Num certo sentido, uma série de TV – ainda mais as atuais – são como um trem em movimento. Uma série nos leva numa viagem, às vezes aos trancos e barrancos, mas geralmente com as principais paradas já programadas com antecedência. Claro, o mundo real muitas vezes interfere, mas hoje em dia, quando uma série começa, seus criadores já precisam ter, mais ou menos, ideia de como ela vai se desenvolver, de como ela vai acabar e planos alternativos para contornar imprevistos.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódios 1 e 2

Expresso do Amanhã, por sua própria natureza e premissa, estabeleceu esse paralelo até de forma meio não-proposital. A viagem nessa primeira temporada – a segunda foi confirmada já há algumas semanas – não foi das mais suaves. Os primeiros episódios foram sim, meio chatos. Fizeram uma preparação necessária, mas ainda assim… poderiam ter sido melhores. Houve problemas de bastidores. O visual da série ainda parece inapropriado, iluminado demais – desperta até comparações com as séries do canal CW – e não tão opressivo. O desenvolvimento de vários personagens não foi tão bem conduzido. E, claro, pairava sobre a série a enorme sombra do incrível filme de Bong Joon-Ho. Mas com o tempo, Expresso do Amanhã começou a jogar suas surpresas para cima do espectador, a criar um legítimo clima de tensão, e até a se desvencilhar do espectro do filme.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódio 3 e 4

Tudo isso conduziu a estes dois últimos episódios da temporada. No nono, intitulado “O trem exige sangue”, vemos a continuação de revolução a bordo do trem. Melanie está presa e prestes a ser executada, Layton e os rebeldes enfrentam a possibilidade catastrófica de serem mortos por gás venenoso, e a situação parece desesperadora.

Apesar de bom, este episódio, sem dúvida, tem suas falhas. Tanto a fuga de Melanie quanto a salvação de Layton num momento crucial perto do clímax são conveniências narrativas, com os roteiristas forçando um pouco a barra para livrar dois personagens-chaves.  Realmente, “O trem exige sangue” não é um episódio, um payoff, à altura do que foi prometido no anterior. Alguns ganchos do anterior não são aproveitados também.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 5

Ainda assim, o episódio entrega ação e suspense para o espectador e, ao menos, uma cena poderosa: em dado momento, Layton precisa fazer um sacrifício para fazer com que a revolução aconteça. A atuação de Daveed Diggs nessa cena é, provavelmente, a melhor dele em toda a temporada com o ator aproveitando o momento ao máximo para transmitir as nuances do estado interior do personagem.  Neste momento, Layton percebe o peso das tomadas de decisão a bordo do trem, que muitas vezes significam a vida ou a morte. Ele vira praticamente o reflexo no espelho da Melanie.

SEM ACOMODAÇÃO OU MEDO

Mas, então, chegamos ao episódio final da temporada, o décimo, “994 vagões”, que é melhor. A estrutura social no trem muda definitivamente, e por uns minutos, “Expresso do Amanhã” tenta responder à pergunta: “o que aconteceria se os pobres virassem o jogo contra os ricos?”. Uma pergunta pertinente, já que no Snowpiercer os recursos são limitados e a situação é de vida ou morte. Vemos personagens lidando com as consequências de suas escolhas e até um pouco de humor, cortesia do ótimo ator Steven Ogg no papel de Pike. Vemos como a figura do mito de Wilford ajudava a manter uma situação precária sob controle – frágil, é verdade, mas ainda assim controlável. E um pouco sobre o passado de Melanie, e mais uma camada é adicionada a esta personagem fascinante.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 6

Quando o espectador se acostuma com a ideia de pensar no futuro da série como um experimento social ou um tratado de sociologia, uma reviravolta surge literalmente de um trilho paralelo. É um momento que vale não estragar, mas é o tipo de coisa que fundamentalmente transforma a narrativa de uma série e prepara o terreno para um futuro com enorme potencial. E de novo, a série parece engatar uma tangente para um novo caminho. É de se admirar quando um seriado chuta para gol de muito longe assim… Mas como se viu ao longo dessa temporada, não se pode acusar os roteiristas de Expresso do Amanhã de serem medrosos ou acomodados.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 7

