Em uma cena de “Years and Years”, a personagem de Emma Thompson afirma que os campos de refugiados são uma nova nomenclatura para os campos de concentração. A série da HBO idealiza um pouco essa questão, no entanto “Estado Zero”, minissérie disponível na Netflix e criada por Cate Blanchett, toca no cerne dessa afirmação e expande a visão que temos sobre a convivência nesses espaços.  

Baseada em fatos reais, “Estado Zero” acompanha quatro personagens cuja narrativa se encontra no centro de detenção Barton. Tal escolha nos possibilita conhecer pontos de vista distintos da situação, pois, destaca o dia-a-dia de quem trabalha diretamente com o processo migratório e de quem tem a necessidade de se refugiar em outra pátria.

Anualmente, milhares de pessoas pedem asilo político ou fogem de seus países devido a perseguições políticas e religiosas, recessão econômica e a esperança de viver em um lugar sem ameaças de guerra. O acolhimento a essas pessoas, entretanto, apresenta a verdadeira face “humanitária” do Estado e o roteiro explicita isso por meio da identificação dos refugiados: sem nome, sem histórias e a existência ignorada no mar de burocracias. Em seu núcleo, “Estado Zero” discute como o poder das instituições é falho, abusivo e opressor.

Para representar essas ações, temos os funcionários do centro de detenção: em busca de um emprego que lhes oferte estabilidade e um bom custo de vida, comportam-se como superiores aos refugiados e acreditam que a sua atitude preconceituosa e carregada de xenofobia é positiva e transparece o ideal para o país, aproximando-os da colocação de “Years and Years”. Porém, há um cuidado do roteiro em não lhes dar uma aparência totalmente maniqueísta, evidenciando o quanto o meio pode influenciar o sujeito. Esse é o caso de Cam Sandford (Jai Courtney), que passa por uma transformação conforme aceita o comportamento do grupo e os compartilha.

SEM OUSADIA

Nesse meio, no entanto, a personagem de Yvonne Strahovski se destaca por adensar a discussão ao representar temas relacionados a assédio sexual e doenças mentais. Sua história é inspirada em Cornelia Rau, uma residente alemã que foi detida ilegalmente em um campo de detenção de imigrantes na Austrália.

A personagem, Sofie Werner, que serve como fio condutor da narrativa, é uma aeromoça que surta diante das pressões familiares. Ela encontra refúgio numa espécie de culto, que, ao invés de torná-la livre, a deteriora mental e emocionalmente. Embora a direção de Emma Freeman coloque detalhes sutis, como os planos detalhes nas mãos de Sofie e do líder religioso, é inevitável deixar de perceber que seu comportamento e olhar de pânico não sejam uma resposta traumática a abuso sexual. Infelizmente, “Estado Zero” não tem ousadia para discutir o tema, preferindo suscitá-lo em elipses e deixar subentendido.

A partir dessa decisão, a série ganha e perde. Ganha pela interpretação de Strahovski, que rouba a cena em suas oscilações de desespero, loucura e busca por aceitação. Os momentos em que ela surge em tela são sempre os mais potentes dramaticamente e o ponto alto dos episódios. Um desses ápices é a ligação silenciosa que ela faz a irmã: catártica, impetuosa e triste. Perde, porém, por não adensar a discussão, trabalhar as emoções e oferecer um olhar feminino a situação, visto que a equipe de produção é majoritariamente composta por mulheres.

A narrativa de “Estado Zero” gera agonia e parte disso é provocada pela cor amarela que aparece em todas as cenas seja por ser a cor do deserto ou a tonalidade da blusa de Sofie. Ela remete ao calor australiano, onde os eventos se passam. O sentimento que o aquecimento perpassa seria menos incômodo se não fosse ritmo lento imposto a história, que torna a trama de Ameer (Fayssal Bazzi) e Clare Kowitz (Asher Keddie) um tanto enfadonha em certos momentos. Contribui para isso, por exemplo, a ausência de reviravoltas e de ganchos nos seis episódios.

Essas carências levam a um desfecho óbvio, sem grandes emoções e sem nada inovador ao gênero. Por isso, “Estado Zero” perde em cativar a emoção do público, mas ganha em adensar discussões socialmente relevantes.

‘Heartstopper’ e a beleza da simplicidade de um romance

A adolescência é um período turbulento marcado, principalmente, por descobertas. Nesta fase da vida que se questiona muita coisa e a compreensão do seu corpo e do seu querer tornam-se mais pulsantes. Vivemos uma busca por compreensão de si mesmo. (In)certezas e...

‘Better Call Saul’ 6×07: Plan and Execution

Bem... Até onde algumas pessoas podem ir para ferrar com a vida de uma outra? E o quão rápido as coisas podem ir do céu ao inferno para alguns? Essas são perguntas que ficam na mente ao final do sétimo episódio desta sexta temporada de Better Call Saul, intitulado...

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...