Avalanches podem assolar as mesmas montanhas de vez em quando, mas raios raramente atingem o mesmo local duas vezes. “Downhill“, o remake em inglês de “Força Maior”, de Ruben Östlund, faz o possível para fazer justiça ao material original, mas os resultados são tão pálidos quanto a neve em comparação. 

Aqui, Julia Louis-Dreyfus e Will Ferrell são Billie e Pete Staunton, um casal americano que está definitivamente fora de sua fase de lua de mel e tentando tirar o máximo proveito de uma viagem para esquiar nos Alpes. Apesar da ocasião, Pete permanece distante o tempo todo, constantemente checando seu telefone e invejando a vida de seu amigo mais novo, Zach (Zach Woods). Quando uma avalanche envolve a varanda de um restaurante onde a família está descansando e Pete abandona brevemente sua esposa e filhos ao caos, a fratura da família fica exposta e o casal deve enfrentar seus problemas de frente. 

No centro da história, o drama familiar dos Stauntons se transforma em uma jornada dupla desconfortável para atores incríveis. Louis-Dreyfus e Ferrell – comediantes de alto nível que compartilham uma história de interpretar personagens maiores do que a vida – apresentam algumas de suas performances mais contidas aqui. 

Entre os dois, a estrela de “Veep” assume o papel mais denso e o arco narrativo de Billie permite que ela explore uma gama mais ampla de emoções do que o personagem de Ferrell. Atuando como agente provocadora, a maluca gerente de hotel Charlotte (Miranda Otto) é uma ótima fonte de humor, apesar de ser relativamente solitária na função. 

PARA FAZER HOLLYWOOD REFLETIR 

Se o espectador casual assistir “Downhill” sem antecedentes, ele poderá se divertir, dependendo da tolerância ao humor estridente. Os diretores Nat Faxon e Jim Nash imitam a aura de seu antecessor com algum sucesso e, na maioria das vezes, se desenrola como a comédia de arte européia na qual se baseia. 

No entanto, a semelhança com “Força Maior” impede que a comparação seja deixada de lado. A acidez e o puro desconforto dos escritos de Östlund são consideravelmente reduzidos para o grande público. Os golpes não são tão fortes e não parece haver nenhuma razão explícita para esse projeto ser feito – especialmente considerando o quão bem o filme sueco indicado ao Oscar abordou esse conto de falta de comunicação, sofrimento conjugal e masculinidade frágil seis anos atrás. 

À medida que o streaming amplia o apelo global por produções em língua estrangeira como nunca antes, com algumas delas ganhando grande reconhecimento popular, Hollywood repensará seu modelo antiquado de remakes sem sentido em inglês? Só o tempo irá dizer. Enquanto isso, “Downhill” permanece como um filme que, embora não seja exatamente ruim, não diz nada de novo e cuja memória derrete rapidamente. 

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...

‘O Samba é Primo do Jazz’: documentário trivial sobre Alcione

Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus...

‘Extratos’: a melancolia de uma fuga pela existência

Dois gigantes do cinema brasileiro juntos em fuga da repressão pesada da ditadura militar compõe o documentário “Extratos”, dirigido por Sinai Sganzerla e selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020. Mais do que o...

‘Wander Vi’: protagonista segura filme no limite do correto

Candidato do Distrito Federal na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Wander Vi”, de Augusto Borges e Nathalya Brum, é, ao lado de “Blackout”, verdadeira incógnita desta seleção. Trata-se, sem dúvida, de uma produção com boa...