Se “Vermelho Sol” funciona como um filme sobre o clima antes do início de uma ditadura, “Deslembro” faz o mesmo retratando os traumas deixados pela mesma. Situado no período da abertura política do Brasil com a Lei da Anistia em 1979, o longa, escrito e dirigido por Flávia Castro, consegue retratar a angústia de uma família marcada por separações com sensibilidade.

Deslembro” começa em Paris, onde vive Joana (Jeanne Boudier), filha de dois exilados políticos. Após ter crescido na Europa, a garota não aceita a possibilidade de voltar ao Brasil junto com os pais, a ponto de rasgar o próprio passaporte para atrasar o quanto puder a viagem. Ana (Sara Antunes), sua mãe, é brasileira e mora com Luis (Julián Marras), chileno. O casal é reflexo dos rompimentos causados pelos regimes totalitários visto que ambos perderam seus pares nos respectivos países. Completando a família estão Paco (Arthur Raynaud), filho de Luis com sua ex-esposa, e Leon, irmão de Joana.

Logo de cara, nota-se uma das escolhas do roteiro que Flávia Castro utiliza para mostrar a perda de identidade e distanciamento que Joana tem com seu país natal. Enquanto a mãe prefere conversar em português, a filha fica no francês em todos os momentos em Paris, mesmo que saiba falar perfeitamente português. Esse detalhe a acompanha durante a obra e é usado como elemento dramático nos momentos em que Joana, já no Brasil, retorna ao francês para poder demonstrar sua raiva nos momentos de fúria.

A caracterização da personagem continua em sua roupa. Utilizando sempre o cinza ou preto, ela parece estar sempre em um constante luto por seu pai biológico e pelo lugar em que está agora. Distante do mundo que conhecia e dos amigos com quem falava, Joana sempre busca estar alheia de sua nova realidade no Brasil, seja escutando música em seu Walkman ou ainda lendo livros em francês. Esse distanciamento parece diminuir quando começa a conversar com sua avó paterna (Eliane Giardini) e encontra ali um ombro amigo para falar sobre seus sentimentos e conhecer um pouco sobre o homem que nunca teve realmente um contato.

E são nesses momentos sobre o passado, e como ele retorna para assombrar o presente, que chama a atenção em “Deslembro”. Como o pai de Joana é um “desaparecido político”, isso acaba sendo não somente um empecilho emocional, como também prático. Por não existir uma certidão de óbito, Joana não pode nem sequer participar de uma simples excursão escolar. E aquele fato termina por continuar sempre presente para a garota, mesmo que tente esquecer.

Joana aidna se sente frustrada com a mãe por não conseguir conversar com ela sobre o que aconteceu com o pai. Em uma cena bastante emocionante, a protagonista briga com a mãe na cozinha por ainda achar que o pai não está morto, por não saber o que significa realmente “desaparecido”. Ana fica em silêncio, sem dar nenhuma resposta, evitando qualquer tipo de fala e sai com raiva do ambiente. Nessa ocasião, é impossível dizer qual das duas está errada: Joana explode por não saber o que aconteceu, e sua mãe se esconde em uma casca onde busca apenas evitar relembrar o passado traumático.

PECULIARIDADES BRASILEIRAS EM CARÁTER UNIVERSAL

No quesito de atuação, o elenco é muito bom por conseguir manter estes detalhes na forma de lidar com questões tão espinhosas. Jeanne Boudier encarna Joana de forma a mostrar a ambivalência da personagem: quando não recebe a resposta que quer explode em raiva, mas, ao mesmo tempo, é capaz de oferecer carinho para as pessoas que deixa entrar em sua vida. Já Sara Antunes consegue ser o oposto da filha em uma atuação marcada por sua euforia nesse novo início no Brasil, mas com uma certa melancolia visto o que ocorreu antes.

A estrutura de “Deslembro” é marcada por sua linearidade, interrompida em breves momentos que dão destaque a curtos lapsos de memória de Joana quando criança. É justamente esse caráter de “invasão” e de “quebra” que dão ao filme um apelo estético mais atraente. Com montagem de Flávia Castro e François Gédigier, a dupla realiza um trabalho de colagem em algumas sequências para poder dar fluidez e, mais na frente, quebrar este ritmo.

