Avalanches podem assolar as mesmas montanhas de vez em quando, mas raios raramente atingem o mesmo local duas vezes. “Downhill“, o remake em inglês de “Força Maior”, de Ruben Östlund, faz o possível para fazer justiça ao material original, mas os resultados são tão pálidos quanto a neve em comparação. 

Aqui, Julia Louis-Dreyfus e Will Ferrell são Billie e Pete Staunton, um casal americano que está definitivamente fora de sua fase de lua de mel e tentando tirar o máximo proveito de uma viagem para esquiar nos Alpes. Apesar da ocasião, Pete permanece distante o tempo todo, constantemente checando seu telefone e invejando a vida de seu amigo mais novo, Zach (Zach Woods). Quando uma avalanche envolve a varanda de um restaurante onde a família está descansando e Pete abandona brevemente sua esposa e filhos ao caos, a fratura da família fica exposta e o casal deve enfrentar seus problemas de frente. 

No centro da história, o drama familiar dos Stauntons se transforma em uma jornada dupla desconfortável para atores incríveis. Louis-Dreyfus e Ferrell – comediantes de alto nível que compartilham uma história de interpretar personagens maiores do que a vida – apresentam algumas de suas performances mais contidas aqui. 

Entre os dois, a estrela de “Veep” assume o papel mais denso e o arco narrativo de Billie permite que ela explore uma gama mais ampla de emoções do que o personagem de Ferrell. Atuando como agente provocadora, a maluca gerente de hotel Charlotte (Miranda Otto) é uma ótima fonte de humor, apesar de ser relativamente solitária na função. 

PARA FAZER HOLLYWOOD REFLETIR 

Se o espectador casual assistir “Downhill” sem antecedentes, ele poderá se divertir, dependendo da tolerância ao humor estridente. Os diretores Nat Faxon e Jim Nash imitam a aura de seu antecessor com algum sucesso e, na maioria das vezes, se desenrola como a comédia de arte européia na qual se baseia. 

No entanto, a semelhança com “Força Maior” impede que a comparação seja deixada de lado. A acidez e o puro desconforto dos escritos de Östlund são consideravelmente reduzidos para o grande público. Os golpes não são tão fortes e não parece haver nenhuma razão explícita para esse projeto ser feito – especialmente considerando o quão bem o filme sueco indicado ao Oscar abordou esse conto de falta de comunicação, sofrimento conjugal e masculinidade frágil seis anos atrás. 

À medida que o streaming amplia o apelo global por produções em língua estrangeira como nunca antes, com algumas delas ganhando grande reconhecimento popular, Hollywood repensará seu modelo antiquado de remakes sem sentido em inglês? Só o tempo irá dizer. Enquanto isso, “Downhill” permanece como um filme que, embora não seja exatamente ruim, não diz nada de novo e cuja memória derrete rapidamente. 

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...

‘Malcolm & Marie’: egotrip de um diretor mimado dentro e fora das telas

Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados - “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) - o filho de Barry Levinson (“Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36...

‘Nomadland’: a jornada é mais importante que o destino

É uma terra fria a que vemos em Nomadland. No filme da diretora Chloé Zhao, o interior dos Estados Unidos é um espaço gelado e dilapidado. Ambientado alguns anos após a crise econômica de 2008, no filme acompanhamos a viúva Fern, interpretada por Frances McDormand,...