Você já parou para pensar, caro leitor, como nasce uma cidade? Como nasce uma comunidade? Um país? Em meados da década passada, a HBO, no seu processo de revolucionar a TV, fez um faroeste diferente, a série Deadwood. Produzida entre 2004 e 2006, a criação do roteirista e produtor David Milch pegava fatos históricos e pessoas que realmente existiram, além de elementos tradicionais do gênero, e os subvertia, em nome de uma narrativa cujo objetivo era falar sobre a humanidade, sobre como e porque as pessoas se juntam, sobre uma cidade sem lei – a Deadwood do título, fundada pelo garimpo – que aos poucos evoluía para algo maior, uma verdadeira comunidade.

A HBO estava na sua grande onda quando produziu Deadwood. Mas apesar da qualidade, Deadwood representou um capítulo estranho desse período: os direitos da série eram divididos com o estúdio Paramount, o que fazia dela um pequeno “estranho no ninho”. E o temperamental Milch conduzia a série de um jeito diferente, frequentemente mudando cenas e diálogos antes das filmagens e proporcionando uma atmosfera única no set. Por causa dos direitos, e talvez por não compreender direito o que tinha nas mãos, a HBO acabou cancelando a série de forma súbita em 2006, e depois por anos, prometeu que iria produzir dois telefilmes, depois apenas um, para concluir a narrativa. O próprio Milch e o elenco duvidaram que fosse acontecer, por mais de uma década… Por isso mesmo, Deadwood: O Filme é um pequeno milagre: Com quase todo o elenco de volta, Milch no roteiro e Daniel Minahan, veterano da série na direção, é o encerramento aguardado pelos fãs por anos, e se complementa perfeitamente às noções da série sobre comunidade e união.

É realmente um presente para os fãs – não iniciados podem até compreender a história, mas só quem viu as 3 temporadas de Deadwood receberá todo o impacto emocional deste sensível roteiro de Milch, que aliás remete diretamente ao episódio final da série. O filme se passa em 1889. A cidade de Deadwood está agitada com a entrada da Dakota do Sul na União e com a volta do agora senador George Hearst (Gerald McRaney, excelente). Hearst – aliás, ancestral do William Randolph Hearst, aquele do Cidadão Kane (1941) – foi o grande antagonista da série, homem rico e poderoso que deseja expandir o telefone na região a todo custo. A chegada dele desperta antigos fantasmas, e quando uma tragédia ocorre, surge a noção de comunidade de novo, com basicamente toda a cidade se unindo contra seu inimigo.

PRESENTE ESPERADO PELOS FÃS

O tempo passou e o filme não faz a menor questão de esconder isso: os atores agora estão mais enrugados, ligeiramente diferentes, mas todos reencontram seus personagens com precisão. De novo, percorremos as ruas da cidade, filmadas com reverência por Minahan – O corte de um trem passando para uma panorâmica da cidade, ao som do tema de abertura, é um momento visualmente belíssimo. Retorna também aquela sensação de estarmos adentrando um mundo, concebido com riqueza de detalhes e habitado por aquelas figuras tão interessantes. Até personagens secundários parecem vivos, com caracterizações ricas. Pequenos detalhes, que os fãs captam, fazem a diferença, como os pêssegos servidos antes da reunião, ou alguns diálogos. A sensação é de reencontrar velhos amigos e passar tempo com eles uma última vez.

E é realmente incrível como, em duas horas, Deadwood: O Filme dá, ao menos, uma coisa interessante para praticamente todo o elenco fazer – aliás, um dos melhores elencos já reunidos na história da TV. É um filme de pequenos momentos, como a terna cena de amor entre Calamity Jane (Robin Weigert) e Joanie (Kim Dickens), a dona de um dos bordeis da cidade. Ou os olhares e gestos trocados entre a viúva Alma (Molly Parker) e o xerife Bullock (Timothy Olyphant, soberbo). Ou o diálogo perto do fim entre a ex-prostituta Trixie (Paula Malcolmson, perfeita) e o inesquecível Al Swarengen (o gigante Ian McShane), o desbocado e brutal dono do saloon e o mais memorável e interessante personagem da série.

Al Swarengen continua observando tudo o que ocorre em Deadwood da sua sacada, mas na visão de David Milch ele já sente o fim chegando. De certa forma, o personagem é o alter ego do autor dentro do filme: Recentemente Milch revelou que está com Alzheimer e sua mente, o principal atributo de um escritor, está desaparecendo. Os diálogos dele sempre foram um prazer de se ouvir na série, igualmente repletos de poesia e palavrões, porém algumas falas sobre passagem do tempo e finitude, especialmente as ditas por Al, adquirem ainda mais força por causa tanto do estado atual de Milch, quanto pelos 13 anos que levaram para serem ditas.

Deadwood: O Filme é ao mesmo tempo bonito e triste, apesar dos momentos de violência presentes. Por causa do tempo comprimido, é um pouco mais agitado do que a série costumava ser, com tiroteios, um nascimento, um funeral, reencontros e um casamento. Talvez o tom – ligeiramente – episódico seja o único senão verdadeiro do filme. Mesmo assim, tudo é feito com tanta delicadeza que o fã que esperou mais de uma década por um final para um dos melhores seriados de todos os tempos não sai desapontado. E de novo, tudo retorna àquela noção de comunidade: É interessante observar, no filme, a coleção de enjeitados da sociedade, com negros, prostitutas, lésbicas e imigrantes, ajudando a combater o poder opressivo do dinheiro e do homem branco.  Deadwood, a série, era essencialmente otimista, mesmo com o sexo e violência marca registrada HBO, e O Filme, seu epílogo magistral. Numa nota pessoal, eu gosto de onde a série parou, mesmo com as pontas soltas. Mesmo assim, na indústria do cinema e da TV, onde as coisas raramente acabam, ou raramente acabam bem, algo como Deadwood: O Filme deve ser celebrado pela beleza e inteligência do seu final. Além da despedida daqueles personagens, parece ser também a despedida do seu criador. Mas ele, assim como a sua criação, se despede nos seus termos. E rodeado de amigos.

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...