Jane Austen construiu um dos romances mais reais, plausíveis e icônicos de todos os tempos. Afinal de contas, quem não admira a história de amor de “Orgulho e Preconceito”? É de sua autoria também, no entanto, uma das protagonistas mais fúteis e egoístas da literatura. E, agora, a diretora Autumn de Wilde resolveu dar vida nos cinemas para uma nova versão de “Emma”.

O filme retrata a rotina de Emma Woodhouse (Anya Taylor-Joy), uma mulher de 21 anos que acredita que sua missão é juntar casais e levá-los ao matrimônio. Para isso, ela se intromete na vida das pessoas sem medir as consequências. O roteiro escrito por Eleanor Catton preocupa-se em cobrir todo o livro de Jane Austen, seguindo fielmente a obra da escritora inglesa. A questão é que essa escolha torna o filme enfadonho e, de certa forma, irritante.

A direção de arte e o design de produção nos conduzem ao interior da Inglaterra no Século XIX: o ambiente bucólico, a aristocracia regada a questionamentos superficiais, as mansões mais parecidas com museus e as belas paisagens – estas já comumente popularizadas pelas adaptações das obras de Austen. Esses elementos somados a constante trilha sonora denotam um tom de fábula à produção.

ADAPTAÇÃO FIEL ATÉ DEMAIS

Toda a projeção é exageradamente teatral , o que contribui para o tom irreal do que vê-se em tela. Emma é uma heroína fútil, arrogante e egoísta. Se transportássemos a personagem para o Século XX, ela poderia ser facilmente uma abelha rainha, seu comportamento até mesmo poderia suscitar adeptos. Provavelmente, no entanto, a personagem presente na adaptação de Wilde não conseguiria gerar tanta identificação e isso se deve a interpretação de Taylor-Joy. Elogiada por seu em “A Bruxa” e “Fragmentado”, aqui, sua atuação oscila entre o robótico e o exagerado. De certo, que todas as atuações no longa estão excessivas, porém a da protagonista e a de Josh O’Connor mostram-se mais afetadas.

Esse tom destoante nas interpretações acaba por não estabelecer afinidade com os personagens, já que todos eles soam detestáveis em diferentes níveis. Talvez o que menos desperte esse olhar seja Mr. Knightley (Johnny Flynn), mas isso deve por ele parecer mais deslocado do que os outros. O personagem deveria ser uma versão menos robusta, mas igualmente admirável de Darcy (“Orgulho e Preconceito”), Coronel Brandon (“Razão e Sensibilidade”) e Frederick Wentworth (“Persuasão”); entretanto suas expressões faciais deixam-no apenas amuado e bem distante da figura do homem mais velho romântico tão presente no universo de Austen. O fato de Taylor-Joy e Flynn terem pouca química, também contribui.

“Emma” é uma das primeiras incursões de Autumn de Wilde na direção de longas-metragens e talvez isso tenha contribuído para o tom exagerado da produção. Apesar disso, é sempre bom ver as impressões visuais que as pessoas têm sobre obras literárias. Só espero que, da próxima vez, a fidelidade não sobreponha a criatividade.

‘Era uma vez um Sonho’: filme atualiza definição de insuportável

Era Uma Vez um Sonho é um filme sobre a importância da família. Até aí tudo bem, o cinema explora esse tema praticamente desde que se consolidou como forma de narrativa. Mas, ao final do filme, a sensação mais forte que fica é a de pensar “puxa, ainda bem que essas...

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...