Poderia classificar “Depois a louca sou eu” como um retrato da geração contemporânea: volúvel, angustiada e buscando formas de conviver com seus próprios traumas. A produção dirigida por Julia Rezende (“Coisa Mais Linda“, “Ponte Aérea”), inspirada no livro homônimo de Tati Bernardi, utiliza pitadas de humor para discutir questões relacionadas a saúde mental e como gerencia-las no atual contexto.

Disponível no prime vídeo, a trama acompanha Dani (Debora Falabella), uma publicitária que desde a infância apresenta crises de pânico e ansiedade. A forma como Rezende conta a história evidencia que este quadro não foi escolha da personagem, mas sim um somatório de circunstâncias que a deixaram assim. Dessa maneira, a abordagem é eficaz e sensível ao explorar o cotidiano da protagonista, principalmente ao inserir elementos gráficos que tornam sua linguagem atual e descolada para atrair a geração tiktok.

Relações familiares e nossas fragilidades

O roteiro escrito por Gustavo Lipsztein (“Polícia Federal: A Lei é para Todos”) cria um diálogo muito pertinente com o momento em que nos encontramos e a fragilidade de nossas mentes e relações. Enquanto o filme inicia nos fazendo rir das situações vividas por Dani e sua criação neurótica, o caminho para os momentos mais tensos vai sendo pavimentado. Prova disso é que mesmo sendo cômico e absurdo a forma como seus familiares enxergam a vida, suas atitudes despertam incômodo e beiram realmente a insanidade; algo complicado de experimentar na primeira infância, mas, como diria Freud, determinante para moldar a existência.

Essa escolha narrativa aponta o verdadeiro embrião dessa comedia romântica: a relação mãe e filha. As paranoias e inseguranças da infância fortalecem o não rompimento do cordão umbilical. Por isso, a preocupação em torno da morte da mãe, o retorno frequente para o ninho quando as coisas desandam e a aprovação desta para a automedicação são fatores que norteiam a trajetória de Dani e servem como capítulos verossímeis da história. Afinal, estes são os momentos de maior solidez, sensibilidade e simbologia na comedia de Julia Rezende. E, de certa forma, nos oferece um retrato mais profundo, e que precisa ser avaliado, da geração contemporânea.

O rosto e a voz de Dani

Ter Debora Falabella interpretando a protagonista é um dos trunfos de “Depois a louca sou eu”. Ela oferece uma interpretação capaz de proporcionar sentimentos incômodos e conflitantes constantemente, levando, ao mesmo tempo, a identificação do espectador. A narrativa em off também possibilita que entendamos mais profundamente o que se passa na mente inquieta e angustiante da personagem.

Por interpreta-la em todos os momentos da juventude, as cenas de Falabella que mais chamam atenção são aquelas em que Rezende brinca com os estilos, como na crise de ansiedade pós término em que há uma coreografia sincronizada a uma breve animação. A direção eficiente em parceria com a atuação modula bem o estado da patologia emocional, sem cair em momentos artificiais ou que banalizem a doença – especialmente, ao percebermos a busca incessante da protagonista pela cura.

Leve, profunda e capaz de gerar identificação, vale a pena fazer um mergulho pela mente de Dani e compreender os aspectos que despertam as doenças emocionais/mentais. “Depois a louca sou eu” é um bom estudo de caso da nossa geração e, principalmente, um exemplar interessante da comédia nacional.

‘La Chimera’: a Itália como lugar de impossibilidade e contradição

Alice Rohrwacher tem um cinema muito pontual. A diretora, oriunda do interior da Toscana, costuma nos transportar para esta Itália que parece carregar consigo: bucólica, rural, encantadora e mágica. Fez isso em “As Maravilhas”, “Feliz como Lázaro” e até mesmo nos...

‘Late Night With the Devil’: preso nas engrenagens do found footage

A mais recente adição ao filão do found footage é este "Late Night With the Devil". Claramente inspirado pelo clássico britânico do gênero, "Ghostwatch", o filme dos irmãos Cameron e Colin Cairnes, dupla australiana trabalhando no horror independente desde a última...

‘Rebel Moon – Parte 2’: desastre com assinatura de Zack Snyder

A pior coisa que pode acontecer com qualquer artista – e isso inclui diretores de cinema – é acreditar no próprio hype que criam ao seu redor – isso, claro, na minha opinião. Com o perdão da expressão, quando o artista começa a gostar do cheiro dos próprios peidos, aí...

‘Meu nome era Eileen’: atrizes brilham em filme que não decola

Enquanto assistia “Meu nome era Eileen”, tentava fazer várias conexões sobre o que o filme de William Oldroyd (“Lady Macbeth”) se tratava. Entre enigmas, suspense, desejo e obsessão, a verdade é que o grande trunfo da trama se concentra na dupla formada por Thomasin...

‘Love Lies Bleeding’: estilo A24 sacrifica boas premissas

Algo cheira mal em “Love Lies Bleeding” e é difícil articular o quê. Não é o cheiro das privadas entupidas que Lou (Kristen Stewart) precisa consertar, nem da atmosfera maciça de suor acre que toma conta da academia que gerencia. É, antes, o cheiro de um estúdio (e...

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....