Em uma cena de “Years and Years”, a personagem de Emma Thompson afirma que os campos de refugiados são uma nova nomenclatura para os campos de concentração. A série da HBO idealiza um pouco essa questão, no entanto “Estado Zero”, minissérie disponível na Netflix e criada por Cate Blanchett, toca no cerne dessa afirmação e expande a visão que temos sobre a convivência nesses espaços.  

Baseada em fatos reais, “Estado Zero” acompanha quatro personagens cuja narrativa se encontra no centro de detenção Barton. Tal escolha nos possibilita conhecer pontos de vista distintos da situação, pois, destaca o dia-a-dia de quem trabalha diretamente com o processo migratório e de quem tem a necessidade de se refugiar em outra pátria.

Anualmente, milhares de pessoas pedem asilo político ou fogem de seus países devido a perseguições políticas e religiosas, recessão econômica e a esperança de viver em um lugar sem ameaças de guerra. O acolhimento a essas pessoas, entretanto, apresenta a verdadeira face “humanitária” do Estado e o roteiro explicita isso por meio da identificação dos refugiados: sem nome, sem histórias e a existência ignorada no mar de burocracias. Em seu núcleo, “Estado Zero” discute como o poder das instituições é falho, abusivo e opressor.

Para representar essas ações, temos os funcionários do centro de detenção: em busca de um emprego que lhes oferte estabilidade e um bom custo de vida, comportam-se como superiores aos refugiados e acreditam que a sua atitude preconceituosa e carregada de xenofobia é positiva e transparece o ideal para o país, aproximando-os da colocação de “Years and Years”. Porém, há um cuidado do roteiro em não lhes dar uma aparência totalmente maniqueísta, evidenciando o quanto o meio pode influenciar o sujeito. Esse é o caso de Cam Sandford (Jai Courtney), que passa por uma transformação conforme aceita o comportamento do grupo e os compartilha.

SEM OUSADIA

Nesse meio, no entanto, a personagem de Yvonne Strahovski se destaca por adensar a discussão ao representar temas relacionados a assédio sexual e doenças mentais. Sua história é inspirada em Cornelia Rau, uma residente alemã que foi detida ilegalmente em um campo de detenção de imigrantes na Austrália.

A personagem, Sofie Werner, que serve como fio condutor da narrativa, é uma aeromoça que surta diante das pressões familiares. Ela encontra refúgio numa espécie de culto, que, ao invés de torná-la livre, a deteriora mental e emocionalmente. Embora a direção de Emma Freeman coloque detalhes sutis, como os planos detalhes nas mãos de Sofie e do líder religioso, é inevitável deixar de perceber que seu comportamento e olhar de pânico não sejam uma resposta traumática a abuso sexual. Infelizmente, “Estado Zero” não tem ousadia para discutir o tema, preferindo suscitá-lo em elipses e deixar subentendido.

A partir dessa decisão, a série ganha e perde. Ganha pela interpretação de Strahovski, que rouba a cena em suas oscilações de desespero, loucura e busca por aceitação. Os momentos em que ela surge em tela são sempre os mais potentes dramaticamente e o ponto alto dos episódios. Um desses ápices é a ligação silenciosa que ela faz a irmã: catártica, impetuosa e triste. Perde, porém, por não adensar a discussão, trabalhar as emoções e oferecer um olhar feminino a situação, visto que a equipe de produção é majoritariamente composta por mulheres.

A narrativa de “Estado Zero” gera agonia e parte disso é provocada pela cor amarela que aparece em todas as cenas seja por ser a cor do deserto ou a tonalidade da blusa de Sofie. Ela remete ao calor australiano, onde os eventos se passam. O sentimento que o aquecimento perpassa seria menos incômodo se não fosse ritmo lento imposto a história, que torna a trama de Ameer (Fayssal Bazzi) e Clare Kowitz (Asher Keddie) um tanto enfadonha em certos momentos. Contribui para isso, por exemplo, a ausência de reviravoltas e de ganchos nos seis episódios.

Essas carências levam a um desfecho óbvio, sem grandes emoções e sem nada inovador ao gênero. Por isso, “Estado Zero” perde em cativar a emoção do público, mas ganha em adensar discussões socialmente relevantes.

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...