Se um dia você quis ver Nicolas Cage à frente de uma adaptação de H. P. Lovecraft, esse momento é seu: “Colour Out of Space” usa com sucesso um dos contos mais famosos do celebrado autor de terror para criar um filme B de responsa. O longa, que estreou em Toronto e foi exibido no Festival de Londres, parece uma versão gore dos filmes do clássico bloco televisivo Supercine.

Na trama, uma família que vive no meio do nada (claro!) tem a vida drasticamente alterada quando um meteorito cai em sua propriedade e desencadeia estranhos efeitos nas formas de vida ao redor. Qualquer semelhança com “Aniquilação” não é mera coincidência: o livro de Jeff VanderMeerr, que serviu de base para o filme com Natalie Portman, bebe diretamente da fonte de Lovecraft.

O roteiro, escrito pelo diretor Richard Stanley juntamente com Scarlett Amaris, traz a história do conto, que se passa no início do século XX, para os dias de hoje sem perder a essência do original; ainda que, na telona, isso resulte em arquétipos um tanto quanto clichês do cinema de terror: os pais que buscam uma vida nova, a filha gótica rebelde, o filho maconheiro bobão e o filho mais novo super sensível aos acontecimentos sobrenaturais.

Com 1h51min, “Colour Out of Space”  chega a se arrastar em alguns momentos. No entanto, Stanley, em colaboração com o diretor de fotografia Steve Annis, enche as tomadas com um jogo de câmera preciso e cores fantásticas que reforçam o senso de medo existencial do material-base. Colin Stetson, que compôs a trilha de “Hereditário”, enche as cenas com melodias sintéticas que quase sufocam o espectador.

Sem explicações

Mesmo quando os animais começam a se comportar de maneira estranha e os vegetais começam a sofrer mutações, o longa se recusa, à maneira de Lovecraft, a dar explicações. É justamente essa incompreensão que causa o terror que acomete a família dona da propriedade. A força que passa a agir ao redor da casa não opera conforme o que espera a razão humana – e, por conta disso, os protagonistas se veem sem saída.

Esse ponto é reforçado pelos toques modernos inseridos pelo roteiro, como a presença de celulares, de televisão e até mesmo de um pesquisador que quer entender os fenômenos de cientificamente. “Colour Out of Space” parece argumentar que os avanços da humanidade no último século de nada adiantaram para nos preparar para um encontro extraterrestre.

Para além do sangue e das criaturas bizarras, fãs do gênero terão o prazer de ver Stanley – um devoto do terror que passou 27 anos longe do gênero – revigorado e no completo controle de sua criação. Com um charme kitsch e Nic Cage mandando ver na atuação descontrolada que se tornou seu padrão, “Colour Out of Space” sabe o público que quer agradar e tem tudo para conseguir isso.

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

Festival de Londres 2020 – Mads Mikkelsen brilhante e ‘Ammonite’ decepciona

O correspondente internacional do Cine Set, Lucas Pistilli, conversa com Caio Pimenta sobre os destaques do Festival de Londres 2020. https://www.youtube.com/watch?v=XhaVGD7TQF8

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...

‘Ema’: Pablo Larraín mexe com a cabeça do público em filme indomável

"Ema", novo filme de Pablo Larraín ("Jackie") exibido no Festival de Londres, começa em chamas - uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro - o drama histórico -, o...

‘Dois Papas’: Anthony Hopkins e Jonathan Pryce em atuações abençoadas

Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, "Dois Papas" é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres,...

‘Entre Facas e Segredos’: Rian Johnson retorna às raízes em grande comédia

O que você faz depois de abalar as estruturas de uma das maiores franquias cinematográficas da história? Pois Rian Johnson resolveu voltar às origens. “Entre Facas e Segredos”, seu primeiro filme desde “Star Wars: Os Últimos Jedi”, é uma comédia sensacional que remete...