ATENÇÃO: texto com spoilers

Depois da emergência quase catastrófica do episódio anterior e do seu final apoteótico que representou um breve momento de felicidade para quase todos os personagens a bordo do Snowpiercer, as coisas voltam a ficar sérias e sombrias em “O universo é indiferente”, sétimo episódio desta temporada de Expresso do Amanhã. Nele, alianças são formadas, temos a aparente morte de uma personagem importante, e uma cena final arrepiante promete fazer a situação pegar fogo enquanto entramos na reta final da temporada.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódios 1 e 2

“O universo é indiferente” começa no dia seguinte à quase catástrofe do episódio anterior. A paz a bordo, pelo visto, só durou uma noite. Melanie se mostra obcecada em encontrar Layton, já que ele conhece o segredo dela e tal revelação pode acabar com Melanie e com a vida no trem, como ela é. Nesse jogo, o garotinho Miles (Jaylin Fletcher) se torna uma peça chave, e Melanie não se furta a usá-lo.

Na cena mais tensa do episódio, Melanie confronta e tortura Josie pessoalmente, para que esta revele o paradeiro de Layton. São os momentos mais tensos que Expresso do Amanhã já mostrou até agora, atuados à perfeição por Jennifer Connelly e Katie McGuinness. Anteriormente na série vimos um braço congelado como punição para quem infringe a lei dentro do Snowpiercer; neste episódio, a tortura da Melanie envolvendo congelamento também provoca angústia no espectador. Para o mérito do roteiro e da atriz que a vive, a toda-poderosa do trem nunca se torna uma mera vilã unidimensional, mas, neste episódio, a vemos tomar medidas extremas para manter seu poder.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódio 3 e 4

Um aparte: Josie morreu mesmo? Décadas assistindo a filmes e séries me ensinaram a não confiar na morte de um personagem importante sem ver o cadáver propriamente dito, mas parece que os roteiristas tomaram, sim, esse passo importante na história. Particularmente, eu tenderia a ficar decepcionado se ela retornasse no próximo episódio…

NÍVEL DE ANSIEDADE NO MÁXIMO

Vemos Melanie lidando de forma assustadora com uma crise, mas outra começa a se formar ao seu redor… Em nome do poder, e sentindo o cheiro do sangue no ar, os Folger e o comandante Grey (Timothy V. Murphy) tentam recrutar Ruth para ajudá-los num plano para tirar Melanie de cena e assumir o comando do trem, ficando assim próximos ao “Sr. Wilford”.  Em outra cena perfeitamente atuada e carregada de subtexto, vemos a atriz Alison Wright usar o seu rosto interessantíssimo para mostrar seu aceite no complô, quando Ruth é destratada por uma estressada Melanie. A partir dali, vemos que ajudar sua comandante no “ingrato trabalho” – nas palavras de Melanie – de administrar o trem passa a não ser mais prioridade para Ruth.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 5

E se a perspectiva de uma articulação sinistra entre membros da primeira classe para tirar Melanie do poder já parece empolgante, a cena final do episódio, então, eleva o nível de ansiedade lá para cima. É quando vemos um angustiado Layton se aliando justamente à pessoa mais improvável para compartilhar o segredo de Melanie. É o tipo de momento que roteiristas de TV anseiam para criar, aquele que deixa o espectador roendo as unhas até o próximo episódio.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 6

Em termos visuais, o grande momento do episódio é mesmo a confrontação entre Melanie e Josie, filmada com precisão pela diretora Helen Shaver. É um momento muito bem encenado, mas o grande trabalho de direção nesse episódio é mesmo com os atores: McGuinness, Wright, Daveed Diggs, Shaun Toub (roubando algumas cenas como Terence e fazendo o máximo com seu personagem seboso) e Jennifer Connelly estão todos incríveis, com a última novamente dando vida à figura mais fascinante da série. Como toda pessoa acuada e com medo de perder seu poder, a Melanie aos poucos começa a perder o controle e a fazer coisas terríveis em nome da preservação do frágil equilíbrio a bordo do Snowpiercer. Mas há outras forças ameaçando esse equilíbrio, e uma mudança de status quo neste momento parece inevitável. Por mais que ela lute para manter o poder e a farsa a bordo do trem, o universo é indiferente mesmo.

‘The Beatles: Get Back’: entre o fascinante e o interminável

Em janeiro de 1969, os Beatles se reuniram para gravar uma apresentação que seria televisionada e também para trabalhar em músicas para esse show que virariam um novo álbum. Todo esse processo foi acompanhado pelas câmeras do cineasta Michael Lindsay-Hogg, com...

‘Maid’: o fim do American Way of Life

“Maid” é uma produção focada em dilemas contemporâneos e esse é o principal de seus acertos. Disponível na Netflix e protagonizada por Margaret Qualley, a minissérie acompanha Alex, uma jovem que foge de um relacionamento abusivo e passa a trabalhar como empregada...

‘Missa da Meia-Noite’: Mike Flanagan acerta sem correr riscos

Quando pensamos em produções de terror é muito fácil associar suas tramas a existência do sobrenatural, do desconhecido, mesmo que existam muitos títulos onde o vilão se trata na realidade de uma pessoa como qualquer outra. Contemplando essas duas linhas narrativas,...

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...