Não é muito comum ver uma comédia romântica tão consciente do contexto político e social em que é lançada: na sequência de abertura de Casal Improvável, nos deparamos com o personagem de Seth Rogen, um jornalista infiltrado em uma reunião de supremacistas brancos que o obrigam a tatuar uma suástica – e, daí para frente, um mundo em que a extrema direita se encontra em plena ascensão é o principal pano de fundo para a improvável história de amor do título. 

Embora situado nesse contexto, Casal Improvável parte de um dos velhos chavões do universo das comédias românticas: o cara levemente estranho, nerd, que, por acaso, consegue ter uma chance com uma mulher ‘superior’, o famoso caso do “muita areia para seu caminhãozinho”. O cara, neste caso, é Fred Flarsky (Rogen), recém-auto-demitido de seu emprego por não aceitar a compra do site em que escreve por uma grande empresa de mídia, comandada por um figurão que acredita que casamentos homossexuais causam furacões. Já a mulher é Charlotte Field (Charlize Theron), atual Secretária de Estado e uma das mulheres mais influentes do mundo, em plena preparação de terreno para disputar a Casa Branca. Conhecidos de infância, os dois se reencontram de um modo insólito, levando Charlotte a contratar Fred para injetar mais humor e personalidade aos seus discursos enquanto os dois rodam o mundo. 

A dinâmica entre a dupla, claro, logo vai se transformando em romance, e, por mais que Jonathan Levine comande a câmera de maneira convencional, com direito a muitos primeiros planos contrapostos, o carisma de Rogen e Theron, altamente confortáveis em seus papéis, é o suficiente para vender a história – a atriz, especialmente, parece se divertir ao poder mostrar seu talento para a comédia. Aqui e ali, a montagem e a direção também conseguem compor momentos singulares para o casal, como a honesta dança escondida ao som de Roxette.

FORA DO LUGAR COMUM

O grande trunfo de Casal Improvável, porém, reside em não se esquivar das personalidades que encarna aos seus personagens e o modo como eles se comportam no mundo em que se encontram: Charlotte, por exemplo, é uma mulher com ideais, mas também ciente dos percalços que precisa enfrentar e determinadas concessões a fazer no jogo político. O filme nos lembra constantemente que, por mais alta que seja a posição de poder da mulher, ela está sempre sendo testada sob os olhos da opinião pública – não à toa, em determinado momento, Charlotte comenta que não pode agir de certa forma pois deve encontrar o equilíbrio entre não ser vista como racional ou emocional demais. Da mesma forma, Fred é pintado como um personagem que representa bem uma suposta esquerda idealista além da conta: guiado por seus restritos códigos morais, ele é confrontado constantemente por situações que o obrigam a rever sua posição e enxergar o mundo de maneira menos maniqueísta. 

O maniqueísmo do filme, aliás, encontra espaço em outro personagem: Parker Wembley, uma espécie de Rupert Murdoch (o figurão conservador da Fox News) daquele universo, caracterizado por uma maquiagem pesada que deixa Andy Serkis irreconhecível no papel de vilão da história. É através, principalmente, deste personagem que Casal Improvável apresenta os temas pouco comuns que o destacam entre as comédias românticas: críticas ao conservadorismo, aos intricados jogos entre política e mídia e às campanhas difamatórias de reputação empreendidas por veículos de comunicação partidários – coisas não muito diferentes do que temos visto não só nos EUA, mas em lugares bem próximos… 

Se, por um lado, ao longo do filme, essas camadas de crítica política e social dão mais substância a história de um casal já carismático por si só, por outro, o final surreal para onde o filme se encaminha é bom demais pra ser verdade no mundo real (só imagine isso acontecendo na sociedade conservadora estadunidense), mas, pelo menos, a jornada até lá é suficientemente crível e rende uma boa dose de piadas efetivamente engraçadas para tornar Casal Improvável um filme quase memorável. 

P.S.: O Playarte Manauara podia fazer o favor de conferir o som da sala 2, né? Som abafado em um dos canais de som durante metade do filme não é nada legal. 

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...

‘Men’: estarrecedor suspense sobre o poder dos homens

“O mundo é dos homens”. Essa famosa frase não é em vão: o mundo realmente é dos homens. Nas entranhas sociais, os homens mantêm o seu protagonismo. Nas sociedades, o patriarcado e suas ramificações, como machismo, imperam e constituem as normas estabelecidas sob a...

‘Tudo é Possível’: comédia adolescente com a lisura de um filtro do Instagram

Foi sem absolutamente nenhum alarde que "Tudo é Possível" entrou no catálogo do Amazon Prime Video. Despejado com indiferença na plataforma, o filme de Billy Porter (que recentemente pôde ser visto como a fada madrinha na novíssima versão de "Cinderela", também do...

‘Persuasão’: crime contra o legado de Jane Austen

Anacronismos são bem-vindos em adaptações literárias de obras que datam de décadas, as vezes séculos atrás. De “Maria Antonieta”, da Sofia Coppola ao “Emma”, de Autumn de Wilde, podendo ser mais ou menos sutil, mas sempre tendo em mente que é preciso não se perder e...