Além disso, é através da montagem que algumas cenas conseguem ter um impacto emocional maior. Isso é evidenciado na hora em que Joana está em um piquenique na floresta e um jogo de câmera e cortes implicam uma sensação de agonia e claustrofobia, revelando um deslocamento da protagonista naquele novo ambiente. Isso também é visível em uma constante utilização de colagens de calçadas com algum tipo de rachadura, utilizadas como símbolo em alguns momentos para ressaltar a realidade imposta a família de Joana.

A fotografia do filme é outro destaque: Heloísa Passos traz uma visão pautada pelo uso de câmera na mão e planos onde é evidente o vazio dos personagens, pela forma que são jogados para o extremo da tela. É bastante poético o contraste entre o apartamento colorido da família de Joana em Paris e o ambiente inóspito, cinza e vazio da nova residência no Brasil. Um reflexo sobre a reconstrução e o retorno para algo deixado e esquecido há muito tempo.

Deslembro”, ao fim, funciona como um filme dedicado para aqueles que perderam e, até hoje, lutam para encontrar algum tipo de conforto dado os crimes cometidos durante a ditadura. Os dramas que o filme busca representar, nnão ficam presos somente àquele contexto histórico. O sentimento de perda de um ente querido ou a expulsão de terras por um grupo alheio ao seu são universais e, infelizmente, continuam acontecendo todos os dias no Brasil. E é esse caráter universal de como “Deslembro” trabalha sua narrativa que transforma o filme em mais um destaque deste rico ano de 2019 para a produção nacional.

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...

CRÍTICA | ‘Um Tira da Pesada 4’: o filme mais preguiçoso da temporada

Quarenta anos depois, a cidade de Detroit continua feia e o astro Eddie Murphy muito engraçado... e preguiçoso. Este Um Tira da Pesada 4: Axel Foley, nova continuação do sucesso de 1984 que transformou Murphy em mega astro mundial, chega à Netflix como um exercício de...

Review ‘Beverly Hills Cop: Axel F’: The Laziest Film of the Season

Forty years later, the city of Detroit remains grim, and star Eddie Murphy remains very funny... and lazy. This latest installment, "Beverly Hills Cop: Axel F," a new sequel to the 1984 hit that turned Murphy into a global megastar, arrives on Netflix as a nostalgia...

CRÍTICA | ‘Praia Formosa’: a escravidão como reconstituição de cacos de uma escavação arqueológica

Remetendo a uma ideia de terror arqueológico, "Praia Formosa" é um filme que revira o passado e é sobre esse revirar. Sobre mexer no que estava se assentando. Impedindo esta acomodação. Feito a partir de uma literal escavação, quando a documentarista Julia de Simone...

CRÍTICA | ‘O Rancho da Goiabada ou Pois é, meu camarada, Fácil, Fácil a Vida’: uma ode ao proletariado

Os boias-frias quando tomam umas biritasEspantando a tristezaSonham com bife à cavalo, batata fritaE a sobremesaÉ goiabada cascão, com muito queijo, depois caféCigarro e o beijo de uma mulata chamadaLeonor, ou Dagmar A estrofe de João Bosco pode muito bem ser sinopse...

‘Pepe’: realismo mágico impacta pelo virtuosismo técnico em pitoresco causo latino-americano 

Nada de novo em pegar histórias pitorescas da América-Latina e submetê-las ao conceito de realismo mágico. Na literatura daqui e na experiência de se viver aqui faz muito sentido olhar para as coisas dessa forma. A piada de que o Brasil ou qualquer país do...

Review ‘I Saw the TV Glow’: Pure Nostalgia Prevails Over False Complexity

Directed by Jane Schoenbrun, “I Saw the TV Glow” follows the life of Owen (Justice Smith), a socially isolated seventh-grader who meets Maddy (Brigette Lundy-Paine), a ninth-grader, when he sees her reading an episode guide for the youth show “The Pink Opaque.”...