Nova minissérie da HBO, “Chernobyl” traça todos os fatos que ocorreram após o desastre nuclear na região durante o regime da União Soviética. Apesar de ser um fato histórico conhecido publicamente, o enredo revela como o caso ficou cercado de ocultações e mentiras nos registros oficiais divulgados. É isso que torna a produção tão fascinante: revelar o verdadeiro custo que mentiras podem ter quando várias vidas estão em jogo.

Criada por Craig Mazin – conhecido por ter escrito filmes das séries “Se Beber, Não Case” ou “Todo Mundo Em Pânico” – “Chernobyl” embarca em uma profunda reconstrução dos acontecimentos que ocorreram na cidade de Pripyat após o acidente. Percebe-se de imediato que algo está errado em toda a situação quando você sente a completa ausência da sensação de urgência diante do caso. Esta só começa a surgir a partir do segundo episódio quando um cientista interpretado por Jared Harris (“Fringe”, “Lincoln”) revela a grandeza da catástrofe.

A série vai apresentando em cadeia as reações de causa e efeito na população contaminada, incluindo, até mesmo os animais domésticos e selvagens. Diante disso, “Chernobyl” não poupa o espectador dos momentos mais desesperadores possíveis. A cada minuto, um novo desafio e uma nova tragédia a ser evitada, não existe nada de feliz ou esperançoso na narrativa. Os personagens lidam o tempo todo com decisões importantes e com um custo alto em retorno.

Mesmo diante deste desastre, “Chernobyl” revela como a URSS concentrou maiores esforços na imagem externa do país do que na assistência às vítimas. Esta omissão do governo soviético contribui para os efeitos devastadores do acidente, sendo irônico perceber, no fim, como a tragédia foi um dos responsáveis pelo colapso do regime.

Por isso, a produção destaca o valor dos cientistas, fundamentais para resolver todo o problema e atenuar o sofrimento das vítimas. Diante de um Estado omisso e que omitir sua incompetência, os cientistas acabam sendo os indivíduos que irão a todo custo descobrir a verdade. A personagem Ulana Khomyuk (Emily Watson) simboliza todos estes profissionais envolvidos no caso.

VERDADE SEMPRE VEM À TONA

Diretor de episódios em séries como “Breaking Bad” e “The Walking Dead”, Johan Renck cria um estado de tensão latente na série mesmo quando os personagens estão em uma apatia profunda. Ele acerta em filmar a série com pouca luz artificial e deixar as belas paisagens urbanas e rurais de Pripyat revelarem o tamanho da tragédia. O som dos leitores de radiação também se torna um eficiente recurso dramático gerando tensão, pois quanto mais os indivíduos se aproximam dos restos do reator, mais rápido eles apitam.

Por outro lado, apesar de Craig Mazin, com perspicácia, perceber que são as mentiras do caso o elemento fundamental para o ocorrido, roteirista acaba entrando numa cilada ao tentar excessivamente apontar culpados e forçar situações fazendo juízos de valores e criando maniqueísmos. Na cena do julgamento do desastre onde o cientista Valery Legasov (Jared Harris) apresenta todas as mentiras que disse ao mundo ocidental e expõe o regime soviético, o texto assume um viés moralista.

Porém, durante a série, começa a ficar óbvio que o mais importante não é quem culpar pelas falhas, mas sim, revelar as mentiras da tragédia, como essas pessoas lidaram com as consequências do desastre, como isto afetou as suas vidas e quais procedimentos foram feitos para salvar a humanidade.

Como demonstra esta grande minissérie da HBO, os poderes governamentais, independente de qualquer viés ideológico, irão sempre priorizar seus interesses em detrimento da população, por mais impopular que suas decisões possam ser. “Chernobyl”, pelo menos, mostra que não importa quantas mentiras são contadas, uma hora, a verdade sempre vem à tona e ela custa muito caro.

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...