Em todo caso, o espectador passa os minutos finais de “994 vagões” com os olhos grudados na TV; hipnotizado pelas atuações de Jennifer Connelly e Alison Wright, e pelos bons efeitos visuais; e ansioso para ver aonde isso tudo vai. A viagem desta primeira temporada demorou em engrenar e não foi exatamente sem percalços, mas o interessante é que a série soube se reinventar algumas vezes e se constituiu numa bela surpresa. Seus criadores parecem estar seguros do destino da viagem, e talvez surja daí essa capacidade de surpreender o espectador. Foi uma boa temporada no geral e a próxima promete ser melhor. Ainda há mais trilhos a percorrer…

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 8

É isso, pessoal, agradeço a quem acompanhou essas resenhas semanais e espero que tenham gostado. Nos vemos na segunda temporada – seja lá quando ela vier…

‘Lovecraft Country’ 1×06: surpreendente romance em meio ao terror

Bem, uma coisa ninguém pode dizer de Lovecraft Country: ser um seriado chato e previsível. O sexto episódio da temporada, “Me encontre em Daegu”, é um momento inspirado da série, uma hora cheia de imagens grotescas muitas vezes contrapostas a um clima tocante, belo...

‘The Boys’ 2×05 – ponto alto da temporada até aqui

Começando a se encaminhar para o final da segunda temporada, ‘The Boys’ acelera o ritmo da narrativa e entrega um de seus melhores episódios. Entre referências, sarcasmos e revelações, a série também apresenta dois recursos primordiais para ser um sucesso de público:...

‘Ratched’ – 1ª Temporada: traição à essência de clássica vilã

Às vezes, produtores de Hollywood têm cada ideia que nos fazem questionar os rumos da indústria. Tome, por exemplo, a série Ratched, que estreou na Netflix a sua primeira fornada de oito episódios – a segunda virá em 2021. É mais uma produção de Ryan Murphy, um dos...

‘Lovecraft Country’ 1×05: ironia sobra em novo ponto alto da série

Até agora, Lovecraft Country se mostrou meio que uma montanha-russa: um episódio muito bom, seguido de um fraco; mais um muito bom, outro problemático. Pois bem, é ótimo notar que neste quinto episódio da temporada, “Um caso estranho”, a gangorra sobe novamente....

‘The Boys’ – 2ª Temporada 2×01 a 2×04 – ação ainda supera história

‘The Boys’ inicia a segunda temporada apostando nos elementos que marcam seu diferencial em comparação a outras adaptações de HQ’s: violenta, sanguinária e constantemente surreal. Entretanto, neste segundo ano, tais pontos fortes são comedidos e dividem espaço com a...

‘Away’: drama se sobressai à sci-fi em boa série da Netflix

Orbitando entre a ficção científica e o melodrama familiar, ‘Away’ estreia na Netflix como uma surpresa positiva não somente para os fãs de sci-fi, mas também para qualquer um que aprecie uma boa narrativa. Diferente de muitas produções atuais do streaming, a série...

‘Lovecraft Country’ 1×04: sai terror e entra Indiana Jones

É hora da caça ao McGuffin em Lovecraft Country! O quarto episódio desta temporada da série é menos Lovecraft e mais estilo Indiana Jones, o que de novo rende um episódio divertido que consegue aliar cenas tensas e malucas – já se tornando características da série –...

‘Lovecraft Country’ 1×03: sem medo de experimentar ao máximo

Realmente parece que cada episódio de Lovecraft Country vai se configurar numa viagem a um lugar maluco e imprevisível. Depois de todas as doidices do episódio anterior, este terceiro, intitulado “Espírito Santo” (Holy Ghost), mantém a pegada maluca do seriado, mas...

‘Lovecraft Country’ 1×02: trama acelera além da conta

Depois do empolgante primeiro episódio da temporada de Lovecraft Country, o segundo tinha a difícil tarefa de sucedê-lo e manter a atenção do espectador. Isso é compreensível. Mas o que não se esperaria era que o segundo episódio fosse tão... cheio de coisas: são...

‘3%’ – Quarta Temporada: desfecho bonito de subestimada série da Netflix

"- A gente vai apagar a história.  - Não, a gente vai fazer história"  -- Pioneira das produções brasileiras na Netflix, ‘3%’ sempre apresentou como objetivo refletir o Brasil, principalmente, nos aspectos político e social. Desta forma, apesar de existirem temas...