Mais conhecida pela vasta carreira como atriz, Amy Seimetz (Cemitério Maldito e ‘Alien: Covenant) também se arrisca em alguns trabalhos na direção de filmes independentes e séries como Atlanta. Sua produção mais recente, ‘Ela Morre Amanhã’, foi baseada em sua própria ansiedade e consegue mostrar de forma bem-sucedida a essência desses conflitos pessoais e de seu propósito como diretora. Entretanto, mesmo sendo muito bom na temática que propõe, o filme é refém de si próprio e não consegue desenvolver outras tramas além da principal, se desgastando pela linearidade narrativa. 

De forma muito simples, “Ela Morre Amanhã” aborda a protagonista Amy (Kate Lyn Sheil)  que acorda achando que irá morrer no dia seguinte. Ao dizer sua premonição para a amiga Jane (Jane Adams), ela cria uma rede de pessoas que também passa a acreditar ter a morte marcada para amanhã. Tal situação é enfrentada de forma diferente pelos personagens, mas sempre cercada de angústia, ansiedade e diálogos filosóficos. 

Ao colocar uma temática tão pessoal em seu projeto, Amy ressalta a sensibilidade e destreza de fazer esta narrativa ser acessível como se a própria tivesse atuando na produção, conversando com o público. Isto por si só é um grande feito considerando a dificuldade pessoal de falar sobre transtornos psicológicos e a própria negligência de diversos filmes ao tentar abordar esse tema. Mesmo que a ansiedade não seja propriamente dita no longa, diálogos como “estou bem, não, não estou bem” e outras seguidas dualidades, apreensões e conflitos pessoais conseguem passar a sensação de constante angústia. 

A criação de diferentes núcleos de personagens torna mais dinâmico o enfrentamento da morte, gerando interesse em cada trama. Porém, qualquer que seja o cenário, “Ela Morre Amanhã” força o espectador a refletir juntamente de seus personagens, a pensar e mergulhar na vastidão de angústia presente, o que é muito bom pelo lado imersivo e por seu propósito, mas, verdadeiramente incômodo para quem assiste. 

TUDO IRRITANTEMENTE IGUAL 

A escolha de criar diferentes cenários de personagens tinha tudo para enriquecer a narrativa através novas possibilidades e pensamentos sobre a morte. Porém, diferente disso, todos eles são tomados por uma grande sinceridade, tornando a narrativa linear mesmo com a mudança de cenário. Assim, não existem momentos mais fortes ou memoráveis que outros e sim uma coesão incômoda por tudo parecer sempre igual. 

É neste ponto de não se arriscar mais, não procurar evoluir seus diálogos extremamente filosóficos e nada casuais que “Ela Morre Amanhã” perde o interesse. Mesmo possuindo apenas 1h30 de duração, a ideia de morte contagiosa do filme parece até ser real podendo alcançar o espectador com o tédio intuído por sua linearidade. Acredito que isso ocorra justamente pela ausência de conflito, contraste, de aprofundamento em seus personagens e falta de outro direcionamento além da morte. 

Definitivamente, ‘Ela Morre Amanhã’ é um grande filme por sua abordagem sobre ansiedade e enfrentamento da morte, mas, ao mesmo tempo, que essa honestidade é positiva, ela também repele o público por não minimizar ou esconder a urgência temática, a qual não é tão prazerosa de se enfrentar (mesmo que somente na posição de espectador). Esse tipo de fidelidade à proposta também exerce um aspecto negativo de priorizar o conceito ao invés de desenvolver uma coerência narrativa, a qual seria muito bem-vinda para tornar sua experiência mais completa e atrativa. 

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...