Em “Expresso do Amanhã”, o mundo do lado de fora do Snowpiercer pode estar congelado, mas o clima a bordo do trem volta a esquentar neste sexto episódio da temporada, “De onde menos se espera…”. Mas é um calor só superficial… É um episódio curioso da série, no qual as tramas que estávamos acompanhando até então dão uma parada momentânea graças a uma emergência a bordo. É um desenvolvimento proposital, e embora não se possa chamá-lo de um mero filler – aquele tipo de episódio que só enrola e não vai a lugar nenhum dentro do arco de uma temporada – também não se pode dizer que o que acontece nesse segmento é assim tão interessante.

O episódio começa como outro dia normal a bordo com mais uma grande crise a ponto de eclodir no Snowpiercer: uma greve está marcada, como protesto ao resultado do julgamento do episódio anterior, o que pode vir a se tornar um grande problema para Melanie. Mas, eis que acontece um curto-circuito em um dos sistemas de freio e a situação se complica rapidamente. No decorrer de tudo, o trem passa a encarar uma emergência real, com o risco de um descarrilamento catastrófico.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódios 1 e 2

A respeito dessa emergência, os roteiristas a usam para explorar a alegoria intrínseca à premissa da “Expresso do Amanhã”. Porém, em termos de roteiro, essa emergência é a “falsa encrenca” típica – é óbvio que o trem não será destruído, porque se isso ocorrer, a série acaba. Por mais que a direção do episódio – a cargo de Helen Shaver – tente criar suspense e mostre Melanie assumindo ela mesma os reparos para salvar o trem e evitar o desastre, sabemos que ela vai conseguir.

ENTRE ACERTOS E ERROS

O que essa emergência tenta fazer é humanizar alguns dos personagens da série. De repente, Osweiller (Sam Otto) e Till (Mickey Sumner) encaram juntos a possibilidade da morte e chegam a um entendimento. Pena que isso em si não seja muito dramático, pois vimos poucas interações desses personagens até agora. A opção de iniciar o episódio com uma narração em off do Osweiller também é meio estranha, pois o personagem nem ocupa tanto tempo de tela neste segmento, nem passa por uma mudança importante.

Também vemos Melanie ser a verdadeira heroína do episódio. Mas a emergência em si não nos revela nada de novo nem contribui para desenvolver a personagem de forma significativa. Também tenho problemas com o encontro dela com o Layton: parece inverossímil que Layton, desorientado, simplesmente tope com a administradora do trem no meio de uma emergência catastrófica e a ameace enquanto ela tenta salvar a todos. A segurança do trem estava onde? Não tinha ninguém a acompanhando naquele momento?

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódio 3 e 4

Ainda assim, Melanie faz uma revelação a ele que, com certeza, será explorada em episódios vindouros – será verdade o que ela diz a ele a respeito das gavetas? Quem quiser especular, pode ficar à vontade aí nos comentários…

“De onde menos se espera…” não chega a ser um episódio ruim: o elenco está comprometido com seus personagens e há ótimos efeitos visuais e um clima de aventura. Mas realmente é um episódio que não aproveita todo o seu potencial para drama e desenvolvimento de personagens. De fato, o que ele acaba fazendo de melhor é usar a metáfora da série de modo efetivo. A melhor cena dele é ao seu final, quando vemos Layton e Josie fazendo amor, felizes simplesmente pelo fato de terminarem vivos mais um dia a bordo do Snowpiercer. Por um momento, todos os personagens ficam felizes por enfrentarem a morte e sobreviverem. Os problemas do início e os que vêm se acumulando desde o começo da temporada são esquecidos, ao menos por enquanto. Melanie começa o episódio como vilã e acaba como heroína. Ela se safa, em mais de um nível, dentro da história.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 5

No fim das contas, essa é uma noção muito humana: uma alegria momentânea, um triunfo específico, é o suficiente para fazer as pessoas esquecerem-se dos grandes problemas. Por um episódio, todos a bordo – e o espectador também – percebem que estão todos juntos nessa, dentro da realidade deles. Todos ficam no mesmo nível. É uma alegoria para o nosso mundo: do lado de cá da tela, nós também estamos juntos num trem que pode descarrilar a qualquer momento. Por mais que nossas divisões nos separem, assim como separam os passageiros do Snowpiercer.

