Avalanches podem assolar as mesmas montanhas de vez em quando, mas raios raramente atingem o mesmo local duas vezes. “Downhill“, o remake em inglês de “Força Maior”, de Ruben Östlund, faz o possível para fazer justiça ao material original, mas os resultados são tão pálidos quanto a neve em comparação. 

Aqui, Julia Louis-Dreyfus e Will Ferrell são Billie e Pete Staunton, um casal americano que está definitivamente fora de sua fase de lua de mel e tentando tirar o máximo proveito de uma viagem para esquiar nos Alpes. Apesar da ocasião, Pete permanece distante o tempo todo, constantemente checando seu telefone e invejando a vida de seu amigo mais novo, Zach (Zach Woods). Quando uma avalanche envolve a varanda de um restaurante onde a família está descansando e Pete abandona brevemente sua esposa e filhos ao caos, a fratura da família fica exposta e o casal deve enfrentar seus problemas de frente. 

No centro da história, o drama familiar dos Stauntons se transforma em uma jornada dupla desconfortável para atores incríveis. Louis-Dreyfus e Ferrell – comediantes de alto nível que compartilham uma história de interpretar personagens maiores do que a vida – apresentam algumas de suas performances mais contidas aqui. 

Entre os dois, a estrela de “Veep” assume o papel mais denso e o arco narrativo de Billie permite que ela explore uma gama mais ampla de emoções do que o personagem de Ferrell. Atuando como agente provocadora, a maluca gerente de hotel Charlotte (Miranda Otto) é uma ótima fonte de humor, apesar de ser relativamente solitária na função. 

PARA FAZER HOLLYWOOD REFLETIR 

Se o espectador casual assistir “Downhill” sem antecedentes, ele poderá se divertir, dependendo da tolerância ao humor estridente. Os diretores Nat Faxon e Jim Nash imitam a aura de seu antecessor com algum sucesso e, na maioria das vezes, se desenrola como a comédia de arte européia na qual se baseia. 

No entanto, a semelhança com “Força Maior” impede que a comparação seja deixada de lado. A acidez e o puro desconforto dos escritos de Östlund são consideravelmente reduzidos para o grande público. Os golpes não são tão fortes e não parece haver nenhuma razão explícita para esse projeto ser feito – especialmente considerando o quão bem o filme sueco indicado ao Oscar abordou esse conto de falta de comunicação, sofrimento conjugal e masculinidade frágil seis anos atrás. 

À medida que o streaming amplia o apelo global por produções em língua estrangeira como nunca antes, com algumas delas ganhando grande reconhecimento popular, Hollywood repensará seu modelo antiquado de remakes sem sentido em inglês? Só o tempo irá dizer. Enquanto isso, “Downhill” permanece como um filme que, embora não seja exatamente ruim, não diz nada de novo e cuja memória derrete rapidamente. 

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...