Em “Expresso do Amanhã”, o mundo do lado de fora do Snowpiercer pode estar congelado, mas o clima a bordo do trem volta a esquentar neste sexto episódio da temporada, “De onde menos se espera…”. Mas é um calor só superficial… É um episódio curioso da série, no qual as tramas que estávamos acompanhando até então dão uma parada momentânea graças a uma emergência a bordo. É um desenvolvimento proposital, e embora não se possa chamá-lo de um mero filler – aquele tipo de episódio que só enrola e não vai a lugar nenhum dentro do arco de uma temporada – também não se pode dizer que o que acontece nesse segmento é assim tão interessante.

O episódio começa como outro dia normal a bordo com mais uma grande crise a ponto de eclodir no Snowpiercer: uma greve está marcada, como protesto ao resultado do julgamento do episódio anterior, o que pode vir a se tornar um grande problema para Melanie. Mas, eis que acontece um curto-circuito em um dos sistemas de freio e a situação se complica rapidamente. No decorrer de tudo, o trem passa a encarar uma emergência real, com o risco de um descarrilamento catastrófico.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódios 1 e 2

A respeito dessa emergência, os roteiristas a usam para explorar a alegoria intrínseca à premissa da “Expresso do Amanhã”. Porém, em termos de roteiro, essa emergência é a “falsa encrenca” típica – é óbvio que o trem não será destruído, porque se isso ocorrer, a série acaba. Por mais que a direção do episódio – a cargo de Helen Shaver – tente criar suspense e mostre Melanie assumindo ela mesma os reparos para salvar o trem e evitar o desastre, sabemos que ela vai conseguir.

ENTRE ACERTOS E ERROS

O que essa emergência tenta fazer é humanizar alguns dos personagens da série. De repente, Osweiller (Sam Otto) e Till (Mickey Sumner) encaram juntos a possibilidade da morte e chegam a um entendimento. Pena que isso em si não seja muito dramático, pois vimos poucas interações desses personagens até agora. A opção de iniciar o episódio com uma narração em off do Osweiller também é meio estranha, pois o personagem nem ocupa tanto tempo de tela neste segmento, nem passa por uma mudança importante.

Também vemos Melanie ser a verdadeira heroína do episódio. Mas a emergência em si não nos revela nada de novo nem contribui para desenvolver a personagem de forma significativa. Também tenho problemas com o encontro dela com o Layton: parece inverossímil que Layton, desorientado, simplesmente tope com a administradora do trem no meio de uma emergência catastrófica e a ameace enquanto ela tenta salvar a todos. A segurança do trem estava onde? Não tinha ninguém a acompanhando naquele momento?

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódio 3 e 4

Ainda assim, Melanie faz uma revelação a ele que, com certeza, será explorada em episódios vindouros – será verdade o que ela diz a ele a respeito das gavetas? Quem quiser especular, pode ficar à vontade aí nos comentários…

“De onde menos se espera…” não chega a ser um episódio ruim: o elenco está comprometido com seus personagens e há ótimos efeitos visuais e um clima de aventura. Mas realmente é um episódio que não aproveita todo o seu potencial para drama e desenvolvimento de personagens. De fato, o que ele acaba fazendo de melhor é usar a metáfora da série de modo efetivo. A melhor cena dele é ao seu final, quando vemos Layton e Josie fazendo amor, felizes simplesmente pelo fato de terminarem vivos mais um dia a bordo do Snowpiercer. Por um momento, todos os personagens ficam felizes por enfrentarem a morte e sobreviverem. Os problemas do início e os que vêm se acumulando desde o começo da temporada são esquecidos, ao menos por enquanto. Melanie começa o episódio como vilã e acaba como heroína. Ela se safa, em mais de um nível, dentro da história.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 5

No fim das contas, essa é uma noção muito humana: uma alegria momentânea, um triunfo específico, é o suficiente para fazer as pessoas esquecerem-se dos grandes problemas. Por um episódio, todos a bordo – e o espectador também – percebem que estão todos juntos nessa, dentro da realidade deles. Todos ficam no mesmo nível. É uma alegoria para o nosso mundo: do lado de cá da tela, nós também estamos juntos num trem que pode descarrilar a qualquer momento. Por mais que nossas divisões nos separem, assim como separam os passageiros do Snowpiercer.

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...