett) é uma brilhante arquiteta que abandonou a carreira após uma terrível decepção em uma de suas grandes criações. Ela mora em Seattle com o marido Elgie (Billy Crudup) e a filha Bee (Emma Nelson) com quem tem uma relação de amizade e dedicação integral. Após uma série de problemas pessoais, como atropelar a vizinha, tomar diversos remédios controlados e ser antissocial com todos ao seu redor, Bernadette desaparece e se lança em uma jornada em busca de realizar um projeto quase impossível na Antártida, como forma de se reencontrar como profissional e ser humano.

No longa, Richard Linklater põe em tela todos os artifícios pelo qual ficou conhecido. Seja pelos diálogos longos, expositivos até demais nesta obra, a exploração das banalidades da vida repleta de sarcasmo e humor negro, críticas a uma sociedade que super valoriza a popularidade, como a própria Bernadette diz no filme. A obra é uma tradução ácida e ávida do papel social da mulher no século XXI. No entanto, o novo longa-metragem do cineasta não tem poesia presente nos pequenos momentos e muito menos cenas inesquecíveis.  

“Cadê Você, Bernadette?” é um retrato simpático do cotidiano, repleto de personagens clichês e caricatos que não exercem empatia com seu público, com exceção de Cate Blanchett, verdadeiramente espetacular em seu papel. Ela e a filha Bee são as únicas com arcos dramáticos bem definidos, crescem à medida que os percalços da vida vão aparecendo. A química entre o trio Cate, Emma e Billy é irretocável. Um exemplo de família repleta de problemas, crises, com a única certeza que se amam e se perdoam.

A ATRIZ PERFEITA

O ponto alto da obra do cineasta é sua protagonista e o roteiro, adaptado da obra de Maria Semple que é, em sua base, uma história simples de uma mulher em crise e repleta de neuroses sobre a vida. A casa em que vive é um estado claro da personagem: abandonada, bagunçada, com as paredes cheias de mofo e quase caindo aos pedaços. No primeiro ato, ela nos é apresentada como uma mãe amorosa, uma mulher excêntrica e nervosa que vive uma clara crise no casamento com Elgie, um viciado em trabalho e gênio da computação. No desenrolar da trama, vamos percebendo que todas temos algo de Bernadette, seja seu espírito perdido, suas responsabilidades ou suas desilusões, até porque, as mulheres em algum momento da vida já se sentiram perdidas, desesperançadas.

A especialidade de Linklater em explorar a humanidade de seus personagens é possível apenas com a interpretação de Blanchett, difícil imaginar uma atriz mais perfeita para o papel. A direção de arte é pontual, assim como a montagem fluida que nunca deixa o filme cansativo, nem em seu terceiro ato, que é o mais problemático do filme.

Diferente do que se pode conferir no trailer, não é Bee que conduz a trama com sua procura a mãe perdida, uma vez que todos sabemos onde está Bernadette e o que pensa aquela mulher excêntrica. A narração da filha, o marido perdido em busca de resposta só faz com que a trama de Linklater pareça simplista demais para um diretor como ele, utilizando artifícios escapistas, fáceis e até vergonhosos para apresentar sua história e finalizar seu filme. ‘Cadê você, Bernadette?’ que por si só seria uma boa diversão, finaliza sendo uma história, no máximo, simpática.

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...

‘The Boys in the Band’: leveza para abordar assuntos sérios

Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma...

‘Cavalo’: resistência negra em potente obra alagoana

Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema...

‘Nardjes A.’: documentário se deixa levar pela empolgação de protestos de rua

Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país...