“Ema”, novo filme de Pablo Larraín (“Jackie”) exibido no Festival de Londres, começa em chamas – uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro – o drama histórico -, o chileno entrega um estudo de personagem moderno e cheio de tensão centrado em uma atuação poderosa de Mariana di Girolamo.

Ela interpreta a personagem-título, dançarina cujo casamento com o coreógrafo Gastón (Gael García Bernal) passa por uma crise profunda desde a adoção malsucedida do órfão Polo. Sem nada que lhe sirva de base, ela inicia uma revolução só para conseguir se reaproximar do menino – custe o que custar. A mesma trama poderia servir de base a um filme estilo Supercine, mas Larraín se recusa a apresentar respostas fáceis e o resultado é um filme avant-garde tanto na forma quanto no conteúdo.

Em uma entrevista recente, o cineasta mencionou a existência de um primeiro corte que seu círculo próximo achou incompreensível, depois do qual ele criou a atual versão do longa, organizada em três atos. Enquanto esses atos são perceptíveis, “Ema” se desenrola largamente como um fluxo de consciência, com as cores sensacionais captadas pelo diretor de fotografia Sergio Armstrong dando ares de delírio a toda a ação.

LIBERDADE A QUALQUER CUSTO

 

No mosaico criado pelo filme, o universo da dança, as paisagens da cidade litorânea Valparaíso e a trilha enérgica – composta por Nicolas Jaar, conterrâneo do diretor – refletem e amplificam o desejo incontrolável da protagonista por liberdade. O roteiro, escrito por Larraín juntamente com Guillermo Calderón e Alejandro Moreno, não se exime de ancorar a história a uma personagem instável e difícil de causar empatia.

O paradoxo de Ema é que ela almeja ser livre quase com a mesma intensidade que deseja ser mãe – e nem sempre esses dois objetivos são compatíveis. Muito de sua verve materna vem com uma vontade de transcender sua turbulência emocional. Sua incapacidade em lidar com o escopo da vida é refletida em sua piromania, a qual ela acaba tragicamente ensinando ao seu então filho adotivo. Como na saga literária infanto-juvenil “Desventuras em Série“, para Ema, o fogo é uma forma de fuga que oblitera o passado.

Diante da infertilidade de Gastón e de um processo de adoção que termina em trauma, ela se vê desesperada e tomando atitudes cada vez mais egoístas e maquiavélicas para conseguir o que quer, sem nenhum tipo de remorso. É evidente que, fora do circuito de festivais, “Ema” terá mais facilidade de cair nas graças do público que embarcar emocionalmente nessas atitudes. Com coragem, Larraín entrega uma de suas melhores obras: um filme tão indomável e indefinível como sua protagonista.

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

Festival de Londres 2020 – Mads Mikkelsen brilhante e ‘Ammonite’ decepciona

O correspondente internacional do Cine Set, Lucas Pistilli, conversa com Caio Pimenta sobre os destaques do Festival de Londres 2020. https://www.youtube.com/watch?v=XhaVGD7TQF8

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...

‘Ema’: Pablo Larraín mexe com a cabeça do público em filme indomável

"Ema", novo filme de Pablo Larraín ("Jackie") exibido no Festival de Londres, começa em chamas - uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro - o drama histórico -, o...

‘Dois Papas’: Anthony Hopkins e Jonathan Pryce em atuações abençoadas

Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, "Dois Papas" é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres,...

‘Entre Facas e Segredos’: Rian Johnson retorna às raízes em grande comédia

O que você faz depois de abalar as estruturas de uma das maiores franquias cinematográficas da história? Pois Rian Johnson resolveu voltar às origens. “Entre Facas e Segredos”, seu primeiro filme desde “Star Wars: Os Últimos Jedi”, é uma comédia sensacional que remete...