‘The Boys’ 2×05 – ponto alto da temporada até aqui

Começando a se encaminhar para o final da segunda temporada, ‘The Boys’ acelera o ritmo da narrativa e entrega um de seus melhores episódios. Entre referências, sarcasmos e revelações, a série também apresenta dois recursos primordiais para ser um sucesso de público:...

‘Ratched’ – 1ª Temporada: traição à essência de clássica vilã

Às vezes, produtores de Hollywood têm cada ideia que nos fazem questionar os rumos da indústria. Tome, por exemplo, a série Ratched, que estreou na Netflix a sua primeira fornada de oito episódios – a segunda virá em 2021. É mais uma produção de Ryan Murphy, um dos...

‘Lovecraft Country’ 1×05: ironia sobra em novo ponto alto da série

Até agora, Lovecraft Country se mostrou meio que uma montanha-russa: um episódio muito bom, seguido de um fraco; mais um muito bom, outro problemático. Pois bem, é ótimo notar que neste quinto episódio da temporada, “Um caso estranho”, a gangorra sobe novamente....

‘The Boys’ – 2ª Temporada 2×01 a 2×04 – ação ainda supera história

‘The Boys’ inicia a segunda temporada apostando nos elementos que marcam seu diferencial em comparação a outras adaptações de HQ’s: violenta, sanguinária e constantemente surreal. Entretanto, neste segundo ano, tais pontos fortes são comedidos e dividem espaço com a...

‘Away’: drama se sobressai à sci-fi em boa série da Netflix

Orbitando entre a ficção científica e o melodrama familiar, ‘Away’ estreia na Netflix como uma surpresa positiva não somente para os fãs de sci-fi, mas também para qualquer um que aprecie uma boa narrativa. Diferente de muitas produções atuais do streaming, a série...

‘Lovecraft Country’ 1×04: sai terror e entra Indiana Jones

É hora da caça ao McGuffin em Lovecraft Country! O quarto episódio desta temporada da série é menos Lovecraft e mais estilo Indiana Jones, o que de novo rende um episódio divertido que consegue aliar cenas tensas e malucas – já se tornando características da série –...

‘Lovecraft Country’ 1×03: sem medo de experimentar ao máximo

Realmente parece que cada episódio de Lovecraft Country vai se configurar numa viagem a um lugar maluco e imprevisível. Depois de todas as doidices do episódio anterior, este terceiro, intitulado “Espírito Santo” (Holy Ghost), mantém a pegada maluca do seriado, mas...

‘Lovecraft Country’ 1×02: trama acelera além da conta

Depois do empolgante primeiro episódio da temporada de Lovecraft Country, o segundo tinha a difícil tarefa de sucedê-lo e manter a atenção do espectador. Isso é compreensível. Mas o que não se esperaria era que o segundo episódio fosse tão... cheio de coisas: são...

‘3%’ – Quarta Temporada: desfecho bonito de subestimada série da Netflix

"- A gente vai apagar a história.  - Não, a gente vai fazer história"  -- Pioneira das produções brasileiras na Netflix, ‘3%’ sempre apresentou como objetivo refletir o Brasil, principalmente, nos aspectos político e social. Desta forma, apesar de existirem temas...

‘Estado Zero’: engajamento social sobra enquanto falta emoção

Em uma cena de “Years and Years”, a personagem de Emma Thompson afirma que os campos de refugiados são uma nova nomenclatura para os campos de concentração. A série da HBO idealiza um pouco essa questão, no entanto “Estado Zero”, minissérie disponível na Netflix e...