Poderia classificar “Depois a louca sou eu” como um retrato da geração contemporânea: volúvel, angustiada e buscando formas de conviver com seus próprios traumas. A produção dirigida por Julia Rezende (“Coisa Mais Linda“, “Ponte Aérea”), inspirada no livro homônimo de Tati Bernardi, utiliza pitadas de humor para discutir questões relacionadas a saúde mental e como gerencia-las no atual contexto.

Disponível no prime vídeo, a trama acompanha Dani (Debora Falabella), uma publicitária que desde a infância apresenta crises de pânico e ansiedade. A forma como Rezende conta a história evidencia que este quadro não foi escolha da personagem, mas sim um somatório de circunstâncias que a deixaram assim. Dessa maneira, a abordagem é eficaz e sensível ao explorar o cotidiano da protagonista, principalmente ao inserir elementos gráficos que tornam sua linguagem atual e descolada para atrair a geração tiktok.

Relações familiares e nossas fragilidades

O roteiro escrito por Gustavo Lipsztein (“Polícia Federal: A Lei é para Todos”) cria um diálogo muito pertinente com o momento em que nos encontramos e a fragilidade de nossas mentes e relações. Enquanto o filme inicia nos fazendo rir das situações vividas por Dani e sua criação neurótica, o caminho para os momentos mais tensos vai sendo pavimentado. Prova disso é que mesmo sendo cômico e absurdo a forma como seus familiares enxergam a vida, suas atitudes despertam incômodo e beiram realmente a insanidade; algo complicado de experimentar na primeira infância, mas, como diria Freud, determinante para moldar a existência.

Essa escolha narrativa aponta o verdadeiro embrião dessa comedia romântica: a relação mãe e filha. As paranoias e inseguranças da infância fortalecem o não rompimento do cordão umbilical. Por isso, a preocupação em torno da morte da mãe, o retorno frequente para o ninho quando as coisas desandam e a aprovação desta para a automedicação são fatores que norteiam a trajetória de Dani e servem como capítulos verossímeis da história. Afinal, estes são os momentos de maior solidez, sensibilidade e simbologia na comedia de Julia Rezende. E, de certa forma, nos oferece um retrato mais profundo, e que precisa ser avaliado, da geração contemporânea.

O rosto e a voz de Dani

Ter Debora Falabella interpretando a protagonista é um dos trunfos de “Depois a louca sou eu”. Ela oferece uma interpretação capaz de proporcionar sentimentos incômodos e conflitantes constantemente, levando, ao mesmo tempo, a identificação do espectador. A narrativa em off também possibilita que entendamos mais profundamente o que se passa na mente inquieta e angustiante da personagem.

Por interpreta-la em todos os momentos da juventude, as cenas de Falabella que mais chamam atenção são aquelas em que Rezende brinca com os estilos, como na crise de ansiedade pós término em que há uma coreografia sincronizada a uma breve animação. A direção eficiente em parceria com a atuação modula bem o estado da patologia emocional, sem cair em momentos artificiais ou que banalizem a doença – especialmente, ao percebermos a busca incessante da protagonista pela cura.

Leve, profunda e capaz de gerar identificação, vale a pena fazer um mergulho pela mente de Dani e compreender os aspectos que despertam as doenças emocionais/mentais. “Depois a louca sou eu” é um bom estudo de caso da nossa geração e, principalmente, um exemplar interessante da comédia nacional.

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...