Num certo sentido, uma série de TV – ainda mais as atuais – são como um trem em movimento. Uma série nos leva numa viagem, às vezes aos trancos e barrancos, mas geralmente com as principais paradas já programadas com antecedência. Claro, o mundo real muitas vezes interfere, mas hoje em dia, quando uma série começa, seus criadores já precisam ter, mais ou menos, ideia de como ela vai se desenvolver, de como ela vai acabar e planos alternativos para contornar imprevistos.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódios 1 e 2

Expresso do Amanhã, por sua própria natureza e premissa, estabeleceu esse paralelo até de forma meio não-proposital. A viagem nessa primeira temporada – a segunda foi confirmada já há algumas semanas – não foi das mais suaves. Os primeiros episódios foram sim, meio chatos. Fizeram uma preparação necessária, mas ainda assim… poderiam ter sido melhores. Houve problemas de bastidores. O visual da série ainda parece inapropriado, iluminado demais – desperta até comparações com as séries do canal CW – e não tão opressivo. O desenvolvimento de vários personagens não foi tão bem conduzido. E, claro, pairava sobre a série a enorme sombra do incrível filme de Bong Joon-Ho. Mas com o tempo, Expresso do Amanhã começou a jogar suas surpresas para cima do espectador, a criar um legítimo clima de tensão, e até a se desvencilhar do espectro do filme.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódio 3 e 4

Tudo isso conduziu a estes dois últimos episódios da temporada. No nono, intitulado “O trem exige sangue”, vemos a continuação de revolução a bordo do trem. Melanie está presa e prestes a ser executada, Layton e os rebeldes enfrentam a possibilidade catastrófica de serem mortos por gás venenoso, e a situação parece desesperadora.

Apesar de bom, este episódio, sem dúvida, tem suas falhas. Tanto a fuga de Melanie quanto a salvação de Layton num momento crucial perto do clímax são conveniências narrativas, com os roteiristas forçando um pouco a barra para livrar dois personagens-chaves.  Realmente, “O trem exige sangue” não é um episódio, um payoff, à altura do que foi prometido no anterior. Alguns ganchos do anterior não são aproveitados também.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 5

Ainda assim, o episódio entrega ação e suspense para o espectador e, ao menos, uma cena poderosa: em dado momento, Layton precisa fazer um sacrifício para fazer com que a revolução aconteça. A atuação de Daveed Diggs nessa cena é, provavelmente, a melhor dele em toda a temporada com o ator aproveitando o momento ao máximo para transmitir as nuances do estado interior do personagem.  Neste momento, Layton percebe o peso das tomadas de decisão a bordo do trem, que muitas vezes significam a vida ou a morte. Ele vira praticamente o reflexo no espelho da Melanie.

SEM ACOMODAÇÃO OU MEDO

Mas, então, chegamos ao episódio final da temporada, o décimo, “994 vagões”, que é melhor. A estrutura social no trem muda definitivamente, e por uns minutos, “Expresso do Amanhã” tenta responder à pergunta: “o que aconteceria se os pobres virassem o jogo contra os ricos?”. Uma pergunta pertinente, já que no Snowpiercer os recursos são limitados e a situação é de vida ou morte. Vemos personagens lidando com as consequências de suas escolhas e até um pouco de humor, cortesia do ótimo ator Steven Ogg no papel de Pike. Vemos como a figura do mito de Wilford ajudava a manter uma situação precária sob controle – frágil, é verdade, mas ainda assim controlável. E um pouco sobre o passado de Melanie, e mais uma camada é adicionada a esta personagem fascinante.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 6

Quando o espectador se acostuma com a ideia de pensar no futuro da série como um experimento social ou um tratado de sociologia, uma reviravolta surge literalmente de um trilho paralelo. É um momento que vale não estragar, mas é o tipo de coisa que fundamentalmente transforma a narrativa de uma série e prepara o terreno para um futuro com enorme potencial. E de novo, a série parece engatar uma tangente para um novo caminho. É de se admirar quando um seriado chuta para gol de muito longe assim… Mas como se viu ao longo dessa temporada, não se pode acusar os roteiristas de Expresso do Amanhã de serem medrosos ou acomodados.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 7

Em todo caso, o espectador passa os minutos finais de “994 vagões” com os olhos grudados na TV; hipnotizado pelas atuações de Jennifer Connelly e Alison Wright, e pelos bons efeitos visuais; e ansioso para ver aonde isso tudo vai. A viagem desta primeira temporada demorou em engrenar e não foi exatamente sem percalços, mas o interessante é que a série soube se reinventar algumas vezes e se constituiu numa bela surpresa. Seus criadores parecem estar seguros do destino da viagem, e talvez surja daí essa capacidade de surpreender o espectador. Foi uma boa temporada no geral e a próxima promete ser melhor. Ainda há mais trilhos a percorrer…

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 8

É isso, pessoal, agradeço a quem acompanhou essas resenhas semanais e espero que tenham gostado. Nos vemos na segunda temporada – seja lá quando ela vier…

‘Heartstopper’ e a beleza da simplicidade de um romance

A adolescência é um período turbulento marcado, principalmente, por descobertas. Nesta fase da vida que se questiona muita coisa e a compreensão do seu corpo e do seu querer tornam-se mais pulsantes. Vivemos uma busca por compreensão de si mesmo. (In)certezas e...

‘Better Call Saul’ 6×07: Plan and Execution

Bem... Até onde algumas pessoas podem ir para ferrar com a vida de uma outra? E o quão rápido as coisas podem ir do céu ao inferno para alguns? Essas são perguntas que ficam na mente ao final do sétimo episódio desta sexta temporada de Better Call Saul, intitulado...

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...