A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme.

“Caros Camaradas” narra um momento turbulento em uma cidade da antiga União Soviética. Sua população sofria com a inconstância dos impostos: todos os dias os preços aumentavam, a incerteza imperava e a fome para alguns era uma realidade. A população estava em desespero e o estopim para um movimento drástico foi a diminuição dos salários dos trabalhadores de uma grande fábrica local. Com isso, a revolta não poderia ser outra senão a greve e a luta dos operários por condições melhores de trabalho, salário e de vida.

Esse momento importante na história recente das lutas sociais ficou conhecido por O Massacre de Novocherkassk, pois, entre os dias 1° e 2 de junho de 1962, trabalhadores em greve, unidos, se voltaram contra esta fábrica com o apoio dos operários de outras empresas do setor. Claro, o sistema opressor do Estado – estamos falando de Comunismo – junto ao Exército e à KGB local, na falsa simetria de ordem, atirou contra os manifestantes, executando alguns e deixando outros feridos.

Essa tensão é vista pelos olhos de Lyudmila Syomina (Julia Vysotskaya, excelente!), uma mulher madura e uma trabalhadora ferrenha do governo comunista. Objetiva e perspicaz, ela aos poucos compreende o que de fato acontece ao seu redor quando sua filha, Syetka (Yuliya Burova), uma das operárias e manifestantes, some e, em meio ao caos e uma ditadura instaurada, vai atrás do seu paradeiro.

‘AS COISAS SERÃO MELHORES’?

O diretor Andrei Konchalovsky (“Paraíso”) tem um olhar muito objetivo, sensível e esclarecedor. Vale lembrar que até pouco tempo atrás, essa fase histórica não era comentada, assunto proibido. “Caros Camaradas” tem um viés acusador, mas também para relembrar esse momento de inconstância, vidas perdidas e direitos negados.

Sua fotografia em preto e branco nos conecta com sua narrativa precisa; é como se esse período não houvesse cor, brilho. A falta de cor aqui é sensação da injustiça social e no cerceamento do direito de ir e vir, como no banho de sangue em uma cena fortíssima. Ele desconstrói o comunismo então presente.

A luta trabalhista não é de hoje: Karl Marx já alertava sobre isso ainda no século XIX quando, em síntese, discursava acerca da importância do proletariado em se unir contra o sistema capitalista e burguês. Pois o elo dominante, na base de uma estrutura desigual, coordena o sistema, impõe as suas necessidades. E é nisso que os trabalhadores deveriam focar, em desestruturar este domínio. Infelizmente é algo que se prolonga nos dias atuais.

“Caros Camaradas” é um bom filme que induz ao debate e desintegra o Comunismo daquela época. É um ode as vidas perdidas e também à causa que nunca deixa de envelhecer, pois enquanto houver essa base de pirâmide social e de luta de classes, sempre haverá revoltas e lutas. Na sequência final, a protagonista diz: “as coisas serão melhores”.

Me pergunto até que ponto essa utopia será uma certeza.

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...

‘Acqua Movie’: jornada das mudanças e permanências do sertão

Mais de uma década depois de Árido Movie (2006), o cineasta Lírio Ferreira retorna com Acqua Movie. Este novo trabalho não se trata realmente de uma sequência, embora traga de volta um ou outro personagem do longa anterior. Mas é, com certeza, uma companion piece, uma...