“Ema”, novo filme de Pablo Larraín (“Jackie”) exibido no Festival de Londres, começa em chamas – uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro – o drama histórico -, o chileno entrega um estudo de personagem moderno e cheio de tensão centrado em uma atuação poderosa de Mariana di Girolamo.

Ela interpreta a personagem-título, dançarina cujo casamento com o coreógrafo Gastón (Gael García Bernal) passa por uma crise profunda desde a adoção malsucedida do órfão Polo. Sem nada que lhe sirva de base, ela inicia uma revolução só para conseguir se reaproximar do menino – custe o que custar. A mesma trama poderia servir de base a um filme estilo Supercine, mas Larraín se recusa a apresentar respostas fáceis e o resultado é um filme avant-garde tanto na forma quanto no conteúdo.

Em uma entrevista recente, o cineasta mencionou a existência de um primeiro corte que seu círculo próximo achou incompreensível, depois do qual ele criou a atual versão do longa, organizada em três atos. Enquanto esses atos são perceptíveis, “Ema” se desenrola largamente como um fluxo de consciência, com as cores sensacionais captadas pelo diretor de fotografia Sergio Armstrong dando ares de delírio a toda a ação.

LIBERDADE A QUALQUER CUSTO

 

No mosaico criado pelo filme, o universo da dança, as paisagens da cidade litorânea Valparaíso e a trilha enérgica – composta por Nicolas Jaar, conterrâneo do diretor – refletem e amplificam o desejo incontrolável da protagonista por liberdade. O roteiro, escrito por Larraín juntamente com Guillermo Calderón e Alejandro Moreno, não se exime de ancorar a história a uma personagem instável e difícil de causar empatia.

O paradoxo de Ema é que ela almeja ser livre quase com a mesma intensidade que deseja ser mãe – e nem sempre esses dois objetivos são compatíveis. Muito de sua verve materna vem com uma vontade de transcender sua turbulência emocional. Sua incapacidade em lidar com o escopo da vida é refletida em sua piromania, a qual ela acaba tragicamente ensinando ao seu então filho adotivo. Como na saga literária infanto-juvenil “Desventuras em Série“, para Ema, o fogo é uma forma de fuga que oblitera o passado.

Diante da infertilidade de Gastón e de um processo de adoção que termina em trauma, ela se vê desesperada e tomando atitudes cada vez mais egoístas e maquiavélicas para conseguir o que quer, sem nenhum tipo de remorso. É evidente que, fora do circuito de festivais, “Ema” terá mais facilidade de cair nas graças do público que embarcar emocionalmente nessas atitudes. Com coragem, Larraín entrega uma de suas melhores obras: um filme tão indomável e indefinível como sua protagonista.

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Sundown’: apatia generalizada em filme monótono

“Sundown”, novo filme do mexicano Michel Franco (“Depois de Lúcia”), tenta responder a velha pergunta: como seria começar de novo? A produção com Tim Roth (“Luce”) e Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”), que teve estreia em Veneza e foi exibida no Festival de Londres...

‘A Crônica Francesa’: Wes Anderson joga para torcida ao celebrar o jornalismo

Descrito como uma "carta de amor aos jornalistas", "A Crônica Francesa" é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme...

‘Great Freedom’: a luta para ser quem se é independente das consequências

Amor, tesão e tragédia dão a tônica de "Great Freedom", o belo e potente novo filme de Sebastian Meise. A co-produção Áustria-Alemanha, que estreou (e foi premiada) na seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, foi exibida no Festival de Londres deste ano. O drama de...

‘The Souvenir Parte II’: Joanna Hogg muda tom e cria sequência metalinguística

A diretora Joanna Hogg continua seu exercício em autoficção em "The Souvenir Parte II", sequência do premiado sucesso de 2019. O filme, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, começa exatamente no mesmo ponto em que seu predecessor...

‘Titane’: Julia Ducournau arrisca tudo com horror no limite

Dependendo da forma como você o vê, "Titane" é um horror porrada no estômago, uma hilária comédia de humor negro ou um drama sobre pessoas muito, mas muito quebradas. O filme ganhador da cobiçada Palma de Ouro - prêmio máximo do Festival de Cannes - deste ano e...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...