Poderia classificar “Depois a louca sou eu” como um retrato da geração contemporânea: volúvel, angustiada e buscando formas de conviver com seus próprios traumas. A produção dirigida por Julia Rezende (“Coisa Mais Linda“, “Ponte Aérea”), inspirada no livro homônimo de Tati Bernardi, utiliza pitadas de humor para discutir questões relacionadas a saúde mental e como gerencia-las no atual contexto.

Disponível no prime vídeo, a trama acompanha Dani (Debora Falabella), uma publicitária que desde a infância apresenta crises de pânico e ansiedade. A forma como Rezende conta a história evidencia que este quadro não foi escolha da personagem, mas sim um somatório de circunstâncias que a deixaram assim. Dessa maneira, a abordagem é eficaz e sensível ao explorar o cotidiano da protagonista, principalmente ao inserir elementos gráficos que tornam sua linguagem atual e descolada para atrair a geração tiktok.

Relações familiares e nossas fragilidades

O roteiro escrito por Gustavo Lipsztein (“Polícia Federal: A Lei é para Todos”) cria um diálogo muito pertinente com o momento em que nos encontramos e a fragilidade de nossas mentes e relações. Enquanto o filme inicia nos fazendo rir das situações vividas por Dani e sua criação neurótica, o caminho para os momentos mais tensos vai sendo pavimentado. Prova disso é que mesmo sendo cômico e absurdo a forma como seus familiares enxergam a vida, suas atitudes despertam incômodo e beiram realmente a insanidade; algo complicado de experimentar na primeira infância, mas, como diria Freud, determinante para moldar a existência.

Essa escolha narrativa aponta o verdadeiro embrião dessa comedia romântica: a relação mãe e filha. As paranoias e inseguranças da infância fortalecem o não rompimento do cordão umbilical. Por isso, a preocupação em torno da morte da mãe, o retorno frequente para o ninho quando as coisas desandam e a aprovação desta para a automedicação são fatores que norteiam a trajetória de Dani e servem como capítulos verossímeis da história. Afinal, estes são os momentos de maior solidez, sensibilidade e simbologia na comedia de Julia Rezende. E, de certa forma, nos oferece um retrato mais profundo, e que precisa ser avaliado, da geração contemporânea.

O rosto e a voz de Dani

Ter Debora Falabella interpretando a protagonista é um dos trunfos de “Depois a louca sou eu”. Ela oferece uma interpretação capaz de proporcionar sentimentos incômodos e conflitantes constantemente, levando, ao mesmo tempo, a identificação do espectador. A narrativa em off também possibilita que entendamos mais profundamente o que se passa na mente inquieta e angustiante da personagem.

Por interpreta-la em todos os momentos da juventude, as cenas de Falabella que mais chamam atenção são aquelas em que Rezende brinca com os estilos, como na crise de ansiedade pós término em que há uma coreografia sincronizada a uma breve animação. A direção eficiente em parceria com a atuação modula bem o estado da patologia emocional, sem cair em momentos artificiais ou que banalizem a doença – especialmente, ao percebermos a busca incessante da protagonista pela cura.

Leve, profunda e capaz de gerar identificação, vale a pena fazer um mergulho pela mente de Dani e compreender os aspectos que despertam as doenças emocionais/mentais. “Depois a louca sou eu” é um bom estudo de caso da nossa geração e, principalmente, um exemplar interessante da comédia nacional.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...