Jane Austen construiu um dos romances mais reais, plausíveis e icônicos de todos os tempos. Afinal de contas, quem não admira a história de amor de “Orgulho e Preconceito”? É de sua autoria também, no entanto, uma das protagonistas mais fúteis e egoístas da literatura. E, agora, a diretora Autumn de Wilde resolveu dar vida nos cinemas para uma nova versão de “Emma”.

O filme retrata a rotina de Emma Woodhouse (Anya Taylor-Joy), uma mulher de 21 anos que acredita que sua missão é juntar casais e levá-los ao matrimônio. Para isso, ela se intromete na vida das pessoas sem medir as consequências. O roteiro escrito por Eleanor Catton preocupa-se em cobrir todo o livro de Jane Austen, seguindo fielmente a obra da escritora inglesa. A questão é que essa escolha torna o filme enfadonho e, de certa forma, irritante.

A direção de arte e o design de produção nos conduzem ao interior da Inglaterra no Século XIX: o ambiente bucólico, a aristocracia regada a questionamentos superficiais, as mansões mais parecidas com museus e as belas paisagens – estas já comumente popularizadas pelas adaptações das obras de Austen. Esses elementos somados a constante trilha sonora denotam um tom de fábula à produção.

ADAPTAÇÃO FIEL ATÉ DEMAIS

Toda a projeção é exageradamente teatral , o que contribui para o tom irreal do que vê-se em tela. Emma é uma heroína fútil, arrogante e egoísta. Se transportássemos a personagem para o Século XX, ela poderia ser facilmente uma abelha rainha, seu comportamento até mesmo poderia suscitar adeptos. Provavelmente, no entanto, a personagem presente na adaptação de Wilde não conseguiria gerar tanta identificação e isso se deve a interpretação de Taylor-Joy. Elogiada por seu em “A Bruxa” e “Fragmentado”, aqui, sua atuação oscila entre o robótico e o exagerado. De certo, que todas as atuações no longa estão excessivas, porém a da protagonista e a de Josh O’Connor mostram-se mais afetadas.

Esse tom destoante nas interpretações acaba por não estabelecer afinidade com os personagens, já que todos eles soam detestáveis em diferentes níveis. Talvez o que menos desperte esse olhar seja Mr. Knightley (Johnny Flynn), mas isso deve por ele parecer mais deslocado do que os outros. O personagem deveria ser uma versão menos robusta, mas igualmente admirável de Darcy (“Orgulho e Preconceito”), Coronel Brandon (“Razão e Sensibilidade”) e Frederick Wentworth (“Persuasão”); entretanto suas expressões faciais deixam-no apenas amuado e bem distante da figura do homem mais velho romântico tão presente no universo de Austen. O fato de Taylor-Joy e Flynn terem pouca química, também contribui.

“Emma” é uma das primeiras incursões de Autumn de Wilde na direção de longas-metragens e talvez isso tenha contribuído para o tom exagerado da produção. Apesar disso, é sempre bom ver as impressões visuais que as pessoas têm sobre obras literárias. Só espero que, da próxima vez, a fidelidade não sobreponha a criatividade.

‘Por que Você não Chora?’: boa intenção não salva filme péssimo

Sabe aquele ditado popular: ‘de boas intenções, o inferno está cheio’? Pode ser cruel, eu sei, mas, cabe à perfeição para definir o fraquíssimo “Por que Você Não Chora?”. Escolhido como o filme de abertura da mostra competitiva de longas-metragens nacionais do...

‘Receita de Caranguejo’: metáforas sobre o luto

Baseado em memórias de infância da diretora e roteirista Issis Valenzuela, “Receita de Caranguejo”, selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, aposta em simbolismos e metáforas com a vida marinha para abordar o...

‘4 Bilhões de Infinitos’: homenagem ao cinema e a esperança de dias melhores

Cordisburgo ficou conhecida nacionalmente por ser a terra natal do escritor Guimarães Rosa. Recentemente, a cidade mineira, distante 96,9km em linha reta de Belo Horizonte, virou cenário de uma pentalogia de outra cria da terra, o diretor Marco Antônio Pereira. Com...

‘Queen & Slim’: Black Lives Matter em estética arrebatadora

Vencedora de dois Grammys pela direção do clipe “We Found Love”, de Rihanna, e o álbum visual “Formation”, de Beyoncé, Melina Matsoukas constrói um road movie pautado em violência, intolerância e reencontros em sua estreia na direção cinematográfica. “Queen &...

‘Memories of My Body’: ode à existência de um corpo em plenitude

Pode soar como uma frase tirada diretamente de um livro de mindfulness (técnica de atenção plena), mas de uma forma ou de outra, a maioria das experiências de uma pessoa é mediada pelo corpo. Conduzido desta forma de maneira poética, “Memories of My Body”,...

‘Invasão Zumbi 2: Península’: terror caça-níquel made in Coreia

Em nenhum outro gênero do cinema se produzem tantas continuações como o terror. Elas são feitas porque é um bom negócio: filmes de terror geralmente são baratos, e há o reconhecimento da marca. Quando é lançado e causa impressão junto ao público, ele vira uma marca, e...

‘Estou Pensando em Acabar Com Tudo’: estilo de Kaufman ao ponto da exaustão

Tem uma expressão que meu colega crítico Ivanildo Pereira cita em seus textos e encaixa perfeitamente para descrever Charlie Kaufman: “verborrágico”. O premiado roteirista e diretor é um artista repleto de personalidade e que apresenta temas recorrentes em suas obras...

‘Narciso em Férias’: a violência brasileira em resposta à poesia

Os 54 dias das prisões de Caetano Veloso e Gilberto Gil, entre dezembro de 1968 a fevereiro de 1969, não apenas simbolizaram o mais claro sinal do endurecimento contra a classe artística e intelectual promovido pela ditadura militar no Brasil após o Ato Institucional...

‘Mulan’: tentativa de agradar a todos gera live-action sem força

O live-action de ‘Mulan’, sem dúvida, foi uma das estreias mais afetadas pela pandemia da Covid-19: semanas antes de seu lançamento em março, os cinemas ao redor do mundo foram paralisados, incluindo a China, primeiro epicentro da doença. Além do filme tratar...

‘Tenet’: Christopher Nolan vence o público pelo cansaço

Quando anunciado em 2019, "Tenet" era apenas o mais recente (e antecipado) filme de um dos diretores mais aclamados da atualidade. A pandemia do COVID-19 o transformou em um símbolo da sala de cinema enquanto agente comercial e cultural e local de congregação. Seu...