Nova minissérie da HBO, “Chernobyl” traça todos os fatos que ocorreram após o desastre nuclear na região durante o regime da União Soviética. Apesar de ser um fato histórico conhecido publicamente, o enredo revela como o caso ficou cercado de ocultações e mentiras nos registros oficiais divulgados. É isso que torna a produção tão fascinante: revelar o verdadeiro custo que mentiras podem ter quando várias vidas estão em jogo.

Criada por Craig Mazin – conhecido por ter escrito filmes das séries “Se Beber, Não Case” ou “Todo Mundo Em Pânico” – “Chernobyl” embarca em uma profunda reconstrução dos acontecimentos que ocorreram na cidade de Pripyat após o acidente. Percebe-se de imediato que algo está errado em toda a situação quando você sente a completa ausência da sensação de urgência diante do caso. Esta só começa a surgir a partir do segundo episódio quando um cientista interpretado por Jared Harris (“Fringe”, “Lincoln”) revela a grandeza da catástrofe.

A série vai apresentando em cadeia as reações de causa e efeito na população contaminada, incluindo, até mesmo os animais domésticos e selvagens. Diante disso, “Chernobyl” não poupa o espectador dos momentos mais desesperadores possíveis. A cada minuto, um novo desafio e uma nova tragédia a ser evitada, não existe nada de feliz ou esperançoso na narrativa. Os personagens lidam o tempo todo com decisões importantes e com um custo alto em retorno.

Mesmo diante deste desastre, “Chernobyl” revela como a URSS concentrou maiores esforços na imagem externa do país do que na assistência às vítimas. Esta omissão do governo soviético contribui para os efeitos devastadores do acidente, sendo irônico perceber, no fim, como a tragédia foi um dos responsáveis pelo colapso do regime.

Por isso, a produção destaca o valor dos cientistas, fundamentais para resolver todo o problema e atenuar o sofrimento das vítimas. Diante de um Estado omisso e que omitir sua incompetência, os cientistas acabam sendo os indivíduos que irão a todo custo descobrir a verdade. A personagem Ulana Khomyuk (Emily Watson) simboliza todos estes profissionais envolvidos no caso.

VERDADE SEMPRE VEM À TONA

Diretor de episódios em séries como “Breaking Bad” e “The Walking Dead”, Johan Renck cria um estado de tensão latente na série mesmo quando os personagens estão em uma apatia profunda. Ele acerta em filmar a série com pouca luz artificial e deixar as belas paisagens urbanas e rurais de Pripyat revelarem o tamanho da tragédia. O som dos leitores de radiação também se torna um eficiente recurso dramático gerando tensão, pois quanto mais os indivíduos se aproximam dos restos do reator, mais rápido eles apitam.

Por outro lado, apesar de Craig Mazin, com perspicácia, perceber que são as mentiras do caso o elemento fundamental para o ocorrido, roteirista acaba entrando numa cilada ao tentar excessivamente apontar culpados e forçar situações fazendo juízos de valores e criando maniqueísmos. Na cena do julgamento do desastre onde o cientista Valery Legasov (Jared Harris) apresenta todas as mentiras que disse ao mundo ocidental e expõe o regime soviético, o texto assume um viés moralista.

Porém, durante a série, começa a ficar óbvio que o mais importante não é quem culpar pelas falhas, mas sim, revelar as mentiras da tragédia, como essas pessoas lidaram com as consequências do desastre, como isto afetou as suas vidas e quais procedimentos foram feitos para salvar a humanidade.

Como demonstra esta grande minissérie da HBO, os poderes governamentais, independente de qualquer viés ideológico, irão sempre priorizar seus interesses em detrimento da população, por mais impopular que suas decisões possam ser. “Chernobyl”, pelo menos, mostra que não importa quantas mentiras são contadas, uma hora, a verdade sempre vem à tona e ela custa muito caro.

‘Maid’: o fim do American Way of Life

“Maid” é uma produção focada em dilemas contemporâneos e esse é o principal de seus acertos. Disponível na Netflix e protagonizada por Margaret Qualley, a minissérie acompanha Alex, uma jovem que foge de um relacionamento abusivo e passa a trabalhar como empregada...

‘Missa da Meia-Noite’: Mike Flanagan acerta sem correr riscos

Quando pensamos em produções de terror é muito fácil associar suas tramas a existência do sobrenatural, do desconhecido, mesmo que existam muitos títulos onde o vilão se trata na realidade de uma pessoa como qualquer outra. Contemplando essas duas linhas narrativas,...

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...