A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme.

“Caros Camaradas” narra um momento turbulento em uma cidade da antiga União Soviética. Sua população sofria com a inconstância dos impostos: todos os dias os preços aumentavam, a incerteza imperava e a fome para alguns era uma realidade. A população estava em desespero e o estopim para um movimento drástico foi a diminuição dos salários dos trabalhadores de uma grande fábrica local. Com isso, a revolta não poderia ser outra senão a greve e a luta dos operários por condições melhores de trabalho, salário e de vida.

Esse momento importante na história recente das lutas sociais ficou conhecido por O Massacre de Novocherkassk, pois, entre os dias 1° e 2 de junho de 1962, trabalhadores em greve, unidos, se voltaram contra esta fábrica com o apoio dos operários de outras empresas do setor. Claro, o sistema opressor do Estado – estamos falando de Comunismo – junto ao Exército e à KGB local, na falsa simetria de ordem, atirou contra os manifestantes, executando alguns e deixando outros feridos.

Essa tensão é vista pelos olhos de Lyudmila Syomina (Julia Vysotskaya, excelente!), uma mulher madura e uma trabalhadora ferrenha do governo comunista. Objetiva e perspicaz, ela aos poucos compreende o que de fato acontece ao seu redor quando sua filha, Syetka (Yuliya Burova), uma das operárias e manifestantes, some e, em meio ao caos e uma ditadura instaurada, vai atrás do seu paradeiro.

‘AS COISAS SERÃO MELHORES’?

O diretor Andrei Konchalovsky (“Paraíso”) tem um olhar muito objetivo, sensível e esclarecedor. Vale lembrar que até pouco tempo atrás, essa fase histórica não era comentada, assunto proibido. “Caros Camaradas” tem um viés acusador, mas também para relembrar esse momento de inconstância, vidas perdidas e direitos negados.

Sua fotografia em preto e branco nos conecta com sua narrativa precisa; é como se esse período não houvesse cor, brilho. A falta de cor aqui é sensação da injustiça social e no cerceamento do direito de ir e vir, como no banho de sangue em uma cena fortíssima. Ele desconstrói o comunismo então presente.

A luta trabalhista não é de hoje: Karl Marx já alertava sobre isso ainda no século XIX quando, em síntese, discursava acerca da importância do proletariado em se unir contra o sistema capitalista e burguês. Pois o elo dominante, na base de uma estrutura desigual, coordena o sistema, impõe as suas necessidades. E é nisso que os trabalhadores deveriam focar, em desestruturar este domínio. Infelizmente é algo que se prolonga nos dias atuais.

“Caros Camaradas” é um bom filme que induz ao debate e desintegra o Comunismo daquela época. É um ode as vidas perdidas e também à causa que nunca deixa de envelhecer, pois enquanto houver essa base de pirâmide social e de luta de classes, sempre haverá revoltas e lutas. Na sequência final, a protagonista diz: “as coisas serão melhores”.

Me pergunto até que ponto essa utopia será uma certeza.

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...

‘Nö’: anticomédia romântica dos dilemas da geração millenium

O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em "Nö", nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de...

‘O Culpado’: Jake Gyllenhaal caricato em remake desnecessário

O cinema é uma arte que permite constante reinvenção. E isso facilita a compreensão da prática comum de Hollywood que perdura até os dias de hoje. É natural vermos a indústria norte-americana reexplorar a ideia de uma produção audiovisual de outros países, seja ela...