Indicado ao Leão de Ouro e vencedor do Prêmio Marcello Mastroianni de Ator Revelação para Toby Wallace no Festival de Veneza de 2019, ‘Dente de Leite’ repercutiu positivamente pelos festivais que passou. Isso se deve principalmente à estreia da australiana Shannon Murphy (‘Killing Eve’) na direção de um longa-metragem, a qual acerta ao abordar um tema tão rotirineiro no cinema: o amadurecimento adolescente. Sim, já existem filmes coming of age aos montes assim como obras que retratam o câncer atingindo adolescentes, porém, a visão de Murphy sobre a temática cria uma ótima história acerca de morte, juventude e família, sem ter receio de deixar o público angustiado com a realidade proposta. 

Sendo também uma estreia para Rita Kalnejais no roteiro, “Dente de Leite” tem como protagonista Milla (Eliza Scanlen, conhecida por viver a estranha irmã de Amy Adams na minissérie “Sharp Objects), uma adolescente com câncer terminal que se apaixona por Moses (Toby Wallace), um traficante viciado em drogas. Obviamente a proximidade de ambos não agrada aos pais da personagem, entretanto, a sua morte iminente torna possível a existência de um acordo que lhe mantenha feliz e perto de todos. Entretanto, a nova perspectiva de felicidade é melancólica e cercada de momentos desagradáveis para Milla. 

A grande dedicação do elenco para transitar entre a leveza de algumas cenas e a maturidade de outras, sem dúvida, se transforma em um dos pontos altos de “Dente de Leite”. No início morno do filme, alguns acontecimentos possuem notoriamente um peso na feição dos atores, como os diálogos entre os pais da garota, Anna (Essie Davis) e Henry (Ben Mendelsohn). Aos poucos, a construção dos personagens evolui e o elenco principal consegue acompanhar todos os estágios da doença de Milla. Nesse aspecto, Toby Wallace rouba os holofotes para si, sempre mostrando ao espectador o quanto ele eleva sua atuação a cada instabilidade do personagem. 

Apesar de possuir algumas cenas desinteressantes em seu primeiro momento, o longa consegue preparar o terreno para as cenas mais densas que começam a surgir na segunda parte. Durante toda a trama existe uma angústia notória envolvendo seus personagens, algo muito bem colocado na trilha sonora já que Milla e sua mãe possuem uma proximidade musical, sendo a trilha uma constante para transitar mais facilmente entre os momentos de felicidade e melancolia. 

MATURIDADE PARA EVITAR ROMANTIZAÇÕES 

Como um subgênero, filmes coming of age sempre retratam o crescimento pessoal, familiar ou profissional na adolescência. Nesse quesito gosto de pensar que ‘Dente de Leite’ é um coming of age elevado: suas discussões vão além do amadurecimento: elas perpassam questões mais sérias e urgentes. Sim, existem elementos clássicos do gênero como romance proibido, conflitos familiares e até mesmo a negação a antigos costumes pessoais, porém a existência do câncer para Milla permite uma relação de paridade com seus pais, tanto por seu amadurecimento frente à morte quanto pelos comportamentos errantes da família. 

A exemplo filmes recentes como ‘A Culpa é das Estrelas’ e ‘A Cinco Passos de Você’ sabemos que doenças terminais já foram utilizadas como recurso em produções deste gênero. E um dos pontos positivos de ‘Dente de Leite’ é justamente a abordagem do câncer de Milla porque ele não fica restrito à doença como outros longas adolescentes que romantizam essa situação. Mesmo com todos os efeitos da doença presentes no filme, o grande trunfo aqui é o foco em Milla e o amadurecimento sobre seus problemas. 

É possível perceber que Kalnejais possui o intuito de alcançar mais discussões importantes em seu roteiro. Embora isso fique somente em segundo plano, é compreensível a delimitação temática do longa e enfoque em uma narrativa coesa. Desta forma, ‘Dente de Leite’ consegue chamar atenção para a trama proposta desde sua primeira cena, sendo encerrada de forma melancólica e agradável ao mesmo tempo – tudo isso graças a abordagem de sua diretora que não deixa o longa parecer uma mera cópia de algo já visto anteriormente. 

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...