Indicado ao Leão de Ouro e vencedor do Prêmio Marcello Mastroianni de Ator Revelação para Toby Wallace no Festival de Veneza de 2019, ‘Dente de Leite’ repercutiu positivamente pelos festivais que passou. Isso se deve principalmente à estreia da australiana Shannon Murphy (‘Killing Eve’) na direção de um longa-metragem, a qual acerta ao abordar um tema tão rotirineiro no cinema: o amadurecimento adolescente. Sim, já existem filmes coming of age aos montes assim como obras que retratam o câncer atingindo adolescentes, porém, a visão de Murphy sobre a temática cria uma ótima história acerca de morte, juventude e família, sem ter receio de deixar o público angustiado com a realidade proposta. 

Sendo também uma estreia para Rita Kalnejais no roteiro, “Dente de Leite” tem como protagonista Milla (Eliza Scanlen, conhecida por viver a estranha irmã de Amy Adams na minissérie “Sharp Objects), uma adolescente com câncer terminal que se apaixona por Moses (Toby Wallace), um traficante viciado em drogas. Obviamente a proximidade de ambos não agrada aos pais da personagem, entretanto, a sua morte iminente torna possível a existência de um acordo que lhe mantenha feliz e perto de todos. Entretanto, a nova perspectiva de felicidade é melancólica e cercada de momentos desagradáveis para Milla. 

A grande dedicação do elenco para transitar entre a leveza de algumas cenas e a maturidade de outras, sem dúvida, se transforma em um dos pontos altos de “Dente de Leite”. No início morno do filme, alguns acontecimentos possuem notoriamente um peso na feição dos atores, como os diálogos entre os pais da garota, Anna (Essie Davis) e Henry (Ben Mendelsohn). Aos poucos, a construção dos personagens evolui e o elenco principal consegue acompanhar todos os estágios da doença de Milla. Nesse aspecto, Toby Wallace rouba os holofotes para si, sempre mostrando ao espectador o quanto ele eleva sua atuação a cada instabilidade do personagem. 

Apesar de possuir algumas cenas desinteressantes em seu primeiro momento, o longa consegue preparar o terreno para as cenas mais densas que começam a surgir na segunda parte. Durante toda a trama existe uma angústia notória envolvendo seus personagens, algo muito bem colocado na trilha sonora já que Milla e sua mãe possuem uma proximidade musical, sendo a trilha uma constante para transitar mais facilmente entre os momentos de felicidade e melancolia. 

MATURIDADE PARA EVITAR ROMANTIZAÇÕES 

Como um subgênero, filmes coming of age sempre retratam o crescimento pessoal, familiar ou profissional na adolescência. Nesse quesito gosto de pensar que ‘Dente de Leite’ é um coming of age elevado: suas discussões vão além do amadurecimento: elas perpassam questões mais sérias e urgentes. Sim, existem elementos clássicos do gênero como romance proibido, conflitos familiares e até mesmo a negação a antigos costumes pessoais, porém a existência do câncer para Milla permite uma relação de paridade com seus pais, tanto por seu amadurecimento frente à morte quanto pelos comportamentos errantes da família. 

A exemplo filmes recentes como ‘A Culpa é das Estrelas’ e ‘A Cinco Passos de Você’ sabemos que doenças terminais já foram utilizadas como recurso em produções deste gênero. E um dos pontos positivos de ‘Dente de Leite’ é justamente a abordagem do câncer de Milla porque ele não fica restrito à doença como outros longas adolescentes que romantizam essa situação. Mesmo com todos os efeitos da doença presentes no filme, o grande trunfo aqui é o foco em Milla e o amadurecimento sobre seus problemas. 

É possível perceber que Kalnejais possui o intuito de alcançar mais discussões importantes em seu roteiro. Embora isso fique somente em segundo plano, é compreensível a delimitação temática do longa e enfoque em uma narrativa coesa. Desta forma, ‘Dente de Leite’ consegue chamar atenção para a trama proposta desde sua primeira cena, sendo encerrada de forma melancólica e agradável ao mesmo tempo – tudo isso graças a abordagem de sua diretora que não deixa o longa parecer uma mera cópia de algo já visto anteriormente. 

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...