A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme.

“Caros Camaradas” narra um momento turbulento em uma cidade da antiga União Soviética. Sua população sofria com a inconstância dos impostos: todos os dias os preços aumentavam, a incerteza imperava e a fome para alguns era uma realidade. A população estava em desespero e o estopim para um movimento drástico foi a diminuição dos salários dos trabalhadores de uma grande fábrica local. Com isso, a revolta não poderia ser outra senão a greve e a luta dos operários por condições melhores de trabalho, salário e de vida.

Esse momento importante na história recente das lutas sociais ficou conhecido por O Massacre de Novocherkassk, pois, entre os dias 1° e 2 de junho de 1962, trabalhadores em greve, unidos, se voltaram contra esta fábrica com o apoio dos operários de outras empresas do setor. Claro, o sistema opressor do Estado – estamos falando de Comunismo – junto ao Exército e à KGB local, na falsa simetria de ordem, atirou contra os manifestantes, executando alguns e deixando outros feridos.

Essa tensão é vista pelos olhos de Lyudmila Syomina (Julia Vysotskaya, excelente!), uma mulher madura e uma trabalhadora ferrenha do governo comunista. Objetiva e perspicaz, ela aos poucos compreende o que de fato acontece ao seu redor quando sua filha, Syetka (Yuliya Burova), uma das operárias e manifestantes, some e, em meio ao caos e uma ditadura instaurada, vai atrás do seu paradeiro.

‘AS COISAS SERÃO MELHORES’?

O diretor Andrei Konchalovsky (“Paraíso”) tem um olhar muito objetivo, sensível e esclarecedor. Vale lembrar que até pouco tempo atrás, essa fase histórica não era comentada, assunto proibido. “Caros Camaradas” tem um viés acusador, mas também para relembrar esse momento de inconstância, vidas perdidas e direitos negados.

Sua fotografia em preto e branco nos conecta com sua narrativa precisa; é como se esse período não houvesse cor, brilho. A falta de cor aqui é sensação da injustiça social e no cerceamento do direito de ir e vir, como no banho de sangue em uma cena fortíssima. Ele desconstrói o comunismo então presente.

A luta trabalhista não é de hoje: Karl Marx já alertava sobre isso ainda no século XIX quando, em síntese, discursava acerca da importância do proletariado em se unir contra o sistema capitalista e burguês. Pois o elo dominante, na base de uma estrutura desigual, coordena o sistema, impõe as suas necessidades. E é nisso que os trabalhadores deveriam focar, em desestruturar este domínio. Infelizmente é algo que se prolonga nos dias atuais.

“Caros Camaradas” é um bom filme que induz ao debate e desintegra o Comunismo daquela época. É um ode as vidas perdidas e também à causa que nunca deixa de envelhecer, pois enquanto houver essa base de pirâmide social e de luta de classes, sempre haverá revoltas e lutas. Na sequência final, a protagonista diz: “as coisas serão melhores”.

Me pergunto até que ponto essa utopia será uma certeza.

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...